FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Almas Gêmeas

(Heavenly Creatures, 1994)
Por Felipe Moraes Avaliação:                 8.0

Almas Gêmeas, filme debutante de Kate Winslet, a minha favorita de sempre, é um poderoso drama feminino, de conteúdo audacioso e técnica magistral.

Winslet é Juliet, que sai com seus pais da Inglaterra para morar na Nova Zelândia. Lá, conhece Pauline (Melanie Lynskey) e logo faz amizade com essa garota misteriosa, isolada e emburrada. Juliet Hulme é o oposto: é fantasiosa, libertária, muito diferente das outras garotas de 14, 15 anos com as quais ela troca olhares indiferentes todos os dias; é um comportamento meio intelectual, talvez herdado do pai, um acadêmico respeitado, mas que se parece mais com uma paixão pela arte, pelo belo e pelo humano.

Pauline também tem um quê de subversão adolescente, mas é recatada, caminha com a fronte cerrada, cabelos descuidados e lábios fortemente comprimidos. As diferenças são extremas, mas há uma afinidade, uma conexão incompreensível que as liga por meio de um laço abstrato, imaginário. Espiritual, talvez.

Juliet é filha única, de um pai intelectual, renomado na esfera acadêmica, com um rosto que transmite um ar levemente frio e compreensivo, conformado. A mãe é psicóloga, jovem, e dona de um sorriso afetado. Pauline tem pais tradicionais, família tradicional, sem poucos requintes. A mãe, porém, é excessiva, paranóica e sufocante. A filha, por sua vez, reserva sentimentos pouco amorosos para com ela.

A amizade entre as duas garotas é doentia, segundo os pais. E há qualquer coisa de homossexualismo que incomoda a todos. É década de 50 e comportamentos assim são analisados sob uma visão arcaica, preconceituosa, apoiada por uma ciência imatura e um puritanismo hipócrita e maniqueísta. Pauline e Juliet, porém, parecem estar contidas uma na outra, numa amizade meio Thelma & Louise (e essa é, indubitavelmente, a dupla feminina definitiva do cinema ianque): no lugar do calor acachapante do oeste americano e do Thunderbird conversível 1966, o "quarto mundo", em que vivem Pauline, Juliet e uma dúzia de personagens por elas inventados, em um romance de produção febril.

O filme, diga-se, pela inventividade e habilidade de Peter Jackson, tanto na construção de um drama misterioso quanto na recriação do "quarto mundo" e pelas atuações convincentes de Winslet e Lynskey (o elenco de apoio também é muito correto), é corajosamente belo, poderoso e exala uma sensibilidade detalhista e sutil, marca de Jackson na trilogia fantástica de Tolkien.

Por Felipe Moraes, em 11/07/2009 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Régis Trigo 7.0
• Vlademir Lazo 7.5
• Marcelo Leme 7.0
• Francisco Bandeira 8.0
•  Média 6.9
Notas - Usuários
7.4/10 (161 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE