FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Em Nome de Deus

(The Magdalene Sisters, 2002)
Por Allan Kardec da Silva Pereira Avaliação:                   9.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Grande drama, forte, bem dirigido, bem filmado, mas que não teria força alguma se não demonstrasse aquilo que mais acerta: que o passado não esta tão distante de nós, que certos cantos da sociedade se maqueiam aos novos tempos, não deixando, consorte, de manter o fio da meada que o mantêm atado aos costumes de um passado muito distante. O convento de The Magdalenes Sisters, nesse sentido, serve para mostrar que o enclausuramento que mantia o individuo preso a um vinculo "familiar"- vide a forte presença da palavra irmã, até hoje por sinal - na Idade Média é algo ainda praxe na realidade atual, apenas mascarado por novos objetivos.

Mantendo a película com tanta força e presença narrativa, está a mão firme e consisa de Peter Mullan, que transforma seu filme em uma crítica contudente ao gregarismo opressor dos conventos, em busca dessa tão almejada "liberdade plena" do indivíduo. Seu único deslize, foi ter estendido o final a uma costumeira narração da vida das personagens pós-convento, o que quebra a possivel profundidade psicológica que a obra poderia alcançar com um final sem explicações do tipo. Passaríamos assim, a imaginar, por conta própia, o provável destino de cada uma daquelas jovens, o impacto de tal esperência durante os 5 anos de enclauzuramento no covento.

O Roteiro do mesmo Mullan é baseado em fatos reais, consiso, bem escrito, é favorecido pela calma como foram filmadas algumas tomadas, o que ressalta o sentido de "falta de esperança", ou serve para mostrar o tempo no mosteiro, diferente do nosso tempo corrido, capitalista, aquele tempo também mantém um vínculo medieval. Outra proposta bem elaborada por Mullan, foi o fato de aquele mosteiro ser um mosteiro corretivo de jovens "desviadas", e nesse sentido, a grande habilidade do diretor é que a sociedade cria suas regras e fizeram daquelas mulheres as vítimas de sua crueldade. Muitas estão ali sem nada ter feito, outras, todas, porém, são acusadas de serem libertinosas, um perigo à sociedade. Relações que mantém uma jovem daquela atada ao vínculo familiar rompem-se mesmo quando uma dessas é estuprada por um primo, os pais, no intento de manter a integridade da familia perante a sociedade, mandam sua filha, desaflorada antes do casamento, para um convento, de onde talvaz nunca saia.

Diante de tão impactante, não menos real, história, Mullan opta por aproximar o enquadramento da câmera, exagerar nos closers, afim de trazer o espectador pra dentro do convento, entender os atos de "rebeldia" daquelas jovens, criar uma identificação entre personagens e espectadores, fazendo-se de mediador desse diálogo aberto, é como se cada situação de sofrimento passado na vida de tais garotas servisse de argumento ao seu favor. Esse excesso de realismo é tão forte que quase não vemos Trilha Sonora, algo fora daquele mundo, o Som representa a esperança de dias melhores.

As atrizes, de relativa experiência no Teatro em sua maioria tem grandes atuações, intensas e corajosas, ambas podiam ser um conjunto imenso de caricaturas, o uqe não acontece. São, cada uma delas, personagens bem criadas, bem desenvolvidas, de visão de mundo. O grande destaque fica por conta da lindíssima Nora-Jane Noone, como Margaret - que após impactante atuação nesse filme vêm fazendo filmes de terror-teen medíocres e de Eileen Walsh, como Crispina.

Enfim, o filme teve boa repercussão na crítica, ganhou o Leão de Ouro em Veneza. É um filme que tem que ser sentido, se sua história parece fácil, mas cria uma teia de possibilidades infindas sobre ela. Um belo trabalho de direção, uma pequena obra-prima criada por Peter Mullan. Indispensável.

Por Allan Kardec da Silva Pereira, em 19/02/2009 Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 7.5
• Marcelo Leme 8.0
•  Média 7.5
Notas - Usuários
7.7/10 (68 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Em Nome de Deus
(The Magdalene Sisters, 2002)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (4) « próximo »
• Outros comentários
• Mãe! (2017), por Augusto Barbosa
• Jejum de Amor (1940), por Cleber Eldridge
• Docinho da América (2016), por Cleber Eldridge
• Rodin (2017), por Danilo Calazans
• Batalha Incerta (2016), por Matheus Johan Darswik Rodrigues Barbosa
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE