FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
COMENTÁRIO
Azul é a Cor Mais Quente
(La Vie d'Adèle, 2013)
Por Diogo Serafim Avaliação:                   9.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

De acordo com Sartre, a existência precede a essência. Afinal, a subjetividade inerente às crises existenciais humanas não pode ser facilmente exposta objetivamente, e mesmo que fosse possível, os impactos sociais causados pela exposição da essência humana provavelmente culminariam em uma estigmatização e incompreensão desta, causada exatamente pela unicidade da subjetividade encontrada no receptor (e no emissor). Essa existência, o visível, o que realmente está lá, é caracterizada pela liberdade da qual os homens usufruem para construírem suas vidas sociais.

Na sociedade contemporânea, com o enfraquecimento e/ou atenuamento da doutrina religiosa na juventude, juntamente com a crescente percepção da subjetividade encontrada na moralidade, surge uma nova era de valores individuais caracterizados por percepções pessoais do mundo, e essa abrangência da moralidade atualmente sintetiza uma sociedade multifacetada. Essa liberdade moral desabrocha uma essência outrora ignorada, que como resultado gera uma depressão em massa que caracteriza a juventude de hoje. Essa depressão vem da solidão do ser contemporâneo, afinal, com a essência parcialmente descoberta e a total noção da incompreensão do resto do mundo dos seus sofrimentos, ideologias e crises pessoais, o jovem sofre. Com a falta de um sentido claro na vida e um pessimismo renitente em relação às ações humanas, esse jovem entra em conflito não apenas psicologicamente e socialmente, mas existencialmente também, ele perde a fé na vida em si.

O filme "Azul é a Cor Mais Quente" disserta sobre a essência, a liberdade, a existência, o amor, o ser. Adèle, a protagonista do filme, é uma bela menina de 17 anos que vai descobrindo aos poucos a sua existência, muitas vezes até com insipiência. Suas relações amorosas com os meninos de sua classe acabam se mostrando vazias, sem valor, e geram na jovem uma forte depressão por se sentir deslocada. A situação vai piorando conforme ela começa a questionar o por quê dela ser tão diferente das outras amigas, o por quê dela ter tanta dificuldade de se relacionar com outros meninos (principalmente sexualmente).

Chega um momento no filme que ela é beijada por uma amiga, e esse beijo desperta nela um prazer novo, que começa a fomentar uma ideia da possibilidade dela ser homossexual. Com o tempo, ela conhece Emma, uma menina um pouco mais velha que ela que cursa Artes e tem o cabelo tingido de azul (a cor azul demonstra fortíssima conexão com o ideal de liberdade característico do filme, e é altamente explorado por Kechiche) e inicia um relacionamento com ela.

A história se desenrola pelas 3 horas de duração do filme (que passam de maneira incrivelmente rápida), e graças à direção absolutamente genial do tunisiano Abdellatif Kechiche, é construído um dos retratos mais íntimos e profundos da história do cinema.

A atuação é simplesmente impecável. Não existem palavras que possam descrever o quão extraordinária é a performance do elenco, principalmente do casal de atrizes, que comovem de maneira sublime o telespectador. As cenas de sexo (fantásticas, por sinal) são vívidas, da câmera parece escorrer prazer, calor e paixão. Além das cenas de sexo, a maneira como as atrizes são filmadas de perto criam uma conexão muito forte com o psicológico das mesmas, você as compreende e ao mesmo tempo tem noção da incompreensão que temos delas - no fim, a única certeza é o sofrimento intrínseco no olhar de Adèle e nos seus passos trêmulos, enquanto a desconstrução total de sua vida se consolida.

Apesar do filme ter como tema central o homossexualismo, isso não faz com que alguém heterossexual não se identifique com a protagonista. A ideia de estar sozinho no mundo, a constante necessidade de contato e compreensão alheia de nós mesmos, paradoxalmente com a nossa vontade de preservação do nosso interior, a existência, a dor, o amor, a essência, a vida em si - tudo isso proporciona uma experiência única para quem assiste ao filme. Uma obra prima!

Por Diogo Serafim, em 07/12/2013 Avaliação:                   9.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Rodrigo Cunha 9.0
• Régis Trigo 8.0
• Demetrius Caesar 8.0
• Silvio Pilau 8.5
• Emilio Franco Jr. 9.5
• Felipe Tostes 9.0
• Heitor Romero 7.0
• Rodrigo Torres de Souza 8.0
• Bernardo D.I. Brum 4.5
• Pedro Tavares 8.0
• Francisco Carbone 10.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
8.4 (258 votos)
Top Usuários #145
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Azul é a Cor Mais Quente
(La Vie d'Adèle, 2013)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (9) « próximo »
• Outros comentários
• Pat Garrett & Billy The Kid (1973), por Alexandre Guimarães
• O Congresso Futurista (2013), por Phelipe Vieira
• Operação França (1971), por Darlan Pereira Gama
• A Imigrante (2013), por Ravel Macedo
• Fuga do Passado (1947), por Ricardo Nascimento Bello e Silva
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO