FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

O Homem que Amava as Mulheres

(Homme qui Aimait les Femmes, L', 1977)
Por Lucas Vidal Domingues Avaliação:                 8.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

O autor que amava o amor

Em O Homem que Amava as Mulheres (L'homme qui aimait les femmes, 1977), François Truffaut justifica, mais uma vez, o seu alcunha de “cineasta do amor”. Através do protagonista (Charles Denner), um conquistador compulsivo, o diretor mostra a possibilidade de um homem se apaixonar por diversas mulheres, cada uma por um diferente motivo.

Charles Denner, vivido por Bertrand Morane, descreve honestamente suas conquistadas, que não têm uma beleza nos padrões hollywoodianos, mas sim admiráveis peculiaridades, como irresistíveis "balançares de vestido" e a forma firme de caminhar (como ele as descreve). Denner também “não é um Dom Juan”, mas o ar “circunspecto” dele garante seu charme. (como elas o definem)

Naturalmente, o herói da película trata muitas dessas mulheres como um simples objeto de prazer, o que não o torna um cafajeste ou um oportunista. Ele também se comporta como tal e é, quase sempre, sincero com elas - que simplesmente não o resistem.

Sem cair na tentação de julgar o protagonista, o que provavelmente aconteceria com um diretor menos hábil para tratar desse tema, um indecifrável Truffaut retrata a vida desse homem que busca a felicidade da sua forma, sem medo das opiniões alheias. O visual completamente casual dele vive em permanente contraste com a intensidade da sua vida interior.

Contado sob um único ponto de vista, com exceção do texto final, a película tem um tom autobiográfico, contada por um narrador cujas duas posições se fundem: o escritor do livro que o protagonista está escrevendo e o narrador do filme em si. As duas obras começam separadas e, com o decorrer dos fatos, assumem um único sentido.

Truffaut sempre buscou entender o amor, desde o tempo em que anarquizava ao lado dos colegas de Nouvelle Vague. Aqui, ele o faz, novamente, com criatividade e seu típico frescor. A aparente confusão fará todo o sentido para o espectador, ao final do longa. Ou ao final do livro?

No fim das contas, o amor retorna às cinzas, e os indivíduos são jogados à própria sorte, lambendo a poeira do chão antes habitado pelos espíritos livres que acreditavam em um sentimento que, de tão puro, talvez seja inalcançável para a raça humana. O tom melancólico do final deixa a impressão de que a desilusão amorosa seguirá deixando mortos em todos os lugares: da telona aos palcos de teatro, das moradias mais humildes aos palácios, da televisão ao meio das ruas.

Por Lucas Vidal Domingues, em 14/06/2017 Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Régis Trigo 8.0
• Silvio Pilau 8.0
• Vlademir Lazo 9.0
• Heitor Romero 8.0
• Francisco Bandeira 8.5
•  Média 8.2
Notas - Usuários
8.0/10 (83 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Homem que Amava as Mulheres, O
(Homme qui Aimait les Femmes, L', 1977)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (3) « próximo »
• Outros comentários
• A Vida de uma Mulher (2016), por walter arcela
• O Estranho Thomas (2014), por Paulo Franco
• Cinderelo sem Sapato (1960), por Paulo Franco
• A Cabana (2016), por Elvira Akchourin do Nascimento
• Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016), por Mathias Reis
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE