FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Locke

(Locke, 2013)
Por Anderson de Souza Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Este comentário revela detalhes da história do filme.

Você pode gostar de um filme simplesmente por ele ser bom e possuir qualidades abraçadas por você ou também quando você se vê tocado pessoalmente por ele. Locke, produção britânica independente, me chamou a atenção pelos dois motivos. Filme minimalista que se desenvolve através de poucos elementos, extremamente sensorial, te convida a pegar carona com Ivan Locke e compartilhar com ele poucos minutos de um pesadelo da vida real, munido de uma estética reminiscente do filme Enterrado Vivo, e comparar os dois filmes sobre este posto de vista seria viável aqui. Só que Locke oferece uma aura muito mais humana e não apenas uma questão de instinto de sobrevivência e de estar diante da morte e lutar pela vida mas de saber lidar com os problemas e tomar a decisão certa para assim administrá-la. E tudo numa maldita noite.

Soa perfeitamente real e verossímil. Esqueça Hércules ou tantos outros heróis poderosos e musculosos. Aqui está um homem que sabe como ficar sozinho, que tem plena convicção das besteiras que fez e procura da forma mais branda possível resolvê-las ainda que seja facilmente perceptível olhando dentro dos seus olhos que seu mundo caiu, e que todos os edifícios que construiu durante a vida está desmoronando dentro de poucos minutos. Um verdadeiro guerreiro. Um homem perfeitamente comum. Por isso fica fácil sermos projetados para dentro daquele carro e ficarmos ali de espectador, intrigados com as guinadas que a vida pode dar no mais mortal dos homens.

O roteiro do diretor Steven Knight reserva momentos sufocantes que afeta o espectador aos poucos. Seu início é vago e pouco elucidativo. Não entendemos o que se passa. O personagem não entra no carro, ele já está lá desde o início, e digo logo, até o final. Os telefonemas são as jogadas certeiras que o diretor usa pra situar o espectador aos acontecimentos. Há apenas um personagem em cena e o carro e a pista são os cenários. Ideia muito bem-vinda para um cinema esgotado de criatividade nos dias de hoje. Percebe-se facilmente que Knight não está preocupado em vender seu filme, ou ganhar o espectador com fórmulas baratas, mas experimentar com o minimalismo um texto forte e orgânico. Por isso Locke não se enquadra num filme que conquista rápido. Ele tem apenas menos de 90 minutos pra contar uma história em tempo real e ao mesmo tempo fisgar o espectador. Durante uma Premiére no Reino Unido, Steven Knight afirmou queria fazer algo completamente diferente, em um espaço confinado, sobre um cara cuja vida muda durante o curso de uma viagem, e que ele nunca deixe o carro.

SPOILER >>
Assim sendo, o diretor coloca o personagem em situações extremas, extremas mesmo, e ele tem apenas ligações telefônicas para resolvê-las. Ivan Locke é um homem comum, gerente de obras que está prestes a enfrentar o maior desafio dos seus 9 anos de carreira. Tem uma família atenciosa de dois filhos e uma esposa. No carro, descobrimos que ele está indo para o parto de uma amante que ele conheceu meses atrás e a deixou prenha. Como lidar? Locke não se acovarda e decide enfrentar as consequências, até porque não havia mais para onde correr. Além de não poder estar em casa e assistir a um jogo importante com a família, ele não poderá gerenciar a maior entrega de concreto da Europa para a construção de um gigantesco edifício, o que leva à sua demissão. Se nada poderia piorar, ele conta a verdade sobre a traição para a esposa e no hospital, a amante está em trabalho de parto prematuro e extremamente delicado com o cordão umbilical enrolado no pescoço da criança. Ivan teve a chance em vários momentos de voltar atrás, mas a cada momento que olhava no retrovisor tinha a certeza que estava agindo corretamente, não caindo na hipocrisia de cometer os mesmos erros do pai, que por sinal, é um belo modo de encorajar o personagem usado pelo diretor. É como dizem: "Quer me animar, diga-me que não vou conseguir"
<< FIM DO SPOILER

Tom Hardy aqui me ganhou de vez. Um ator que tem escolhido muito bem seus papéis e topando desafios atrás de desafios. Ele tem uma enorme responsabilidade aqui. Tudo gira em torno dele, a maioria dos enquadramentos estão nele, e se o espectador precisar de algo para se envolver com a história, esse alguém é ele. Seu personagem é inspirador. Construindo perfeitamente um homem guerreiro, arrependido, e muito mas muito forte. É de deixar hipnotizado suas emoções caprichada em nuances. Acho especialmente arrebatadora a cena em que ele chora pela primeira e ÚNICA vez. Uma lágrima escorre ao ter que encobrir os fatos e inventar uma história para o filho e principalmente lhe dizer que está tudo bem.

Esse diálogo é perfeito para ilustrar o que Knight quis transmitir:

Só queria te contar sobre o gol. Caldwell recebeu e dominou.
Você sempre grita com ele porque sempre perde a bola.
Ele dominou e colocou no chão, e lembra que você dizia
que ele leva a bola aos saltos?
Pois ele a manteve no chão.
Esse é o Caldwell, pai...
Ele começou a correr e a correr.
E...toda a defesa foi em cima dele.
Driblou um e depois o outro.
Eu e Sean levantamos e gritamos para que passasse a bola.
Você diz que tem que passar a bola.
Ele não passava. Ele não iria passar
Só continuou correndo. Parecia um cavalo
O goleiro se adiantou e achamos que ele ia chutar por cima do gol
Lembra contra... Bom, não interessa.
Pensamos que ia chutar por cima de novo, mas ele não chutou.
Este é o Caldwell, pai, que você sempre diz que é burro.
Ele driblou o goleiro e chutou no gol.


Tira-se como uma bela metáfora que estava acontecendo o filme inteiro. Locke correu e correu quando os problemas começaram a bombardeá-lo e quando tudo estava caindo sobre ele, driblou um e depois o outro e nunca passou a bola ou entregou o jogo. Lá na frente tinha o gol. No fim, fiquei completamente satisfeito com a viagem, as sensações de aflição e com o aprendizado. Um filme que te conquista gradativamente, e esses são os mais marcantes.

SPOILER >
Sobre o final, a qual muitos se queixaram por ele ser vago e sem um término definitivo, eu achei mais que digno. É preciso ver Locke com um olhar humano, você não está apenas assistindo uma história filmada, mas também uma história comum de pessoas como nós que vivemos constantemente reféns de problemas adquiridos por escolhas erradas. Seria muito injusto da parte de Knight entregar um final aprazível onde todos os extremos se resolvem. Ele deixa somente algumas parcelas resolvidas. Nada está completamente terminado. O caminho ainda é árduo pra trilhar e enfrentar após sair do carro. O bebê nasceu. Ok! O filho diz que está esperando o pai para rever o jogo, e a chegada dos concretos está segura. Aparentemente tudo está amenizado mas acredito que não terminado.

Por Anderson de Souza , em 18/11/2014 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Régis Trigo 7.5
• Silvio Pilau 8.0
• Marcelo Leme 7.5
• Pedro Tavares 7.0
• Victor Ramos 5.0
• Francisco Bandeira 7.5
•  Média 7.1
Notas - Usuários
7.2/10 (128 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (15)
Por Anderson de Souza , em 25/04/2015 | 19:05:45 h
Agora que vi seu comentario cara. Pois é, eu fiquei tão hipnotizado com o filme que via mensagem em qualquer diálogo hehe.
Por Gustavo de Souza Silva, em 23/01/2015 | 13:48:13 h
Cara, belíssimo texto! Até então não havia notado a metáfora do diálogo do filho dele sobre o gol, embora tivesse pensado na hora de que devia haver um porquê para aquela fala do filho. E você comentou o final... eu o entendi como uma bela metáfora, metáfora contida no choro da criança. Algo como o nascimento de uma vida, uma nova forma de ver a vida, pois a vida do Ivan, na teoria, começara novamente (Se a esposa realmente não quiser ele de volta, e se ele não voltar mesmo ao emprego)
Por Anderson de Souza , em 11/12/2014 | 19:03:26 h
Vlw Nilmar
Por Nilmar Souza, em 06/12/2014 | 17:56:56 h
Não gostei tanto quanto vcs, mas o texto ficou muito bom mesmo, e o Hardy, sem palavras .. já é um dos grandes. Parabéns, Anderson.
Por Anderson de Souza , em 06/12/2014 | 17:54:02 h
Daqui pra frente não perco mais nada com o Tom Hardy, Ravel. Um ator que vale a pena acompanhar os trabalhos. Eu já começaria a acompanhá-lo depois de "Guerreiro"...assistindo esse aqui não resta mais dúvida.
Por Anderson de Souza , em 06/12/2014 | 17:51:51 h
Mto boa sua colocação Caio. Obrigado!
Por Anderson de Souza , em 06/12/2014 | 17:51:40 h
Valeu Chico Bandeira hehe
Por Ravel Macedo, em 05/12/2014 | 22:14:38 h
Um dos filmes mais interessantes do ano, sem duvida, sutentado pelo texto e pelo desempenho contido de Hardy, que ja fez cada personagem diferente um do outro, que quando penso em versatilidade, não me vem outro a mente.. Se o final fosse diferente perderia todo impacto. Ótimo texto Anderson.
Por Caio Henrique, em 05/12/2014 | 21:55:31 h
Um dos melhores filmes que vi esse ano. Muito foda em todos os sentidos. O texto do Knight e a forma como ele guia seu filme é fantástica. E eu achei o seu final um dos melhores já vistos por minha pessoa. O plano distanciando-se, carros indo e vindo, vidas que se seguem, ininterruptas, cada um com sua situação, cada qual com suas histórias. Perfeito. Ótimo texto mein freund!
Por Francisco Bandeira, em 05/12/2014 | 17:28:07 h
O texto ficou excelente mesmo. Fiquei até com vontade de rever o filme.
Por Anderson de Souza , em 05/12/2014 | 16:12:32 h
Eu disse. E tentei caprichar quando fosse passar pro ''papel''.
Que bom que deu certo. Se vc ta elogiando é pq a coisa ficou boa mesmo
Por Anderson de Souza , em 05/12/2014 | 16:10:57 h
Lucas, eu nem achei isso importante, apesar de como qualquer um estava torcendo por ele querer saber o que aconteceu depois...mas ficou ótimo do jeito que ficou
Por Patrick Corrêa , em 05/12/2014 | 15:22:14 h
Uau! Que texto maravilhoso! Você já tinha me dito que o filme te pegou, mas não esperava que fosse traduzir isso com palavras tão bem colocadas. Adorei!!!!!
Por Lucas Souza, em 03/12/2014 | 20:58:30 h
Texto foda cara!
Será que Ivan ficaria no emprego?
O que uma noite com outra mulher fez com a vida do cara hein?
Por Anderson de Souza , em 03/12/2014 | 12:17:42 h
Tinha té me esquecido que tinha enviado esse texto LOL
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE