FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Mãe!

(Mother!, 2017)
Por Daniel Oliveira Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Darren Aronofsky (Cisne Negro) é um dos grandes cineastas de sua geração. Essa não é uma afirmação difícil de se fazer, visto que sua filmografia fala por si só. Suas obras, no entanto, não costumam atingir o grande público, muito devido a sua natureza contestadora, sempre com uma narrativa que busca o conflito, por vezes distorcendo aspectos da realidade, levando o psicológico de seus personagens - e de seus espectadores - ao limite. São filmes que geram discussão, e por isso são tão interessantes. Em Mãe! (Mother!), felizmente, o diretor volta a sua boa forma, ainda que não seja exatamente um de seus melhores longas.

Em uma casa de campo isolada da sociedade, uma esposa (Jennifer Lawrence) dedica-se a transformar a residência em que vivem em um lar, enquanto seu marido poeta (Javier Bardem), foca suas energias em combater o bloqueio criativo que o impede de escrever. Certa noite, um homem estranho (Ed Harris) aparece precisando de abrigo. No dia seguinte, a esposa do sujeito (Michelle Pfeiffer) também adentra a casa, e coisas perturbadoras começam a acontecer. Dizer mais que isso é dar spoiler, portanto, aviso que do próximo parágrafo em diante abordarei diversos aspectos da trama, ou seja, caso ainda não tenha assistido, o faça, e volte para conferir o restante.

O espectador é privado de qualquer informação prévia dos personagens, visto que nem seus nomes conhecemos durante toda a projeção. Fica evidente que a história não é sobre eles, e sim sobre o que eles representam. Mãe! é um filme totalmente calcado em metáforas, das mais diversas, ainda que possua uma em evidência, que conduz todas as demais. É o tipo de obra que desperta o interesse de assisti-la novamente, só para descobrirmos novos aspectos que ficaram escondidos de nossos olhos em um primeiro momento.

Mas afinal, quem é a mãe do título?

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida) é uma representação da mãe Terra, ou mesmo a mãe de Cristo. Javier Bardem (Onde os Fracos Não Têm Vez), uma representação de Deus, o criador. Ed Harris (Westworld) e Michelle Pfeiffer (Sombras da Noite), Adão e Eva, respectivamente. Estabelecidas essas peças, o que vemos em pouco mais de duas horas é uma série de representações bíblicas, trazidas por Aronofsky de maneiras chocantes e que nos fazem refletir. Vemos Abel ser assassinado por Caim, o nascimento de Cristo e seu eventual sacrifício, bem como outros aspectos dessa história tão conhecida.

É interessante como o diretor aborda temas polêmicos por meio das metáforas empregadas, como por exemplo, a adoração que gera o fanatismo, o ódio, o embate e a guerra em nome da religião. Aronofsky crítica a fé cega e a humanidade como um todo, repleta de falhas e pecados, assim como a representação de Bardem para seu criador. Evidencia também a sensação de que tudo é cíclico, e que os principais conflitos da humanidade parecem ter inicio novamente, apenas com pequenas mudanças.

O cineasta é bem sucedido ao criar a tensão que a narrativa exige, abrindo mão da trilha sonora e investindo apenas na edição e mixagem de som. É um vidro quebrando, uma madeira rangendo, o vento externo passando pela janela. Diversos elementos que vão trazendo aflição ao espectador, como suas escolhas de enquadramentos, sempre extremamente fechados em seus protagonistas, impedindo que a audiência entenda por completo a disposição dos cômodos da casa, causando a perturbação constante que seu roteiro exige.

Assistir Mãe! me fez lembrar de obras como O Bebê de Rosemary, pela destreza que Roman Polanski também demonstra em filmar ambientes fechados, mas principalmente, pela sensação de não pertencimento da protagonista, que aqui encontra-se em constante desespero, nunca entendendo ao certo o que está se passando. Aliás, a narrativa jamais abandona a personagem, sempre mostrando seu ponto de vista e emoções, seja pelos closes nas expressões de Lawrence - evidenciando seus sentimentos -, ou pela câmera que sempre a acompanha pelas costas, por vezes, indo a frente e estabelecendo quase que uma visão em primeira pessoa.

Jennifer Lawrence, é bom dizer, entrega mais uma grande atuação, especialmente se levarmos em conta que sua personagem tem pouquíssimas linhas de diálogos, passando emoção sempre com um gesto ou um olhar para o marido, vivido por Bardem com a segurança e o talento de sempre. Uma figura adorada, temperamental, obstinada, por vezes carinhosa, mas também egocêntrica. Se lembrarmos que trata-se de uma representação de Deus, entendemos porque o filme dividirá opiniões mundo a fora.

O fato é que Mãe! é um filme instigante, perturbador e bastante controverso. Daqueles que já nascem cult e darão muito o que falar e discutir. É cinema de qualidade, ainda que, repito, não seja um dos melhores trabalhos de um diretor que já se mostrou mais inventivo em obras como Cisne Negro e Fonte da Vida. Voos maiores podem ser alçados por Aronofsky e eu aguardo ansiosamente por isso.


Crítica originalmente publicada em meu blog pessoal:
http://www.cinefiloemserie.com.br/2017/09/critica-mae.html

Por Daniel Oliveira, em 06/01/2018 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Régis Trigo 6.5
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 4.0
• Marcelo Leme 7.0
• Bernardo D.I. Brum 4.5
• Francisco Carbone 7.5
• Rafael W. Oliveira 10.0
• Felipe Leal 4.5
•  Média 6.3
Notas - Usuários
7.0/10 (265 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Bruno Godinho, em 10/01/2018 | 10:48:54 h
Filmaço, bem cotados em vários sites e aqui uma média de 6.3 dos editores kkkkkkkkkk Pseudos Cinéfilos que achavam que Holy Motors viraria um clássico e ninguém mais lembra. Mãe! só vai crescer.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Mãe!
(Mother!, 2017)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (4) « próximo »
• Outros comentários
• O Rio Sagrado (1951), por Regina Celia de Ribeiro
• Cam (2018), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
• Getúlio (2014), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
• O Conto (2018), por Vagner Ferreira
• Triângulo do Medo (2009), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE