FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
COMENTÁRIO

O Espelho

(Zerkalo, 1975)
Por Flaviuska Avaliação:                     10.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

O Espelho: um olhar para dentro...

É altamente recomendável a toda a gente entrar em contato com uma cultura estrangeira. A princípio a experiência parecerá estranha, já que temos o péssimo costume de julgar as outras culturas baseados na nossa própria, o que é um erro. Pois, a priori, não há modelo de sociedade.
Uma pergunta bastante freqüente relacionada a artistas de toda parte, e Tarkovski não é uma exceção, é: Poderia um Tarkovski, um Machado de Assis, um Glauber Rocha, um Almodovar ser reconhecido como artista fora de sua pátria? Sua arte seria entendida fora do contexto de seu país? A resposta não é fácil, afinal a resposta envolve responder a uma pergunta muito difícil: O que é a arte? Como o objetivo aqui não é responder a essa pergunta, mas sim falar do filme "O Espelho" de Andrei Tarkovski, dou a resposta que me parece mais apropriada... Costumamos reconhecer como obra de arte, aquilo que uma vez composto pelo artista, deixa de ser patrimônio dele e de sua pátria e passa a ser universal. Assim é a obra de Tarkovski, um inovador dentro ou fora da Rússia, reconhecido mundialmente como um artista.
O filme "O Espelho" ou Zerkalo (зеркало), em russo, é o sexto de Tarkóvski (1974) e para entender a obra do russo é preciso citar sua famosa definição a despeito do sentido de seus filmes: "Você olha um relógio. Ele funciona, mostra as horas. Você tenta compreender como ele funciona e o desmonta. Ele não anda mais. E no entanto essa é a única maneira de compreender..."
Em outras palavras, seus filmes são sempre a desconstrução de alguma coisa, uma vez descontruida qualquer coisa, não há como voltar atrás, aquilo que se obtém da desconstrução é sempre um objeto que foi alguma coisa e que agora é outra, isso acontece quando se extrai o sentido.
A obra de Tarkovski é tão introspectiva e subjetiva que tentando explicá-la não há como não se ver de repente dentro de um abismo de explicações herméticas e subjetivas... Sendo assim, esse pequeno preâmbulo basta, podemos falar do filme...
"O Espelho" é certamente o filme mais autobiográfico do cineasta russo. Trata-se de uma viagem de retorno às memórias de Tarkóvski. Vemos na tela sua mãe, ele mesmo, seus arrependimentos em relação à vida que viveu, a difícil convivência com o filho após a separação da esposa.
Mas, mais que um filme autobiográfico, "O Espelho" é uma viagem ao universo místico russo. A Rússia é um país extremamente místico, religioso e diversas crenças caminham junto com a dominante igreja cristã ortodoxa russa. Um país que até o século XIX poderia ser chamado de feudal e que em 1917 era socialista. Lugar que é conhecido por ser metade Oriente e metade Ocidente. Levando em conta apenas essa característica, já dá para entender a mistura que é povo russo.
"O Espelho" se inicia com a cena de uma curandeira disposta a curar um menino de sua gagueira com uma espécie de hipnose, toda a cena parece mágica. Em seguida, temos muitas cenas da própria natureza, o vento soprando através das árvores e matagal. A natureza parece responder aos estímulos do homem, funcionando como o princípio de ação e reação. A natureza é vista como algo místico, como uma espécie de deus que mantém as coisas em perfeita harmonia.
O garoto Aleksei olha para sua mãe admirado, às vezes intrigado, sente-se completamente preso à imagem da mãe... Nas reminiscências do homem, a figura mostrada é a própria mãe de Tarkovski. Os poemas de seu pai Arseni Tarkovski são lidos no fechamento das cenas, como se fossem a explicação de um ciclo que se fecha...
A água está presente em todo o filme, um elemento essencial que é mostrado como alusão ao tempo... A água escorre incessantemente, o garoto olha para ela, mas não há como detê-la, ela respeita sua natureza, a de transcorrer ainda que o homem tente impedí-la. O sonho encantado do ser humano é ter mais tempo, sempre. Desde a Grécia e Roma Antiga há relatos do homem questionando a falta de tempo...
No filme, também temos o homem contemporâneo vendo o tempo passar sem ter tempo de apreender todas as coisas. A figura do pai, do garoto e das mães de ambos se misturam. O tempo é circular, mas nunca pára...
As influências tchekhovianas estão por toda parte, a monotonia é mostrada de maneira muito forte também ligada a questão do tempo. Porque apesar do tempo ser implacável, tudo parece sempre a mesma coisa, seja para o pai, para o filho. O filme pergunta: Por que não nos damos conta de que é tudo igual sempre? Por que cometemos os mesmos erros?
A câmera se aproxima tanto do rosto da mãe, figura central do filme, que de repente não sabemos mais de quem se trata. A mesma atriz interpreta a mãe do garoto Aleksei e a esposa, o filme segue em um vai e vém de presente e passado e em vários momentos há uma confusão: Quem é essa? Claro que a confusão é proposital para reafirmar mais uma vez a monotonia da vida, o ciclo que segue com tudo se repetindo... O garoto chega a pronunciar a frase: "Eu já vivi esse mesmo momento. Já estive aqui antes." Uma frase que pode ser lida como alusão ao Espiritismo de Kardec, como também como a conclusão de Tarkovski de que afinal tudo sempre retorna... Somos outros, mas talvez o tempo seja o mesmo sempre.
O título "O Espelho" significa a mirada do próprio autor para dentro de si, uma busca de si. A tentativa de entender a si mesmo, seu lugar no mundo como ser humano e como artista.


"Este filme é sobre as mães, sobre sua vida difícil, cheia de esperanças, desgraças e felicidades. É também sobre nossa infância e sobre a angústia que ela nos deixou." Andrei Tarkovski

O Espelho (Zerkalo) - 1974
Direção: Andrei Tarkovski
Roteiro: Andrei Tarkovski e Alexandr Misham
Fotografia: Gueorgi Rerberg
Direção de arte: Nikolai Dvigubski
Música: Eduard Artemiev, J. S. Bach, H. Purcell, G. B. Pergolesi
Elenco: Margaita Terékhova, Filip Yankovski, Ignat Daniltsev, Oleg Yankovski, Yuri Nazarov
Idioma: russo
País: Rússia

Por Flaviuska, em 08/07/2008 Avaliação:                     10.0
Notas - Equipe
• Vlademir Lazo 7.5
• Heitor Romero 7.0
•  Média 7.3
Notas - Usuários
7.8 (95 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Espelho, O
(Zerkalo, 1975)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (3) « próximo »
• Outros comentários
• 21 Gramas (2003), por Pedro H. S. Lubschinski
• 5 Centímetros por Segundo (2007), por Pedro H. S. Lubschinski
• Conexões (2012), por Pedro H. S. Lubschinski
• Colegas (2012), por Pedro H. S. Lubschinski
• Carrie - A Estranha (1976), por Pedro H. S. Lubschinski
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO