FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Paris, Texas

(Paris, Texas, 1984)
Por Pedro Degobbi Avaliação:                   9.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Este comentário revela detalhes da história do filme.

O meu reencontro com Travis, Hunter e Jane.

Assisti a Paris, Texas pela primeira vez no início de 2015. Naquele momento, era minha terceira gratificante experiência com o cinema de Wim Wenders. Dentre os 3 que eu havia assistido até então, Paris, Texas, foi certamente o que mais mexeu comigo. Confesso que não é meu favorito, mas com certeza foi o que mais me tocou.

Dois anos depois, assisti novamente a Paris, Texas. Algo dentro de mim dizia que eu precisava rever esse filme. Desde janeiro de 2015 até janeiro de 2017 (época em que revi) esse filme ficava martelando na minha cabeça, até que finalmente (e merecidamente), reencontrei Travis e sua família.

Após esse pequeno relato pessoal de introdução, vamos ao filme. Particularmente, considero Paris, Texas uma das obras mais sensíveis do cinema. Mais uma vez deixando meu lado pessoal falar mais alto, eu criei uma simpatia enorme com Travis. Era como se de alguma forma eu sentisse o vazio do personagem. Aquele vazio que já o vinha consumindo e se materializou quando partiu e deixou tudo para trás. E tudo, para Travis, eram apenas dois nomes: Hunter (filho) e Jane (mulher).

Durante boa parte do filme, não sabemos como é Jane, por onde ela anda ou o que ela faz. Sabemos apenas que mensalmente ela envia dinheiro para seu filho Hunter, que desde a partida de Travis e Jane está sob os cuidados dos tios. A primeira aparição de Jane ocorre em um momento em que Travis, o irmão, a cunhada e o filho estão assistindo a antigas fitas caseiras. É um momento misto de dor e alegria. É difícil olhar para o passado e perceber que ele simplesmente já passou. A felicidade nas fitas não condiz com o que Travis sente agora.

A trama continua e Travis tenta, aos poucos, reconquistar a confiança de seu filho e reencontrar sua ex-mulher. O vazio de Travis só seria completo quando ele reencontrasse Jane e falasse com ela novamente. O ritmo do filme flui sem pressa. Wenders não se incomoda em criar um ritmo dinâmico (até porque não se encaixaria com o estilo do filme). Um momento importante sobre essa relação de "reconquistar a confiança de Hunter" é quando Travis vai até a escola do menino para buscá-lo e levá-lo de volta para casa.

Na primeiro tentativa, ainda estranhando a presença de seu pai verdadeiro, Hunter prefere voltar de carro com um colega de classe. Na segunda, porém, Hunter aceita voltar com seu pai. Durante esse trajeto de volta não há diálogo entre os dois. Mas há sorrisos e interação. Mesmo que os dois estivessem em lados opostos da rua, eles estão conectados depois de muito tempo. E assim, dentre diversas cenas para "conhecermos" mais nosso personagem principal e depois de aproximadamente 1h30 de filme, é hora de pôr o pé na estrada e ir à procura de Jane.

Travis e Hunter (que decide acompanhar seu pai na viagem) partem em busca da mulher da vida dos dois, que está vivendo em Houston. O plano era o seguinte: viajar da Califórnia até Houston e esperar que Jane fizesse o depósito para Hunter no banco (ela sempre fazia o depósito no início do mês, então eles saberiam quando e como encontrá-la).

Hunter espera em uma posição fora do carro, enquanto Travis mantém-se no veículo; não muito afastado, pois não pode tirar o olho de Hunter. O tempo passa, e é então que finalmente Hunter reconhecesse sua mãe dentro de um carro vermelho. Entusiasmado, ele avisa ao pai rapidamente - que está meio dormindo dentro do carro. A perseguição começa e os leva até o local de trabalho dela.

Jane está trabalhando em um estabelecimento onde ela, atrás de uma cabine, "conversa" com quem está do outro lado. Os clientes conseguem ver perfeitamente a moça com quem estão se relacionando, mas tudo o que elas podem ver são o reflexo de si mesma.

Somente Travis entra no estabelecimento e pede para que Hunter fique esperando no carro. Em seguida, nasce uma das cenas mais lindas do cinema. Travis dirige-se à cabine de Jane. É difícil falar no início. Apenas Jane fala, sem saber que o pai de seu filho está do outro lado. Sem mais nem menos, Travis apenas abandona o local e deixa Jane falando sozinha. A vontade de encontrá-la novamente era enorme, mas faltou coragem para quando isso acontecesse. Mas não tem problema, ele volta lá no dia seguinte. E dessa vez, diz tudo o que tem para dizer. Vira-se de costas a ela, pega o telefone e começa a contar sua história. O relato dura em torno de 20 minutos, e como eu disse no início do parágrafo: nasce uma das cenas mais lindas do cinema.

Nesses minutos finais de filme, a história de Travis e Jane tomam conta e podemos conhecê-los melhor. É possível ver quando e como o relacionamento deles desmoronou. É complicado manter um diálogo de 20 minutos, em um mesmo cenário, com as mesmas personagens e a mesma história sem que se torne maçante. Mas Wenders, H. D Stanton e Nastassja Kinski conseguem. E como conseguiram...

Paris, Texas é um road movie que vai muito além da estrada. Traz a nós todas as alegrias e tristezas que a vida pode nos proporcionar. Se em muitos filmes a felicidade é o que há de mais belo e confortante, em Paris, Texas, a tristeza é o que há de mais verdadeiro.

Por Pedro Degobbi, em 30/06/2017 Avaliação:                   9.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 8.0
• Rodrigo Cunha 9.0
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 9.0
• Heitor Romero 10.0
• Marcelo Leme 10.0
• Bernardo D.I. Brum 9.5
• Guilherme Bakunin 10.0
• Rafael W. Oliveira 9.0
• Léo Félix 7.5
• Francisco Bandeira 9.5
• Felipe Leal 9.5
•  Média (Top Editores #37) 9.0
Notas - Usuários
8.5/10 (341 votos)
Top Usuários #98
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Paris, Texas
(Paris, Texas, 1984)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Comentários deste filme
« anterior » todos (6) « próximo »
• Outros comentários
• Ratos em Nova York (2002), por Bruno Loureiro
• Joaquim (2017), por Felipe Lima
• Okja (2017), por Felipe Lima
• Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2017), por Felipe Lima
• Em Ritmo de Fuga (2017), por Felipe Lima
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE