FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

É Apenas o Fim do Mundo

(Juste la fin du Monde, 2016)
Por Caio César Avaliação:                 8.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Este comentário revela detalhes da história do filme.

É Apenas o Fim do Mundo, longa-metragem do diretor Xavier Dolan aborda um assunto já evidenciado em Eu Matei a Minha Mãe – seu filme de estreia: as relações familiares. Contudo, em É Apenas... que os conflitos de uma família tradicional serão explicitados de forma mais crua, o que levará o/a espectador/a a refletir sobre a seguinte (e oportuna) questão: as instituições familiares patriarcalistas ainda se constituem como ambientes de sacralidade?
O conflito do filme gira em torno do retorno Louis (Gaspard Ulliel), filho da personagem da atriz Nathalie Baye, que no filme é chamada apenas de “mãe”. Louis, que não visitava a família há 12 anos, regressa ao lar para informar aos seus familiares que morrerá em breve. Já em casa, ele se depara com a irmã mais nova, Suzanne (Léa Seydoux) e a cunhada Catherine (em mais uma brilhante interpretação da Marion Cotillard), além de reencontrar o irmão mais velho Antoine (Vincent Cassel). Esse retorno, que deveria ser um motivo de alegria para todos/as, se torna um encontro recheado de mágoas e dores do passado, o que gera diversas discussões, insultos e trocas de farpas.
Em É Apenas o Fim do Mundo, Xavier Dolan não se preocupa em amenizar os conflitos aqui encenados. Seu objetivo é claro: incomodar o/a espectador/a. Os/as personagens são construídos com o intuito de evidenciar os sujeitos pertencentes às famílias tradicionais patriarcalistas: Antoine é uma figura machista e autoritária que, na ausência do pai já falecido, assume o posto de chefe do clã. Ele é casado com Catherine e a mantem num relacionamento abusivo, o que torna a personagem uma mulher insegura e passiva diante do relacionamento. A mãe, por sua vez, por mais que se mostre como uma mulher independente, sustenta o significado convencional (e imposto patriarcalmente) do termo mãe. Suzanne, por mais que tente se desvencilhar da família, se matem ligada a ela por conta das imposições da mãe e do irmão mais velho. Contudo, o ponto fora da curva é Louis. Ao sair de casa, o personagem corta os laços que o prendem à família e decide seguir a sua vida sozinho, mantendo contato apenas por cartões postais. Seu comportamento incomoda a todos/as, sobretudo a Antoine que acredita que o irmão não se preocupa com a família, como também o censura por ser homossexual.
O ponto máximo do filme está em sua cena final. Ao tentar contar para a família sobre o real motivo de sua visita, Louis é impedido por Antoine que o obriga a ir embora o quanto antes. Tal atitude, mais uma vez, gera uma nova discussão. Num desses momentos, Louis tenta dizer ao irmão que o ama, mas não consegue completar a fala porque Antoine ameaça lhe dar um soco. No intuito de amenizar a briga, a mãe interfere e promete ao filho do meio que a próxima visita será mais tranquila. Posteriormente, Louis fica sozinho na sala e avista um pássaro à procura de uma saída. Ele observa atentamente e percebe que o bicho não consegue encontrar uma brecha para sair. Por fim, o pássaro morre. Ao analisar a cena, Louis abre a porta e sai. Nesse momento final, somos surpreendidos/as com a significativa canção do Moby, intitulada Natural Blues, que evidencia a trajetória do personagem:
“Oh Lordy, trouble so hard/ Oh Lordy, trouble so hard/ Don't nobody know my troubles but God/ Don't nobody know my troubles but God”.
Que em tradução literal significa:
“Oh, Lordy, o problema é tão difícil/ Oh, Lordy, o problema é tão difícil/ Ninguém conhece meus problemas, mas apenas Deus/ Ninguém conhece meus problemas, mas apenas Deus”.
Por fim, é importante inferir que o filme É Apenas o Fim do Mundo talvez seja o mais inacessível da obra do jovem diretor Xavier Dolan – talvez seja por isso que muitos/as críticos/as foram severos ao avaliá-lo. Todavia, a mensagem abordada aqui é crua, complexa e incômoda: os alicerces que equilibram a família tradicional patriarcalista estão se desmoronando, tornando-se frágeis, fatores esses que operam no processo de desmistificação do conceito de sacralidade dos laços que a sustentam.

Por Caio César , em 04/11/2017 Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Rafael W. Oliveira 8.0
• Felipe Leal 2.0
•  Média 5.0
Notas - Usuários
6.1/10 (43 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE