FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Dunkirk

(Dunkirk, 2017)
Por Luís F. Beloto Cabral Avaliação:             6.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Uma sequência de clímaxes relativamente bem encaixados e executados (o suspense é criado muito mais pela trilha sonora do que pelas imagens e a montagem paralela). Mas é o clímax pelo clímax e nada mais. Mesmo que Nolan pretenda uma crítica sutil ao conflito bélico e sua ausência de sentido (o combate ao inimigo invisível, a luta pela sobrevivência), o objetivo do filme é muito mais a execução lógica e sequenciada das ações quase ao modo de um video-game. Não por acaso, os momentos de contextualização ou reflexão soam deslocados e mal desenvolvidos.

Portanto, em vez do percurso gradativo a um cadafalso de horror, como nos melhores títulos do gênero, o filme de Nolan segue a linha do espetáculo da sobrevivência, cujos únicos momentos de inspiração são as estilizações de enquadramento e imagem (os pilares brancos da praia emoldurando os soldados ao fundo, os amontoamentos de homens contemplados em enquadramento amplo, os jogos de luzes no oceano nas sequências aéreas de combate e nas cenas noturnas em alto mar). De resto, mesmo com o olhar reticente do protagonista no (fugidio) plano final, o que fica é a romantização do conflito e a ideia de que a guerra dignifica o homem.

O plano final com o avião incendiado sob o pôr-do-sol é mais Spielberg do que Kubrick: se este apresenta a guerra como uma relação de poder entre peões e generais, o primeiro celebra o sacrifício dos peões pela grande causa. Não que o sacrifício seja motivo de vergonha, mas por que não questionar o seu motivo? Por que esse sacrifício foi necessário e quem realmente se beneficiou com ele? Lembremos do Harakiri de Kobayashi: até que ponto a honra é a redenção de um homem ou o amparo de uma hierarquia ou ordem aristocrática? Em Dunkirk, o motivo da guerra é o espetáculo da ação, o game da sobrevivência.

Por Luís F. Beloto Cabral, em 31/07/2017 Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 7.5
• Bernardo D.I. Brum 5.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
•  Média 5.8
Notas - Usuários
7.2/10 (121 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Dunkirk
(Dunkirk, 2017)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (5) « próximo »
• Outros comentários
• Minha Bela Dama (1964), por THIAGO ROBERTO BATISTA
• Violência Gratuita (2007), por Weydson C. Oliveira
• Planeta dos Macacos: A Guerra (2017), por Mathias Reis
• Europa 51 (1952), por Mateus da Silva Frota
• Os Dez Mandamentos (1956), por Bill Coln
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE