FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
ARTIGO

13 filmes para ver no Olhar de Cinema de Curitiba

Categoria: Geral
Por Pedro Tavares
Conheça alguns destaques desta edição do festival.
De 7 a 15 de junho, Curitiba recebe a 6ª edição do Olhar de Cinema, festival que anualmente apresenta um rico e diversificado panorama do cinema mundial. Nesta edição, que será acompanhada in loco pelo colega Francisco Carbone, diversos filmes prometem render interessantes sessões, discussões e reflexões. Apresentamos e comentamos aqui alguns deles: 


ALIPATO - A BREVÍSSIMA VIDA DE UM MALANDRO (Khavn,  2016)

Conhecido por sua visão pessimista e caótica das Filipinas, Khavn faz de Alipato um conjunto de alegorias do apocalipse. Um filme basicamente de imagens sobre o lamento e urgência com influências do surrealismo, games e do cinema contemporâneo (Harmony Korine, Brillante Mendoza). Neste caso sobra espetáculo e falta coesão no cenário explorado. 


TODAS AS CIDADES DO NORTE (Dane Komljen, 2016)

Na memória que esqueletos de uma comunidade fantasma evoca está um protodiscurso político justificado pela solidão e desejos de seus personagens. Sempre posto de maneira que o discurso não seja epítome das ações em um grande palco, o filme não encontra outra saída senão explicitar suas intenções no mar de silêncio e ações cotidianas.


MEU CORPO É POLÍTICO (Alice Riff, 2017)

Cabe aqui questionar se o tema subverte a forma. Ainda que tudo que o filme exiba provoque discussões pertinentes acerca de gênero e liberdade, está também num molde do registro cotidiano tantas vezes usado no tal novíssimo cinema brasileiro, como em A Vizinhança do Tigre, Avenida Brasília Formosa e Vigias, por exemplo. O formalismo coloca em cheque o próprio uso da observação. 


MÁQUINAS (Rahul Jaín, 2016)

Funciona muito bem quando está em função ao que se vê, dando à imagem suas funções básicas, incluindo o norte discursivo - o valor da mão de obra na Índia ao acompanhar o cotidiano de trabalhadores de uma fábrica de tecidos. Infelizmente Rahul Jaín subestima o próprio filme e impõe o uso da palavra, criando assim personagens, discursos prontos e a distância da fabulação que a imagem criara até então. 


LA TERRA AÚN SE MUEVE (Pablo Chavarria, 2016)

Terror e dissociação. Jogo de sensações que possui momentos brilhantes e que surpreende ao se manter assim por boa parte do filme, em diálogo constante com gênero e discurso. Exceto quando se debruça em colar imagens e não significá-las. 


SOLDADO (Manuel Abramovich, 2017)

O filme acompanha o cotidiano de um soldado da banda militar e levanta a questão da desapropriação cultural em uma instituição que não está em constante ação, como é o caso do exército argentino. Abramovich registra momentos de força estética e não se inclina a desdobrar a rotina do soldado afim de um significado maior frente ao tédio.


REY (Niles Attalah)

De aura fantasmagórica, Rey é como um encontro de Raul Perrone e Jodorowsky para narrar o fim do cinema e da História através de um capítulo esquecido da história chilena. Como forma paralela de questionar valor e abordagem, Niles Attalah usa o surrealismo de forma gradual até o iminente caos. 


66 KINOS (Philipp Hartmann)

Enquanto exibia seu filme Time Goes by Like a Roaring Lion em 66 salas de cinema diferentes da Alemanha, Hartmann acompanhou as diversas formas que o cinema apresenta hoje. Dos Multiplex aos cinemas underground, dos cinemas que oferecem garçons e mesas às salas que proíbem qualquer barulho, o filme serve como um panorama - nem sempre com respostas - sobre o ritual de se ver e viver de cinema.


NAVIOS DE TERRA (Simone Cortezão)

O desejo de chegar em algum lugar, mesmo que este lugar não exista mais. Uma grande metáfora sobre saudade. E a partir disso o filme guarda um silencioso conto sobre angústia e solidão. Cortezão faz do silêncio poesia, e do cotidiano uma janela para questões sobre a frouxidão narrativa que o filme oferece.


O QUE ME MOTIVA II (Ignácio Aguero)

Na busca pelo sentido da cinematografia no cinema, Aguero, interlocutor e crente às palavras (assim como Eduardo Coutinho), expande o filme original e se permite reiniciar, arquivar raciocínios e tópicos, mas ser sempre linear no sentido que existe algo além do cinema, inclusive nos sets de filmagem. E são nos planos que a palavra se distancia que  O Que Motiva II tem força máxima. Uma experiência muito interessante no diálogo do real significado dos filmes dentro e fora das salas.


300 MILHAS (Orwa Al Mokdad)

Não há outra opção de leitura em 300 Milhas fora o poder do cinema de acender pavios que a TV e jornais não conseguem. Uma nova leitura da guerra da Síria, com conflitos maiores que reportagens de 5 minutos conseguem chegar - com desejos, arrependimentos e uma certeza muito violenta sobre o mundo. Ao mesmo tempo que se lamenta, há um sentido em tudo que Mokdad filma.


UMA PAISAGEM DE YANGTZE (Xu Xin)

É notável o diálogo de Xu Xin com o suposto desenvolvimento chinês com o número de tragédias enumeradas durante o filme. Uma Paisagem de Yangtze exibe um país apocalíptico, em boa parte de sua duração entregue somente à força da imagem e com o alicerce de uma espécie de conjunto de performances de homens frente à câmera. Munidos por sons de fábricas, tiros, bombas e fogos de artifício - representação máxima do caos de um país "desenvolvido" como recurso -, Xu Xin faz um trabalho cuidadoso sobre um momento que o país se vira para o que se escuta no filme, mas nunca para o que se vê.


GRANDE GRANDE MUNDO (Reha Erdem)

Personagens mutantes - que vão de João e Maria à Ofélia - num interessante jogo lírico de contos para contrastar com um discurso político embutido nas primeiras cenas do filme. São traumas, abusos, formas de sobrevivência que não apagam o latente sofrimento - que é a espinha dorsal do filme e suporte para todo invencionismo de Erdem. 

A programação completa do festival pode ser acessada clicando aqui
Por Pedro Tavares, em 05/06/2017
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE