FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Alien: Covenant

(Alien: Covenant, 2017)
Por Guilherme Spada Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

"Prometheus" se inicia com um humanoide se suicidando e sendo dissolvido através da água de um planeta desconhecido. Assim como Jesus, este alienígena se sacrifica por um bem maior. É neste contexto religioso que se inicia a suposta trilogia de Ridley Scott, que nos conta o início da formação da primeira trilogia de Alien, criada por ele mesmo em 1979. Este anúncio só foi revelado ao fim de "Prometheus", onde o Alien que aterroriza os humanos da primeira trilogia se forma ao sair de um dos corpos de um dos “Criadores”, supostos seres de outro planeta que criaram os humanos.

A reação de "Prometheus", por mais que positiva no geral, deixou muitos confusos em relação ao que Ridley Scott estava tentando dizer. Era aquilo um filme que acontecia antes da trilogia original? Um terror de ficção-científica sobre a origem do ser humano? As respostas em aberto e a surpresa do final fizeram com que muitos ficassem com uma alta expectativa para "Alien: Covenent", que vem sendo adiado ao ser colocado de lado para dar espaço a "O Conselheiro do Crime", "Exôdo" e "Perdido em Marte", todos dirigidos por Ridley Scott. Cinco anos depois, o diretor retornou ao mundo de "Prometheus", deixando muita gente um tanto revoltada.

"Alien: Covenent" acontece dez anos após a nave de Elizabeth Shaw cair num mundo similar ao da terra, onde ela, o robô David e a tripulação de Prometheus encontram os nossos “criadores” e um terrível vírus que aniquilam quase todos. Considerado como desaparecidos, uma outra nave segue em direção a um outro planeta parecido com a terra uma década depois para colonizá-lo através da tripulação, que carrega milhares de embriões congelados. Ao receberem um sinal humano vindo de um planeta próximo, a tripulação decide investigar e encontra os resquícios da nave Prometheus e uma civilização em ruínas, onde o robô David sobrevive.

Se em "Prometheus" a questão religiosa não era muito clara, ela se materializa de forma mais paupável em Covenent, provando que esta é a base que sustenta a trilogia que antecede os filmes Alien. Em "Prometheus", o tema era o terror da criação, onde nossos criadores haviam encontrado caos e horror nos seres humanos e desejaram nossa aniquilação. Já em Covenent, Scott explora a criação do horror com Walter, o irmão inspirado no HAL-900 de "2001: Uma Odisséia no Espaço" e seu irmão maléfico David, que decide aniquilar todos seres mortais. A própria cena que abre o filme é uma interessante conversa entre o robô David e seu criador. David pergunta: “se você me criou, então quem criou você?”.

Esta é a pergunta que motiva os personagens do filme "Alien: Covenent", mas não necessariamente a trama da história. Ridley Scott deixa isso muito claro ao não responder diversas perguntas que são jogadas na tela, cujo algumas respondem questões de "Prometheus", enquanto outras, ficam em abertas para o próximo filme. O grande vilão aqui é David, o robô do primeiro filme que se revela como uma criação de Frankestein (Shelley é até mencionada no filme!) - um ser criado pelos humanos que ao ser inventado para desvendar a origem do homem, se voltou contra eles. E assim como a nave Prometheus, ele planeja fazer o mesmo com a tripulação de Covenent.

Com isso, Ridley Scott apresenta um filme violento, tenso, estranho e sombrio, o que misteriosamente fez muitas pessoas não gostarem. Sim, a trama por fora parece muito uma mistura do primeiro "Alien" com "Prometheus", mas não é necessariamente um filme sobre as mesmas coisas. Covenent é quase uma versão de Adão e Eva num Eden apocalíptico. Uma nave tripulada por um computador chamado “Mãe”, um robô quase humano e uma tripulação que carrega embriões para colonizar um outro planeta. E o fato deles chegarem num planeta onde todos os seus criadores foram mortos, cria uma analogia interessante, principalmente quando encontramos David morando lá.

Este é definitivamente o personagem mais interessante da história, que é interpretado por um show de performance de Michael Fassbender, cujo não só interpreta David, mas como sua versão mais moderna, Walter, criando uma relação interessantíssima entre os dois envolvendo uma cena onde David ensina a Walter a tocar flauta.

O grande elefante do filme é o Xenoformo, que aparece muito mais em Covenent do que em "Prometheus". Ridley Scott mesmo disse que se arrepende em não ter mostrado muito do famoso Alien em "Prometheus", fazendo com que o monstro apareça muito mais na sequência - o que faz sua aparição um tanto gratuita, mas nunca menos aterrorizante, dando espaço para diversas cenas violentas, nojentas e sangrentas. Este é afinal um filme de terror, e por mais que Ridley Scott esteja contando uma história de Aliens e filosofando sobre as origem de criadores e criações, o diretor se lembra do gênero do filme e nos entrega uma obra tensa e obscura, que não se importa em voltar aos mesmos elementos que ele já explorou nos três primeiros Aliens e em "Prometheus", fazendo muita gente ficar irritada por causa disso. Algo que eu não entendo, pois tudo funciona muito bem, e por mais que tenha uma linha narrativa um tanto estranha e aberta, "Alien: Covenent" é um filme muito mais ousado e inteligênte que metade dos blockbusters lançados hoje em dia.

A obra também é visualmente linda, não só pela obscura fotografia de Dariusz Wolski, mas também pelos efeitos especiais que recebem o mesmo tratamento que "Perdido em Marte". Talvez em algumas cenas de ação, o Xenoformo deixe um pouco a desejar, mas nada que não tenha sido feito pior em outros filmes. Há também algumas falhas sim, como no roteiro, onde ninguém parece relatar nada para a Terra, como quando a tripulação simplesmente decide checar um outro planeta. Tirando isso, "Alien: Covenent" é um filme bastante ousado quando se trata de horror em ficção-ciêntifica, principalmente por abordar questões religiosas. Que venha o terceiro filme ainda mais ousado e mais aterrorizante. E quem sabe, algumas respostas.

Por Guilherme Spada, em 13/05/2017 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 4.0
• Daniel Dalpizzolo 4.5
• Silvio Pilau 5.0
• Heitor Romero 3.0
• Marcelo Leme 4.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
• Felipe Leal 5.0
•  Média 4.4
Notas - Usuários
5.7/10 (113 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE