FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
COMENTÁRIO

Os Infiltrados

(Departed, The, 2006)
Por Guilherme Gomes Avaliação:                   9.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Este comentário visa divagar sobre as peculiaridades e qualidades que conseguem catapultar esta película junto as já consagradas obras-primas de Scorsese. Com “os bons companheiros” é explorado novamente o gênero máfia de forma a expor a organização de forma clara e concisa, junto ao desenvolvimento do personagem de Ray Liotta dentro da máfia, as influências sobre suas visões, o “ poder” registrado a icônica imagem da organização. Há uma busca de um porquê durante a película, que tenta explanar as razões do envolvimento dos personagens ( e também põe abaixo a tão superficial amizade que dá nome ao filme). Mas por que voltei à década de 90 para explicar as virtudes de Os Infiltrados? Todos estes elementos citados acima fazem daquele um filme único sobre a máfia, mas se o diretor retornasse ao gênero que se consagrou, faltava denovo à carreira de Scorsese filmes de demonstrasse a sua ousadia, visto que o diretor já vinha embalado em uma safra de filmes corretos, mas sem a personalidade do diretor ( Gangues de Nova York, O aviador).

Em sua introdução, com um simples monólogo de Jack Nicholson, imagens resgatadas sobre uma certa época em boston e ao fundo um bom ode ao velho rock( entrelaçados à uma fantástica montagem da parceira de longa data de Scorsese neste ofício, Thelma Schoonmaker) foi possível definir toda a imagem de Frank Costello, tanto sua visão sobre o que é correto como sua visão sobre a violência ( assassinatos junto à um sorriso diabólico de Jack Nicholson), e também sobre a importância do personagem: Todo o filme girará em torno dele. Mesmo com algumas subtramas, todas se direcionam ao modo que Frank controla tudo e todos ao seu gosto. O maior exemplo deles é claro, Colin Sullivan, que se mostra justamente um simples objeto ou produto que Frank usa em seu bel interesse, nunca se importando em demonstrar afeto ou alguma imagem paterna, mas esta é justamente uma das motivações de Colin a se submeter à Costello. Seja pela falta de uma imagem masculina (mora com sua avó) a curiosidade, admiração, busca por recompensa, Colin se infiltra Na Polícia Estadual de Boston para ser um informante infiltrado de Frank.
Enquanto isto, Billy Costigan aparece como um simples aspirante à carreira na polícia, mas marcado pelo passado sujo de sua família. Enquanto Sullivan é exaltado por sua jornada sem falhas, Billy é criticado. Na cena com Mark wahlberg já é mostrada a força das aparências e também como o personagem de Dicaprio irá sofrer por tentar não ser um produto de seu meio, e como sua escolha de se manter infiltrado na máfia Irlandesa irá mantê-lo sempre em uma fina base de questionamentos sobre sua própria ética, até onde é justo ele participar de crimes e práticas dentro da máfia. Este conflito de Billy é interno, demonstrado de forma visceral por Leonardo Dicaprio de forma que somente com a expressão de Billy em seus momentos angustiantes já é possível compreender, não só seus conflitos éticos, mas também de sua personalidade (tendo o tempo todo tem que se mostrar explosivo, incisivo e sem medo).

Interessante também notar as escolhas do diretor. O filme realmente começa quando o destino dos personagens principais já estão traçados, por isto o nome “The departed” em referência a decisão dos dois personagens de deixarem suas próprias identidades para partir em algo que acreditem. A fantástica montagem e fluidez da história conseguem por exemplo dar veracidade a todos os acontecimentos, ao mesmo tempo que tornam o filme dinâmico, e tornam plausível, por exemplo, a cena do primeiro diálogo de Billy com a personagem de Vera farmiga, apenas com alguns cortes intercalados demonstrando por poucos segundos o que Billy realmente faz e seu sofrimento. Esta também representa a única figura que demonstra um pouco de equilíbrio e o que lembra uma vida normal ao universo predominantemente masculino e cheio de embates tanto físicos como psicológicos de Os infiltrados.

Deixando a história um pouco de lado, e começando a falar mais diretamente sobre os elementos que regem esta obra-prima do século XXI, tornando este filme uma grande sinfonia regida pelo maestro Scorsese a qual não se destoa em nenhum minuto. Sobre atuações por exemplo, há pelo menos 3 atuações diferenciadas que se elevam a um patamar bastante alto, como Leonardo de Caprio em um soberbo e explosivo Billy Costigan; Jack Nicholson em um violento e icônico Frank costello e que consegue ainda ser engraçado em momentos únicos de humor negro ( um bom exemplo é a cena em que brinca com uma mão decepada ) sempre com novas facetas geniais que põe facilmente este entre os grandes personagens interpretados pelo velho Jack ( junto à McMurphy, Mevil Udall dentre outros); e Mark wahlberg que de forma surpreendente entrega um personagem persuasivo, sarcástico e extremamente inconveniente ( máquina de soltar a palavra fuck ou fucking a cada minuto), com personalidade forte e sempre sem deixar se corromper. Já as outras atuações estão corretas mas nunca roubam a cena. Há de se falar também sobre os diálogos extremamente inteligentes, e a montagem rápida em vários momentos, mas que nunca deixa nenhuma informação à desejar (uma das maiores qualidades do filme, porque filmes com montagens rápidas tendem a ser confusos), sempre acrescentando ao ótimo roteiro.

The departed é isto, um argumento convincente, uma execução mais do que excelente (desde a perfeita introdução até a cena final com um zoom em direção a Massachusetts State House, a qual proporciona um momento extremamente irônico) , passando por momentos brilhantes e diálogos perfeitos, mostram finalmente toda a capacidade do diretor o qual atingi o ápice de sua carreira, e consegue arriscar depois de fazer vários filmes apenas corretos.

Por Guilherme Gomes, em 06/07/2011 Avaliação:                   9.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 8.0
• Daniel Dalpizzolo 7.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 8.0
• Silvio Pilau 9.0
• Vlademir Lazo 5.0
• Heitor Romero 7.5
•  Média 7.5
Notas - Usuários
8.4 (1274 votos)
Top Usuários #113
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Infiltrados, Os
(Departed, The, 2006)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (29) « próximo »
• Outros comentários
• Frankenstein – Entre Anjos e Demônios (2013), por Cristian Diego Oliveira Bruno
• High School Band (2009), por André Vidazinha
• Sob a Pele (2013), por Vagner Ferreira
• Santos e Soldados: Missão Berlim (2012), por Vinícius Presto
• 3000 Milhas Para o Inferno (2001), por Cristian Diego Oliveira Bruno
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO