FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

O Segredo de Brokeback Mountain

(Brokeback Mountain, 2005)
Por Douglas Rodrigues de Oliveira Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

O diálogo para com uma plateia naturalmente oposta ao que se debate numa tela de cinema é um dos maiores desafios que um cineasta pode encontrar, não importa qual tipo de carreira ele esteja a construir. Demanda precisão, subjetividade diante de uma polêmica que vende e atrai curiosidade, é a regra artística do “muita calma nessa hora”. Porém, curioso mesmo é que o diálogo permanece sendo interpretativo como qualquer outro, não só pra existir, mas para sobreviver e fluir rumo à proposta que esteja em torno. É o que importa em um filme, não é mesmo? O não-entendimento total de quem vê, mas o de quem faz e protege as melhores cartas debaixo da manga. Se Fellini me faz lembrar que Cinema é luz, em todos os sentidos, então quem somos nós para definir o que se exibe e o que se esconde nas sombras de uma projeção, ou ainda na intenção de um cineasta? Pergunta retórica à parte, o segredo revelado a seguir está em conseguir extrair palavras do sentimento, que por sua vez deriva das imagens do filme em questão, e se desconstrói na mera lembrança do amor selvagem e puro de dois cowboys em tempos pré-Feliciano.

O pensador indiano Bhagwan Shree Rajneesh estabelece que todo desejo, sem exceção, é miséria por ser uma fantasia ligada ao futuro, e assim sendo, seres humanos alcançam a satisfação plena vivendo e vivenciando o estágio presente do tempo, sem frustrações ou expectativas senão o agora. Filosofia pé no chão que Ang Lee, famoso na época por conseguir fama e prestígio americano com um regular épico oriental (O Tigre e o Dragão), feito que Kurosawa concretizou só a partir de Ran no final do século XX, traduziu em um dégradée emocional através de suas marcas, o detalhamento estético e singelo de sempre, aqui mais necessários do que nunca, em uma fábula explícita e sensorial de ambos elementos extremos. O que de mais óbvio e sacana aconteceria com dois homens inseguros sobre si mesmos em isolamento progressivo da grande sociedade? Lee responde que no lugar natural das coisas não repousa segredos ou jardins a serem podados, nem nada para se esconder enquanto tudo permanecer em harmonia à mãe-natureza. Simples, assim.

O realizador não prova isso com os belos panoramas que promovem a vegetação palco do entrelaçamento sensível de duas almas na vastidão rústica do oeste dos Estados Unidos, mas começa a sugerir o tom com a trilha sonora de Gustavo Santaolalla; melodias de violão e violino contidas, notas sugestivas que quando estão prestes a atingir picos de som voltam rápidas a prezar pelo silêncio, como o romance captado pela câmera que narra tudo com uma roupagem reflexiva, dai o título que alguns espectadores cedem ao filme como sendo o melhor romance da década. Será?

Pretensões de lado, fato é que Lee confere equilíbrio ao seu mundo de liberdade justamente expandindo a história adentre um universo maior e fechado em si, mascarado e frio: Cheio de adversidades antinaturais, onde quase nada flui e tudo parece ser mecanizado, racionalizado demais! Essa é uma das razões para o beijo de reencontro entre Ennis Del Mar (Heath Ledger, já imortalizado antes de ser o Coringa) e Jack Twist (Jake Gyllenhaal, a bicha passiva, mas de paixão também primitiva) ser espetacular – seja pelos nossos olhos, seja pelos olhos da esposa inevitavelmente traída de Ennis, Alma (Michelle Willians, a melhor atuação do filme). Um desses raros turbilhões feitos para seus atores brilharem, mas que vão muito além disso.

Embora suas perspectivas mereçam ser degustadas, é de se notar por exemplo o farto uso de metáforas em O Segredo de Brokeback Mountain à partir de pequenos signos lineares ligados à seu contexto, como o fato de Ennis e Jack serem contratados para trabalhar ordenhando ovelhas, porque não se “vingando” de uma gente, através dos bichos, que ordenhou seus sentimentos a vida toda até suas almas se encontrarem sem rédea alguma, senão pelo limite de seus desejos. Se o Osho Rajneesh estava correto em afirmar que o topo da montanha da realização pessoal se estaciona no hoje, o ponto de vista tão bem cozinhado de Ang Lee em sua obra-prima poética e lenitiva aos males desse mundo, acaba por ser o mais autêntico e real possível, em um produto com alma, coração e mitologia que exalam do que contém, inclusive cuja força poderia ser a mesma caso fosse conduzido por personagens heterossexuais. E que brinca com o sentimentalismo e o efeito 3D emocional que certos fluxos sensoriais trazem à tona durante toda a experiência.

Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 03/09/2013 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Daniel Dalpizzolo 6.5
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 8.0
• Marcelo Leme 8.5
• Léo Félix 8.0
• Francisco Bandeira 8.0
•  Média 7.4
Notas - Usuários
7.8/10 (805 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Segredo de Brokeback Mountain, O
(Brokeback Mountain, 2005)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (19) « próximo »
• Outros comentários
• Morango e Chocolate (1994), por walter arcela
• Os Miseráveis (1998), por Joao Marco Silva Batista
• Batman & Robin (1997), por Bruno Loureiro
• Terra em Transe (1967), por Luís F. Beloto Cabral
• A Reconquista (2000), por Bruno Loureiro
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE