FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso

(71 Fragmente einer Chronologie des Zufalls, 1994)
Por Falstaff Avaliação:               7.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Se eu fosse denominar o cinema de Michael Haneke eu o denominaria de cinema do isolamento. Isolamento não no sentido da representação do indivíduo ou do grupo isolado, no sentido da solidão e do exílio existencial, e sim num sentido mais físico, no sentido de isolante: no sentido de denúncia da camada epidérmica isolante do espectador frio; denúncia não no sentido vulgar jornalístico de apontar o dedo, mas talvez no sentido moral de inferir-nos algo com um gesto ou uma série de gestos e sorrir timidamente de um jeito que nos diz ‘’Viu? Vê o que quero dizer?’’.

Em O Sétimo Continente (Der Siebente Kontinent, 1989), que é seu primeiro filme, esse isolamento atinge o seu auge, o seu paroxismo mais brutal, que poderia ser encarado por alguns como niilismo mas que eu prefiro ver como o marasmo de uma depressão mortificante.

Em O Vídeo de Benny (Benny's Video, 1992) as coisas são mais sutis: uma mudança radical no visual é admoestada com severidade enquanto um assassinato é encarado como um simples erro que pode ser remediado. Uma ‘’crítica’’ à mentalidade mesquinha ‘’burguesa’’? Não, eu acho que vai muito além disso.

Em 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso (71 Fragmente einer Chronologie des Zufalls) Haneke ‘’espia’’ a intimidade de inúmeras pessoas comuns desconhecidas umas das outras, suas vidas fragmentadas são intercaladas com imagens de jornalistas, telejornais e notícias reais que mostram guerras, violência e notícias de famosos. As notícias são rápidas, impessoais, condensadas; o cotidiano dessas pessoas é mostrado de forma lenta, entrecortada, gradual e monótona. Não há como não nos afeiçoarmos a essas pessoas: observamos, num plano único, uma longa conversa ao telefone sem sabermos exatamente qual o conteúdo do assunto; uma declaração de amor mal recebida ao jantar; um interessante jogo de palitos e uma tomada longa e cansativa num rapaz praticando sozinho tênis de mesa, etc e etc.

Uma sequência jamais filmada pelo diretor austríaco poderia figurar duas pessoas viajando de carro pelo interior, as duas sem cinto de segurança apesar da estrada tortuosa e barrenta, indiferentes as duas quanto a possibilidade de um acidente e indiferentes quanto a suas vidas. Elas passam lentamente por um carro capotado, uma pessoa estirada na estrada, algumas outras ao redor, paralisadas, e continuam seu caminho, em silêncio como antes, tão indiferentes quanto antes. Essa cena inexistente poderia representar o cinema de Haneke, ou pelo menos, parte dele, e quando penso em 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso penso que o motorista poderia ser um de seus personagens enquanto o lugar do passageiro nos seria reservado.

Um curta chamado Bridges-Go-Round (1958) de Shirley Clarke lida com contraste e revela-nos o poder da relação entre trilha sonora, cor e imagem; a conclusão ao final do curta é a de que uma mesma sequência de imagens pode ser agradável acompanhada de uma determinada música e assustadora se acompanhada por outra: a nossa impressão das coisas é ali determinada por notas musicais e cores, não somente pela estrutura do objeto ou pelo caráter do símbolo que nossos olhos registram (pode-se ver isto apenas como o poder que uma boa trilha sonora e um trabalho de cores pode exercer num filme e como o seu papel é vital quanto ao seu impacto mas se formos mais longe podemos substituir a influência do som pela influência da edição e da montagem e perceber o quanto podemos ser manipulados, por exemplo, quanto às verdadeiras intenções por trás de uma reportagem televisiva).

Por que menciono esse curta?

Porque penso que Haneke fez, ou procurou fazer, em 71 Fragmentos... algo semelhante. Ele projeta no espectador um contraste forte entre a abstração midiática dos telejornais e uma proximidade com os personagens que, na vida real, temos somente com nossos conhecidos mais íntimos. Ele lida aqui com dois tipos de aproximação (que em certo momento ele mescla: o menino refugiado que aparece na TV), dois tipos de lente, por assim dizer, uma tomada emprestada e outra sua. O ecrã se rompe durante a intimidade encenada e volta a se fechar durante as guerras reais e a violência real. Há violência num caso e noutro mas nossa reação é diferente. É por isso que a quarta parede é quebrada em Violência Gratuita (Funny Games, 1997), recurso raro do diretor, é um desafio e um motejo em relação ao caráter passivo e fleumático do espectador diante da violência.

Por Falstaff, em 05/04/2018 Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Marcelo Leme 6.5
•  Média 6.5
Notas - Usuários
6.9/10 (36 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso
(71 Fragmente einer Chronologie des Zufalls, 1994)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Ilha de Cachorros (2018), por Leonardo C
• Em Ritmo de Fuga (2017), por Eduardo Gomes Beserra
• A Forma da Água (2017), por Victor Mendonça
• Corpo e Alma (2017), por Elvira Akchourin do Nascimento
• Super 8 (2011), por Matheus Darswik
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE