FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
ARTIGO

Coleção Expressionismo Alemão Vol. 2

Categoria: Especial
Por Heitor Romero
Uma nova viagem por entre sombras e luzes.
Lançada em maio deste ano pela distribuidora Obras-Primas do Cinema, a Coleção Expressionismo Alemão fez enorme sucesso no mercado de home vídeo brasileiro, ganhando uma análise detalhada do Cineplayers e trazendo títulos essenciais do movimento misturados a outros mais raros de se encontrar. Muito importante para a história do cinema, o expressionismo alemão tem filmes que influenciaram todas as suas futuras gerações de cineastas mundo afora, e nessa nova coleção, Expressionismo Alemão Vol. 2, temos de volta os mestres F.W. Murnau e Fritz Lang, e conheceremos também filmes de cineastas menos conhecidos, como Paul Wegener e Georg Wilhelm Pabst.  


Com um belo box repleto de cards que reproduzem a arte original dos pôsteres de cada filme, a coleção traz 5 títulos divididos em 3 DVDs e mais de 90 minutos de conteúdo extra, entre os quais estão dois documentários inéditos no Brasil sobre as influências dos filmes de Lang e Murnau na cultura de hoje. 

A Última Gargalhada (Der letzte Mann, 1924), de Murnau, inaugura o primeiro disco e é considerado por boa parte da crítica especializada como o auge do movimento, sendo um dos mais representativos usos da técnica kammerspiel, que consiste no uso de um cenário mais realista, poucos diálogos, porém ainda dentro da concepção expressionista. Dentro dos anos 1920, talvez seja a mais sofisticada e aperfeiçoada direção do movimento, muito influente para o poderoso A Caixa de Pandora (Die Büchse der Pandora, 1929) - título que pode ser encontrado no primeiro volume da coleção. 

Ainda no primeiro DVD, temos o início de uma das maiores aventuras do cinema com Os Nibelungos - A Morte de Siegfried (Die Nibelungen: Siegfried, 1924), uma linda fantasia baseada num poema germânico do século XII (muito influente na literatura de J. R. R. Tolkien), onde o expressionismo é aplicado em uma espécie de conto de fadas sangrento e épico, com direito a princesas, tesouros escondidos, dragões e duelos. São mais de duas horas da mais incansável saga e é muito interessante notar como Lang consegue transportar as características mais urbanas do expressionismo para essa era monarca e bucólica, em cenários atípicos para o movimento, como florestas e aldeias. 


O segundo DVD traz a continuação dessa saga, Os Nibelungos - A Vingança de Kriemhild (Die Nibelungen: Kriemhilds Rache, 1924), no qual todo o protagonismo do primeiro filme é transferido para a personagem feminina, que toma as rédeas da história e comanda uma longa jornada em busca de vingança. Agora centralizada num cenário mais tétrico de um castelo quase assombrado pelos jogos de luzes e sombras próprios do movimento (e que refletem o furor e amargura de Kriemhild), toda a unidade de ação comandada por Lang ganhará um contorno cada vez mais sufocante e espacialmente reduzido. 

Seguindo essa aplicação do expressionismo em tramas mais extraordinárias, o segundo filme do disco conta sua própria história de monstros, em O Golem - Como Veio ao Mundo (Der Golem - Wie er in die Welt Kam, 1920), de Paul Wegener. Criatura mitológica com origem na cabala judaica, o golem é criado a partir da alquimia, porém seu sopro de vida vem do divino, e nessa história ele acaba por se revoltar contra seu criador e se tornar um perigo incontrolável para os aldeões. Com um fundo existencial, sobre a criatura tomando consciência de sua existência e se rebelando contra seu criador, o filme foi usado como ferramenta para defesa semita, em meio a uma época em que o antissemitismo crescia na Alemanha em proporções cada vez mais preocupantes. 

Diário de uma Garota Perdida (Tagebuch einer Verlorenen, 1929) fecha a coleção e retoma uma abordagem mais moderna e urbana, no qual uma garota enfrenta sozinha uma sociedade machista e cruel que a condenada por sua gravidez indesejada e a afasta de seu filho. Assim como muitos filmes alemães do período, dentro e fora do movimento expressionista, como A Mulher na Lua (Frau im Mond, 1929), este em específico adota o ponto de vista feminino e questiona os julgamentos morais severos com que as mulheres eram castigadas na época. O interesse está na forma delicada como o diretor Georg Wilhelm Pabst aplica a estética expressionista sobre os dramas e tristezas de Thymian (Louise Brooks), explorando o lado mais sentimental e melancólico proporcionados pelas sombras que aos poucos consomem a alma dela.

Com tantos títulos especiais e raros, a coleção Expressionismo Alemão - Vol. 2 se mostra o item mais essencial disponível no mercado de home vídeo brasileiro atualmente, uma preciosidade que não pode ser ignorada pelos colecionadores ou amantes do cinema clássico. Não deixem de conferir. 
Por Heitor Romero, em 07/11/2017
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE