FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Dogville

(Dogville, 2003)
Por Fabio da Rocha Barros Avaliação:                     10.0

Este comentário revela detalhes da história do filme.

Dogville é uma obra extremamente pessimista, de contexto social (leia-se “american way of life”) deturpado e bem diferente do que é comumente divulgado pelas grandes produções norte-americanas, além de ser um divertido divisor de opiniões no que se refere às escolhas estéticas. Mas nada disso interessa ao diretor. Muito mais focado na relação entre seus personagens e em contextualiza-los nas simbologias clássicas e religiosas, Von Trier cria aquela que pode ser considerada seu filme mais agressivo.

Como é recorrente na obra do dinamarquês, o principal personagem é o próprio espírito humano feminino. Este personagem, que povoa todas as grandes formas de expressão artística do cineasta, se estabelece como “labirinto” e “minotauro”, jamais sendo colocado na posição tradicional do conceito de “herói” – apesar de estes serem, indubitavelmente, protagonistas. Basta que observemos melhor personagens como Selma Jezkova (Dançando no Escuro), Bess McNeill (Ondas do Destino), Ela (Anticristo) e a própria Grace.

O conceito de “labirinto” pode representar, entre várias outras leituras, a racionalidade de uma sociedade calcada nas retrógradas leis do masculino. Um tempo/espaço “castrador”, opressor e destinado a domar a fera feminina, o “minotauro” (a ideia clássica do espírito feminino: a Natureza, a paixão, o impulso – vide “Medeia”), que se mostra pequeno diante dessas forças anestésicas. Gradualmente percebemos que os até então pacatos cidadãos de Dogville (o labirinto) são capazes de prender e oprimir Grace de várias maneiras extremamente cruéis, seja com palavras, ou olhares que “transcendem as paredes”, ameaças e até ações físicas radicais (os grilhões e os constantes abusos sexuais).

Inicialmente disposta a abraçar a doutrina cristã do Novo Testamento – e sua ideia de perdão – Grace, cada vez mais isolada e se deparando com becos sem saída, gradualmente vai despertando seu monstro instintivo (o Minotauro, a força da Natureza em sua forma mais violenta), retornando ao seu verdadeiro poder de julgamento, representado pela figura do pai (de certo modo, o Deus punitivo do Antigo Testamento que acolhe e reeduca o Messias do Novo Testamento). A protagonista desperta de uma espécie de transe e alça voo rumo a um poder que havia esquecido que possuía, e então, após carregar sua Cruz (a coleira com a roda de ferro), ela lança sobre todos não o perdão pelo amor, mas um dilúvio de balas e sangue (o final do filme é um dos mais fortes já criados pelo cineasta).

Curiosamente, a força do minotauro é intrinsecamente ligada ao “Teseu” (herói disposto a matar o monstro do labirinto) de sua natureza. A mulher em Von Trier consegue ser o monstro e o herói, dividindo um mesmo corpo – e aqui está a “problematização”: tendo dentro de si elementos tão díspares, o verdadeiro monstro acaba por se transmutar no próprio labirinto. Não é a criatura, mas o sistema estabelecido (o racional). Conhecedora de todos os defeitos da alma humana dada a sua condição de Messias, Grace é capaz, mesmo querendo acreditar que não, de “ver através das paredes desse labirinto” e perceber todos os monstros que ali habitam. Sua tentativa de tornar-se uma habitante daquele local (pontuada pelas mudanças de seu figurino) soa patética e fadada ao fracasso, e gradualmente seu figurino original vai reassumindo posição de destaque. A reação de Grace, frente a esses obstáculos, é, portanto, natural e compreensível: “Só pare de matar quando ela parar de chorar”, diz Grace em certo instante, num dos momentos mais fortes e agressivos que exemplificam perfeitamente o “olho por olho, dentre por dente”, do agressivo Antigo Testamento.

Revertendo padrões estéticos e bebendo muito mais nas infindáveis referências do teatro (Brecht e Artaud, em especial), Lars Von Trier elimina o cenário e alguns recursos técnicos, numa espécie de evolução do projeto DOGMA 95. Escolhas artísticas à parte, Dogville é um dos maiores exemplos sobre a mesquinhez e a hipocrisia humana, além de ser um belíssimo exemplar de cinema poético.

Por Fabio da Rocha Barros, em 04/04/2013 Avaliação:                     10.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 10.0
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Rodrigo Cunha 9.0
• Josiane Ka 10.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 9.0
• Heitor Romero 7.5
• Marcelo Leme 9.0
• Rafael W. Oliveira 10.0
• Victor Ramos 8.0
• Léo Félix 9.0
• Francisco Bandeira 9.0
•  Média 8.5
Notas - Usuários
8.6/10 (1086 votos)
Top Usuários #51
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Dogville
(Dogville, 2003)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (34) « próximo »
• Outros comentários
• Delta (2008), por Cleber Eldridge
• Corra! (2017), por Cleber Eldridge
• Caminhos da Floresta (2014), por Paulo Faria Esteves
• Corra! (2017), por Danilo Calazans
• Rei Arthur - A Lenda da Espada (2017), por Danilo Calazans
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE