FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
ARTIGO

7+1 - Filmes sobre mulheres históricas

Categoria: 7+
Por Bernardo D.I. Brum
Relembre importantes mulheres retratadas no cinema.

A Paixão de Joana D'arc (1928)

O dinamarquês Carl Theodor Dreyer realizou ainda na época do cinema mudo este que é talvez o retrato mais marcante sobre a general militar e santa católica morta em uma fogueira sob acusação de heresia e assassinato. Trata-se da quarta biografia daquela que é uma das personagens mais reconstituídas pelo cinema, mas é talvez a definitiva: com um roteiro baseado nos documentos históricos do julgamento, o filme abusa dos close-ups na atriz Renée Jeanne Falconetti e no calvário injusto que a líder militar então prisioneira sofre na mão das autoridades, todos eles homens. Condenada pelos ingleses e abandonada pelos católicos e franceses, a personagem é representada através de um dos trabalhos de atuação mais intensos do cinema. 

Madame Curie (1943)

Um ano após vencer o Oscar de Melhor Atriz por Rosa da Esperança, Greer Garson interpretou a física vencedora do Nobel Marie Curie, a primeira mulher a ser laureada com a gratificação por suas pesquisas pioneiras com a radioatividade. Ao contrário de muitas biografias que visam focar mais no drama pessoal que na importância do biografado, Madame Curie é bem equilibrado entre a determinação impassível e curiosa de Curie representada com vontade por Garson bem como a sua relação com o primeiro colega e depois marido Pierre Curie (Walter Pigeon em uma de suas muitas parceiras com Greer). Entre o drama de investigação e a comédia de costumes, o filme retrata o aspecto em que Pierre, inicialmente resistente a ter uma mulher em seu laboratório, não demora a respeitar sua presença e intelecto e logo tornam-se uma das duplas mais importantes da história científica recente.

O Destino Mudou Sua Vida (1980)

Reconhecida como uma das grandes biografias sobre uma mulher importante da história americana, O Destino Mudou Sua Vida traz Sissy Spacek, projetada ao sucesso por Carrie - A Estranha, no papel de Loreta Lynn, uma das grandes estrelas do country americano cuja carreira ultrapassa meio século. Vemos como Loretta, filho de um mineiro, sofreu durante boa parte da vida: origem humilde, casada aos 13, mãe de quatro filhos aos 20, vítima de infidelidade conjugal… E como verteu tudo isso para a música tão sofrida e bonita. além das consequências exaustivas do sucesso. O gênero country pode não agradar todo mundo, mas Spacek dá a performance de uma vida aqui, tremendamente humana em uma performance tão vulnerável quanto vigorosa que remete bem ao universo e à importância da biografada para a cultura americana.

Elizabeth (1998) e Elizabeth - A Era do Ouro (2007)

É um pouco de trapaça, mas realmente é quase impossível dissociar o filme e sua sequência feita pelo diretor paquistânes Shekhar Kapur com a atriz Cate Blanchett sobre a rainha Elizabeth I. Do ponto de vista da monarca herdeira da dinsastia Tudor, conhecemos os conflitos políticos, religiosos e militares que assolavam a Inglaterra no período que ficou conhecido como Elizabetano, época das peças de Shakespeare e das proezas de Francis Drake. É talvez o papel mais marcante de Cate Blanchett, que lançou sua carreira como uma das grandes atrizes do cinema recente. 

Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento (2000)

Julia Roberts deixava aqui de ser reconhecida apenas por sua verve de comédia de comédia romântica e chamava a atenção de meio mundo. Interpreta uma mãe solteira de 3 filhos que ao começar a trabalhar para seu advogado Ed torna-se notória por conseguir processar a Companhia de Gás e Eletricidade da Califórnia a partir de registros médicos que davam conta de a água local estar deixando seus habitantes doentes. Um produto tóxico fez a companhia Pacific pagar o maior acordo de reparação, 333 milhões, e consagrou Erin como ativista ambiental. O filme mostrou Steven Sodebergh flertando de maneira bem sucedida com o cinema mainstream e consagrou Julia Roberts na persona de uma mulher de energia inesgotável e invencível. 

Frida (2002)

Uma das, senão a maior das atrizes mexicanas do cinema recente, Salma Hayek carrega uma interpretação simbólica em sua carreira como a maior das artistas plásticas do México, a pintora surrealista Frida Kahlo. Com a fotografia e os efeitos visuais estilizados com as vivas cores da cultura mexicana e do universo da mestra de pintura, arte, política e sexo se entrelaçam em um filme que também traz outras grandes caracterizações - em particular, Alfred Molina como seu marido Diego Rivera e Geoffrey Rush como Leon Trotsky. Foi o filme que apresentou a emblemática figura para toda uma geração e o sofrido final, onde após inúmeras interpéries alcança sua máxima conquista pessoal, tem um tom recompensador e heróico que marcou muitos espectadores sensibilizados pela atuação visceral de Hayek - e só não ganhou porque Nicole Kidman surgiu ainda mais impressionante e irreconhecível como Virginia Woolf em As Horas.

Piaf - Um Hino ao Amor (2006)

Falecida em 1963, até que demorou bastante para que a vida de Piaf virasse filme. E Marion Cotillard está hipnotizando em uma daqueles papéis que a cópia da figura da vida real impressiona, contando através de vinhetas a sofrida vida da eterna cantora dos clássicos franceses “La Vie en Rose” e “Non, je ne regrette rien”. Da infância ao bordel passando pelo pânico de palco chegando finalmente à consagração do estrelato e a vida no final de carreira, o filme colocou Cotillard como uma das atrizes-referência da primeira década de 2000 e mostrou ao grande público a paixão pela vida e pela arte.

Bônus: A Guerra dos Sexos (2017)

Como o Dia da Mulher é comemorado no dia 8 de março, nada mais justo que recomendar oito filmes (ou nove, contando com a dobradinha de Elizabeth) sobre mulheres que marcaram a história do mundo. O mais recente deles, Batalha dos Sexos, traz a vencedora do Oscar por La La Land - Cantando Estações Emma Stone como a famosa tenista Billie Jean King, uma das maiores atletas femininas do século XX, que venceu o ex-campeão Bobby Riggs na mais assistida, comentada e clássica das partidas intersexuais de tênis, assistido por 48 milhões de pessoas. Como o machismo é um assunto em voga, o filme não perde a oportunidade de enfocar as disparidades sociais, como as tenistas mulheres receberem muito menos que os homens e a organização de uma liga paralela. Dirigido por Jonathan Dayton e Valerie Farris, de Pequena Miss Sunshine, o filme traz Stone cheia de energia e um Carrell que os espectadores amam odiar em um filme de forte cunho feminista e que, mesmo reconstituindo o ano de 1972, ecoa com muita propriedade os dilemas de gênero dos anos 10.
Por Bernardo D.I. Brum, em 08/03/2018
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE