FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Meninos Não Choram

(Boys Don't Cry, 1999)
Por Eduardo Azeredo Salgado Avaliação:                   9.5

Pessoas que sofrem preconceito sejam eles quais forem nem sempre são retratadas como deveriam, mas esse não é o caso de Teena Brandon ou Brandon Teena.
Sua história de coragem e vontade de viver sua verdadeira identidade é honesta, brutal e merece ser vista e por abaixo preconceitos.
Kimberly Pierce dirigiu a história de Brandon Teena duas vezes, em seu 2º trabalho na direção com o curta-metragem “Boys Don’t Cry” (1995) e quatro anos depois em seu primeiro longa-metragem de mesmo nome.
O roteiro de Kimberly Pierce e Andy Bienen é forte, verdadeiro, chocante e de forma alguma estereotipado.
Nem sempre filmes ruins e papéis inexpressivos são sinônimos de falta de talento, mas sim de oportunidade ou sorte talvez, como foi o caso de Hilary Swank (Brandon Teena) que agarrou a chance que teve e mostrou todo seu potencial.
Como a produção era independente, todo processo de laboratório ficou por conta de Swank, que de forma simples e realista foi além da caracterização, entregando-se de corpo e alma ao personagem de forma extraordinária e marcante.
Outros destaques ficam por conta de Chloë Sevigny (Lana Tisdel) em excelente atuação e Peter Sarsgaard (John Lotter) um excelente ator, que ainda merece reconhecimento.
Por sua brilhante e irretocável atuação, Swank venceu o Oscar e o Globo de ouro de Melhor Atriz e Sevigny merecidamente foi lembrada nas indicações.
Um soco no estômago, serve muito bem para explicar a experiência de assistir um filme como esse e não poderia ser de outro jeito, por isso que a diretora Kimberly Pierce deve ser lembrada pela coragem de levar um projeto assim adiante.
Este ano Brandon Teena faria 40 anos, mas sua memória permanece e com o filme sua história deve ser vista como um forte combate ao preconceito e todo o mal gerado por ele.

Por Eduardo Azeredo Salgado, em 23/12/2012 Avaliação:                   9.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 5.0
• Heitor Romero 5.0
• Marcelo Leme 8.0
• Léo Félix 7.5
•  Média 6.4
Notas - Usuários
7.3/10 (347 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE