FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

A Vila

(Village, The, 2004)
Por ANDRÉ F DE CARVALHO Avaliação:                   9.5

Na vila havia uma completa distorção da realidade. As pessoas viviam enclausuradas, com sistema fechado, a fim de não enfrentar a dor. Mas acontece o contrário, desejam liberdade e o enfrentamento com o medo se impôs. Se quiser evitar medo tem que enfrentá-lo. Não há outra maneira. Se não enfrentar ele fará parte da sua vida. O que fizeram para a manutenção do mito – qualquer estratégia – chantagem – extorsão, culpa, qualquer coisa.
A lealdade familiar é outra forma de manutenção do mito. Os elementos da família se unem numa lealdade familiar, para criar e manter o mito. No final do filme que o conselho decide continuar a mentir e a moça não enfrenta, ela foi leal. Ela distorce a realidade. Todo mito está baseado na sustentação de um tipo de poder. Ali era o poder da dor. De imediato, o poder dos anciãos. É a negação do enfrentamento da dor. Outra história traumática virá, com certeza.
O filme mostra o tempo todo a mentira como estratégia de defesa. É a distorção da realidade. Nós mentimos por que não damos conta de enfrentar a realidade. As mentiras pequenas, do dia-a-dia, é feita por que não damos conta de nossa realidade. Qual a realidade, é a de ser amado, de não ser gostado, é de não, não, e não? É a baixo auto-estima? Quanto mais mente mais baixa é a auto-estima. Quanto mais mente mais dificuldade de enfrentar a realidade. Não tem a estima. No filme houve uma mentira construída por desejo. O mito da realidade é a manutenção do poder do conselho. Há uma negação da dor. Vale qualquer coisa que imaginemos para a manutenção das regras construídas.
Para quebrar o mito, que é tão enrijecido, tão arraigado, engessado, que geralmente é quebrado por alguém que enlouqueça. A loucura, geralmente, é uma tentativa de quebrar um processo. O que ficou louco no filme, que brincava com o monstro, com a floresta, promovia certo desafio. Não conseguiu, no entanto.
Atuações impecáveis de Joaquim Phoenix, Adrien Brody e William Hurt.

Por ANDRÉ F DE CARVALHO, em 21/01/2015 Avaliação:                   9.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 8.0
• Daniel Dalpizzolo 8.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 4.0
• Silvio Pilau 5.0
• Vlademir Lazo 9.0
• Heitor Romero 9.0
• Marcelo Leme 7.5
• Bernardo D.I. Brum 8.5
• Rafael W. Oliveira 8.0
• Victor Ramos 8.5
• Francisco Bandeira 8.5
•  Média 7.6
Notas - Usuários
7.3/10 (785 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE