FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Dogville

(Dogville, 2003)
Por Paolita Avaliação:                     10.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

“Atenção, atenção, não se emocione, trata-se de ficção” – Bertolt Brecht

Dogville é um manancial profundo para análise. Desta maneira, destaquei no meu comentário alguns dos eixos temáticos:

Teatro brechtiano

Em Dogville, filme do genial diretor Lars Von Trier, percebe-se a proposta estética e de conteúdo do teatro brechtiano, na verdade, uma homenagem ao teatro de Brecht. Assim, a tela torna-se palco; dá-se a proposta de se sair da ficção para que a obra sirva de alavanca para os questionamentos da vida real; a encenação adota uma forma teatral, composta por um prólogo e nove capítulos. Esta proposta de distanciamento estimula o espectador a sair da ficção, paralelando-a com a realidade, possibilitando ao espectador a assunção de uma atitude produtiva (caráter política da proposta), pois é preciso fazer pensar e fazer agir. Um exemplo disto no filme é o corte final e suas fotografias tristes, pesadas, lúgubres, que contrastam com a canção de David Bowie – “Young America”- tocando desta forma na formação do estado americano com seus valores e seus conceitos, fazendo uma correlação sobre a representação e a realidade.

O argumento

Seu argumento é inspirado na canção “Jenny e os Piratas”, da “Ópera dos três vinténs”. Trazendo-a a um contexto nacional, remete-nos a canção do Chico Buarque “Geni e o Zepelim”.
A temática é brechtiana, fala sobre exploração, opressão, violência e questionamentos morais. Porém os questionamentos morais não devem ser abordados fora de sua dinâmica sócio-política. As pessoas se deixam guiar e contradizem seus valores morais, levando a um questionamento que chega à raias da loucura, e chegando a surpreender a si mesmos.

Os valores morais são a mola deste enredo, e esta é a mola da nossa própria história.

“Jenny e os Piratas”, da “Ópera dos três vinténs”

Meus senhores hoje eu lavo copos
Faço as camas de todo mundo
Me atiram um micho tostão e eu logo agradeço,
Limpo a mão no avental mas eu sei:
Que um dia eu vou sair daqui.
Certa noite um grito vai se ouvir
E vocês vão perguntar: “Quem foi que gritou no cais?”
Vão me ver lavando os copos e sorrindo.
Vão perguntar: “Por que é que ela sorri?”
Um navio de piratas
Com cinqüenta canhões
Aporta no cais.
Vocês vão me dizer, lave os copos menina,
E um tostão vão me atirar;
Vou guardar o dinheiro, suas camas arrumar, mas eu sei
Que nelas ninguém nunca mais vai se deitar
Só eu sei o que vai se passar
Nesta noite um estrondo vai se ouvir
e vocês vão perguntar: “O que aconteceu no cais?”
Da janela estarei tudo espiando
Vão perguntar:”O que faz ela ali?”
Um navio de piratas
Com cinqüenta canhões
Tudo vai bombardear
A alegria de suas caras vai desaparecer
Porque tudo irá pelos ares
E quando a cidade estiver toda arrasada,
Restará de pé apenas este mísero hotel
“Quem será que da tragédia escapou?”
E durante a noite vão berrar,
Perguntando sem parar: “Quem será que vive ali?”
De manhã, então, eu abrirei a porta.
Vão perguntar: “Quem é esta mulher?”
Um navio de piratas
Com cinqüenta canhões
As velas enfunará
No final da manhã, cem piratas desembarcam
Em silêncio vão avançando
E um por um de vocês eles vão acorrentar
E aos meus pés atirar, para depois me perguntar:
“Quem é que você quer que matemos?”
Haverá silêncio em todo o cais,
Quando ele me perguntar:”Quem é que deve morrer?”
Minha voz então será ouvida: TODOS!
E quando as cabeças rolarem eu direi: Oba!
Um navio de piratas
Com cinqüenta canhões
Pra bem longe vai me levar

O interesse pelos EUA

É importante também lembrar que LVT quando concebeu a obra ainda não conhecia os EUA, ele possuía uma imagem deste país de uma forma midiática. Brecht também alimentava o interesse pelos EUA, analisando esta sociedade super-poderosa. O filme fala sobre a história do ocidente como efeito de tensão e da violência intrínsecas à sua cultura e os seus valores morais.

O simbolismo bíblico

Dogville é uma obra que está totalmente relacionada à tradição judaico-cristã. A Bíblia é uma referência literária, afinal dogville = a cidade do cão. E as equivalências bíblicas não param por aí: cão = Moisés, Grace = Jesus Cristo, Tom = Judas, a história = Apocalipse.
O nome do cão é Moisés, o patriarca dos 10 mandamentos, o homem que recebeu de Deus as regras divinas, e é este cão que vigia e dá nome a cidade. Ele, ao fim do filme, se reconcilia com Grace, afinal ele só rosnou porque ela lhe “roubou o osso”. Metafórico, não?
A graça (Grace) é uma das idéias mais singulares do cristianismo, é um conceito típico do seu pensamento. Grace é sacrificada, porém cultiva e exercita até não poder mais a idéia do amor. E o amor pregado por Cristo supera e transcende a idéia da justiça (Moisés).
Já o personagem Tom, por pudor ou convencimento moral, canaliza o seu impulso sexual em forma de traição. Ele é um grande falsificador, se utilizando do arcabouço de racionalidade e sofisticação. Todos os homens de Dogville têm relações sexuais com Grace, ele é o único que fica só no beijo. Ora, o beijo é biblicamente relacionado à traição.
Daí vê-se a tensão em meio a identidades e diferenças, judaísmo X cristianismo, Grace X cão, Jesus X Moisés: amar ou temer a Deus? O ideal de amor cristão coloca que não vem para negar a Lei e sim para reformá-la. Já o ideal judaico de justiça baseia-se no temor a lei e na lei do temor, como forma de equilíbrio e compensação. Em Dogville , reedita-se a oposição entre as duas mais antigas e antagônicas disposições morais conhecidas: o código de Hamurabi e a parábola do machado e do sândalo.

Finalizando...

É uma obra – prima longa, que possui várias camadas de interpretação, e não tenho interesse de me alongar num mero comentário, deixo aos experts este papel. Faltou falar o filme enquanto história do Ocidente, das alegorias, das relações de poder, o “bem comum”, sobre esta fábrica de doentes: sadismo, masoquismo, machismo, perfídia, venalidade, violência do “bom cidadão”... e outras tantas camadas.
O filme não se refere apenas à sociedade americana. O filme é sobre o ocidente, sobre as “cidades de Moisés”. Dogville é aqui e agora.

Por Paolita, em 18/11/2009 Avaliação:                     10.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 10.0
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Rodrigo Cunha 9.0
• Josiane Ka 10.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 9.0
• Heitor Romero 7.5
• Marcelo Leme 9.0
• Rafael W. Oliveira 10.0
• Victor Ramos 8.0
• Léo Félix 9.0
• Francisco Bandeira 9.0
•  Média 8.5
Notas - Usuários
8.6/10 (1088 votos)
Top Usuários #51
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Dogville
(Dogville, 2003)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (34) « próximo »
• Outros comentários
• A Vida de uma Mulher (2016), por walter arcela
• O Estranho Thomas (2014), por Paulo Franco
• Cinderelo sem Sapato (1960), por Paulo Franco
• A Cabana (2016), por Elvira Akchourin do Nascimento
• Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016), por Mathias Reis
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE