FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Bling Ring: A Gangue de Hollywood

(Bling Ring, The, 2013)
Por Luís F. Beloto Cabral Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Há de início um desencontro entre câmera e narrativa. Sofia Coppola busca um certo distanciamento de suas personagens, considerando os enquadramentos amplos e a mise-en-scène seca, sem muitos rodeios. Os adolescentes não raro são vistos como ratos de laboratório e Coppola está lá para observá-los em pretensa zona de neutralidade, numa quase identificação com a jornalista dos flash forwards. É essa distância que permite um julgamento moral nas entrelinhas, à medida que o filme escancara, até repetitivamente, a futilidade dos protagonistas (para não dizer a burrice). Mas isso tende a enfraquecer o conjunto da obra no primeiro ato. Se a câmera filma os objetos e closets de Paris Hilton com pretensa impassividade, beirando ao niilismo estético, as personagens em contraste empolgam-se fervorosamente com os mesmos. Não se trata de qualquer sapato. Não se trata de qualquer bolsa. É o sapato de Paris Hilton. A bolsa de Megan Fox. Os objetos tem para os jovens um significado que a câmera não parece compreender, e a mera exposição dos ladrões e objetos de furto mais os tabloides de fofoca não é o suficiente para se conhecer esse jogo de significação, status e imagem.

Contudo, Sofia Coppola sabe bem do que está falando e com que pessoas está lidando. Sendo filha de ninguém menos que Francis Ford Coppola, é natural que ela conheça a high society suficientemente bem para não se por totalmente do lado de fora. Pelo contrário: na cena inicial a câmera está colada nos jovens, como se também fizesse parte da gangue. O plano geral enquadrando de longe a mansão de Audrina Patridge ilustra bem a posição da autora. Se por um lado há um desejo de neutralidade pelo distanciamento da câmera, por outro há um exercício estético bastante lúdico na mise-en-scène: os adolescentes são ratinhos de laboratório percorrendo uma casa de bonecas, acendendo e apagando as luzes conforme deixam seus rastros. A casa em si se destaca cromaticamente no plano noturno, na contraluz potencializada pelas luzes brancas e azuis, refletidas nas paredes perfeitamente planas da construção. A câmera, inclusive, começa a se aproximar lentamente da mansão antes que o furto acabe, como se a casa fosse um centro de gravidade que diluísse a “abordagem documental”.

Portanto, assim como em Maria Antonieta, Coppola encontra na situação toda um motivo de regozijo estético e narrativo. O esquema “celebridade foi viajar - onde fica sua casa? - bora roubar” torna-se um jogo narrativo muito irreverente apesar das repetições, com direito a tiradas do tipo “Ela não vai notar. É a Paris Hilton, lembra?”. A mesma vitalidade se encontra nos exercícios de estilo: as sobreposições de luzes e os jogos de contraluz em planos noturnos, a luz branca quase estourada, refletindo o ambiente asséptico das mansões, a câmera em slow-motion acompanhada do instrumental de musica eletrônica. Os planos pretensamente impassíveis do começo não demoram a celebrar a materialidade dos objetos de grife, exibindo a diversidade de cores, formatos e texturas, e a mansão requintada de Paris Hilton é convertida num motivo cenográfico potencial. É nesses momentos que o filme ganha mais força: ao reconhecer o êxtase dos jovens na danceteria ou na caminhada triunfante sobre as calçadas de Beverly Hills, e por um momento o grande clímax da história é a protagonista se admirando no espelho de Lindsay Lohan, momento filmado em slow motion mais exagerado e apropriado possível.

Nesse curso, o que impera no ato final não é um moralismo mas uma ironia perversa. A derrota dos jovens no tribunal é filmada com o mesmo “glamour” das cenas da boate e no interrogatório da polícia a protagonista só se interessa pelo depoimento de Lindsay Lohan. E nem entramos no mérito da personagem caricata de Emma Watson. Coppola claramente se diverte ao apresentar a celebridade teen como a maior patricinha da gangue, com deleite especial nos momentos em que sexualiza a personagem em contraste com a mocinha dos filmes de Harry Potter. A cena final por si só é um grande achado e não é absurdo cogitarmos a euforia da verdadeira Nicki ao descobrir que ninguém menos que Emma Watson faria seu papel no filme. No mais, Coppola não está em busca de respostas ou teorizações. Pelo contrário: seu filme enfraquece quando busca alguma explicação plausível sobre a gangue. Bling Ring, como As Virgens Suicidas, é construído por imagens irredutíveis, onde nada pode ser retirado ou incluído, restando somente o aqui e agora - o que não implica necessariamente um vazio de significado ou a ausência de uma subversão estética.

Por Luís F. Beloto Cabral, em 02/05/2017 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Daniel Dalpizzolo 7.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 6.5
• Heitor Romero 7.5
• Marcelo Leme 7.5
• Rafael W. Oliveira 8.0
• Léo Félix 6.0
• Francisco Bandeira 7.5
•  Média 6.9
Notas - Usuários
6.8/10 (288 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE