FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Assassinato no Expresso do Oriente

(Murder on the Orient Express, 2017)
Por Danilo Calazans Avaliação:             6.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Um assassinato cruel ocorre em uma longa viagem de trem no Expresso do Oriente. Infelizmente para o assassino, o melhor detetive do mundo, Hercule Poirot, estava a bordo para resolver mais esse mistério. “Assassinato no Expresso do Oriente” é considerado uma das maiores obras da renomada “rainha do crime” Agatha Christie, escrito em 1934, e ganha mais uma adaptação cinematográfica, desta vez dirigida e estrelada pelo britânico Kenneth Branagh (de várias obras Shakespearianas, como “Henrique V” e “Hamlet”).

Versátil e talentoso, Branagh já foi indicado a 5 Oscars, incluindo ator e diretor pelo mesmo filme (“Henrique V”), além de ter se aventurado em outros gêneros, como “Thor”, “Cinderela” e “Jack Ryan”. Sua versão de “Assassinato no Expresso do Oriente” estreia essa semana nos cinemas do Brasil e surge após a prestigiada versão de 1974, dirigida por Sidney Lumet, e a versão para a TV americana, lançada em 2001. O filme conta com um elenco estelar, com nomes de peso como Michelle Pfeiffer, Johnny Depp, Penélope Cruz, Judi Dench, Daisy Ridley, Willem Dafoe entre outros.

Conhecendo Poirot

Sempre cansado e à procura de desfrutar algumas férias (quando misteriosamente surge algum crime para desvendar), Hercule Poirot é considerado “o melhor detetive do mundo”. Conhecido pelo grande bigode e obcecado por ordem e método, ele chega até a ser inconveniente com as outras pessoas por conta do seu perfeccionismo. Ele utiliza como principais métodos para resolver seus casos a dedução e a psicologia, não sendo um detetive de ação, mas alguém que conhece como poucos a natureza humana e prefere interrogar os suspeitos em busca de alguma reação comprometedora.

A bordo do Expresso do Oriente, Poirot é apresentado aos outros passageiros, todos misteriosos de alguma forma. Ele é procurado por Ratchett (Johnny Depp), um comerciante de índole duvidosa que alega estar recebendo ameaças de morte de algum dos seus desafetos, desejando a proteção de Poirot. O detetive recusa ajuda-lo, dando a entender que só defende pessoas que acredita serem inocentes de fato. Um desmoronamento de neve acaba descarrilando o trem, obrigando todos a aguardarem pelo conserto.

Como Poirot enxerga a justiça?

Nesse meio tempo, é claro que o pior acontece e Ratchett é cruelmente esfaqueado na sua cabine. Qual dos misteriosos passageiros teria tido a frieza de cometer o assassinato? Mesmo não querendo se envolver, quando percebe que a culpa poderia recair sobre o passageiro negro ou o latino, por puro preconceito, ele aceita resolver o caso, demonstrando o quanto se importa com que a justiça seja aplicada.

“É a ruptura da alma matar outro ser humano”, ele explica para uma personagem. Apesar de ter suas crenças de mundo e acreditar que conhece alguém apenas ao observá-lo brevemente, Poirot logo percebe que este caso é o mais desafiador da sua carreira. De maneira poética, o fato do trem sair dos trilhos figurativamente representa que ele mesmo vai ter que sair da sua zona de conforto se quiser descobrir e aceitar o que de fato aconteceu, pois ao passo em que a investigação se aprofunda, atitudes suspeitas e possíveis motivações começam a surgir, revelando um crime muito mais sinistro por trás de todo aquele mistério.

Visual espetacular e ritmo irregular

O filme inicia em Jerusalém, no Muro das Lamentações, onde o excêntrico detetive resolve um caso de maneira surpreendente, deixando todos de boca aberta. A abertura é bastante enérgica e cheia de alívios cômicos, levando a acreditar que esse seria o tom que ditaria todo o ritmo do filme. No entanto, a partir do segundo ato a condução de Branagh é muito mais paciente - repleta de diálogos enigmáticos e pouca informação substancial ao espectador -, fazendo com que durante a investigação o ritmo caia bastante. Perto do terceiro ato e com a resolução do crime cada vez mais próxima, o filme volta a empolgar, com um desfecho bastante recompensador.

A sensação que fica é a de que durante a investigação a história poderia ter sido melhor desenvolvida e ainda há uma dificuldade em se criar suspense, como explicarei melhor mais à frente. Porém, se o desenvolvimento da trama deixa um pouco a desejar, tecnicamente a execução é incrível. O visual consegue explorar as paisagens exóticas, os efeitos visuais são de encher os olhos e a trilha sonora é bem marcante, energizando e envolvendo o espectador naquele universo caótico e cheio de personagens.

Diferença entre mistério e suspense

Na minha opinião, “Assassinato no Expresso do Oriente” é um filme que respeita o material do qual foi adaptado, com quase todas as peças no devido lugar. O que falta a ele é envolvimento emocional com o público, e isso acaba sendo frustrante. Com a palavra, o mestre do suspense Alfred Hitchcock:

https://www.youtube.com/watch?v=-Xs111uH9ss&t=10s

Nessa entrevista, Hitch explica que há um abismo entre mistério e suspense, e conta como um é muito mais recompensador que o outro. Para ele, o filme pode fazer mistério sobre quem – dentre várias opções – é o assassino. Pode te levar a acreditar que é o suspeito “A” e na última cena revelar que era o suspeito “B”. Muitos filmes – incluindo este – utilizam uma abordagem parecida. Mas, para ter real envolvimento emocional com o público (sempre uma opção muito mais satisfatória para a audiência), o suspense dá pequenas pistas e informações para o espectador entender o que está se passando.

Branagh, por sua vez, oculta muita informação da plateia, não nos ajuda a entender como o processo de raciocínio de Poirot funciona, até que de maneira genial tudo se encaixa (como a resolução do primeiro crime). Seria muito mais gratificante passar uma hora de suspense na ponta da poltrona, descobrindo pistas e torcendo pelos personagens do que esperar de maneira passiva a investigação inteira para ter cinco minutos de surpresa no final das contas...

Concluindo, embora não tão bem explorada como poderia, a essência de “Assassinato no Expresso do Oriente” reside mais na transformação da visão de mundo de seu protagonista Hercule Poirot do que no mistério do assassinato em si. A direção de Branagh merece créditos por ser bastante criativa, explorando ângulos e a geografia das cabines, vagões e corredores do trem de maneira inventiva, fazendo com que o mesmo seja praticamente um personagem para o filme. Há também uma bela brincadeira visual se referindo à “Última Ceia” de Da Vinci, que é digna de nota.

Apesar do elenco numeroso não ter tido toda a atenção necessária, as atuações não comprometem e alguns se sobressaem, como o próprio Branagh, além da intensa Michelle Pfeiffer e do detestável Johnny Depp. Levantando questões como “o que é justiça?”, vingança pessoal e questionando a eficiência da lei dos homens, temos a curta, porém importante jornada de um homem aprendendo a lidar com o desiquilíbrio natural que há no mundo, esperando para colocar a vida “nos trilhos novamente” e seguir em frente até o próximo caso (quem sabe no Rio Nilo?). Um filme correto, mas com pouco coração.

E você, já assistiu ou está ansioso para ver? Concorda ou discorda da análise? Deixe seu comentário ou crítica (educadamente) e até a próxima!

Para a versão com imagens acesse: www.supercinemaup.com

Para mais comentários sobre filmes, sigam-me nas redes sociais:

https://www.instagram.com/danilo_calazans/

https://www.facebook.com/calazansdanilo

https://twitter.com/danilo2calazans





Por Danilo Calazans, em 01/12/2017 Avaliação:             6.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Heitor Romero 7.0
• Bernardo D.I. Brum 8.0
• Léo Félix 7.0
• Felipe Leal 5.5
•  Média 6.8
Notas - Usuários
7.2/10 (54 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE