FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Me Chame Pelo Seu Nome

(Call Me by Your Name, 2017)
Por Ivo P. B. Serda Larruck Avaliação:               7.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Dessa vez eu ouso dizer que me arrisquei a assistir os filmes do Oscar até aguentar. Eu quase não assisti a esse aqui, porque os filmes anteriores quase me fizeram ter de desistir da minha já comprometida vida. Podemos dizer que esse aqui conseguiu estabilizar, mas eu ainda sinto a necessidade de tecer algumas observações.

O único filme que eu vi do senhor Luca Guadagnino foi o A Bigger Splash, e, apesar de todas as falhas da película, o filme conseguiu me empolgar e me envolver de uma forma interessante. Achei divertido! Esperei, ao menos, a mesma diversão nesse aqui. Bem. Perdemos a diversão mas ganhamos naquilo que os cinéfilos chamam de mise-en-scène (mizoncên). Esse filme é um esplendor absurdo. Temos uma construção de personagens muito interessante e profunda. Mas ouso dizer que isso não quer dizer muito quando a gente resolve olhar por fora do cinema.

Enquanto cinema, Call me by your name se declara uma lindeza. Guadagnino filmando Roma é a coisa mais linda. Guadagnino filmando gente rica é a coisa mais linda. Bom, se no ano passado a gente teve o belíssimo Moonlight se propondo representar as dificuldades de ser homossexual ao longo da vida num contexto conturbado, Guadagnino demonstra como é fácil ser homossexual e rico ao mesmo tempo.

Sem querer meter malho nos ricos, mas você sente o choque absurdo de realidade que é contrastar Moonlight com Call me by your name. Moonlight, apesar de ser bem mais ou menos nas duas primeiras partes do filme, explodindo num terceiro ato inspiradíssimo, procurou representar e descrever o conflito de um jovem descobrindo-se homossexual de forma bastante séria trazendo para as telonas uma discussão sobre homofobia. Isso não existe em Call me. A gente pode até entender que a proposta do filme seja a autodescoberta de um adolescente. Que a homossexualidade esteja em outro patamar da condição social. E que é um filme de personagens que se constrói com bastante maestria. Mas tá lá e nada ultrapassa isso. Faltou caos. Caos inspira muitas vezes tornar um conteúdo mais profundo.

A pior sensação que fica quando terminamos de assistir ao filme é que Guadagnino tinha absoluto controle sobre o universo dos personagens, e principalmente de suas ações. Ele construiu toda papelada pensando: "isso aqui vai dar certo de qualquer forma, nada vai atrapalhar essa bagaça; o guri Elio vai se descobrir e só vai ter problema consigo mesmo, em se aceitar; e tá bão por hoje". Faltou caos e emoção. Pouco dá para se envolver com os personagens de tão distante que é a realidade deles do grande debate. Elio faz parte de uma família rica de intelectuais e acadêmicos. Passa as férias de verão sem lavar um prato. O garoto vive só pra exercitar sua intelectualidade e desenvolver dons musicais. Faz porra nenhuma da vida. Surge um estudante mais velho para morar temporariamente na casa de sua família. O cara é muito simpático. As tensões sexuais surgem com a auto-repressão e são aos poucos estimulados por toques, olhares etc. Essa coisa é interessante no filme: delicadeza. Agora, Guadagnino cria todo um universo para que seja possível que aquela história aconteça de uma forma ou de outra e que tudo corra bem. E tudo corre bem. Se tem um ponto negativo nesse filme, é a sensação de que tudo está sob controle e que nada vai dar errado. Termina então com a sensação de que a gente assistiu a um filme sem desafios, em que seus personagens transpõem barreiras internas que são suavizados por um contexto muito fácil e pouco desafiador.

Maçãs devoradas por Elio: 7/10
Minha namorada dormiu em: 30 minutos

Por Ivo P. B. Serda Larruck, em 05/02/2018 Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 9.0
• Marcelo Leme 8.5
• Bernardo D.I. Brum 6.0
• Francisco Carbone 10.0
• Guilherme Bakunin 8.0
• Rafael W. Oliveira 8.0
• Léo Félix 7.0
• Felipe Leal 8.5
•  Média 7.9
Notas - Usuários
7.7/10 (218 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Me Chame Pelo Seu Nome
(Call Me by Your Name, 2017)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (3) « próximo »
• Outros comentários
• Baraka (1992), por Thiago Kunitz Daniel
• Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald (2018), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
• Harakiri (1962), por Thiago Kunitz Daniel
• Por Trás dos Seus Olhos (2016), por Juliana Silva Alves
• Eles Vivem (1988), por Juliana Silva Alves
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE