FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Quadrilha Maldita

(Day of the Outlaw, 1959)
Por Ravel Macedo Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Talvez o melhor faroeste de André De Toth seja justamente este no qual abdica da violência para exatamente se utilizar de sua ausência para dar tom a obra. A história é mínima: uma pequena vila, com umas duas dúzias de habitantes está em tensão devido aos desentendimentos internos com o arrogante personagem de Robert Ryan, Blaise Starrett, porém de repente são rendidos por um bando perigoso que procura abrigo durante uma fuga. Estabelecida a situação resta a todos apenas esperar.

E boa parte do filme se dá pela espera, não se sabe o que irá acontecer, o roteiro, de Philip Yordan, colaborador de Anthony Mann e que permeou o western em sua época durada, brinca de sugerir a violência desde o primeiro diálogo, ainda quando um embate armado entre Starrett e um dos rancheiros está iminente. Quando se imagina a explosão do confronto, o bando interrompe e a tensão criada freia o avanço, ressurgindo numa nova atmosfera, mais pesada e ameaçadora.

E o cenário se estabelece este, a cada nova ameaça surge a expectativa, a narrativa se sustenta pela espera e pela ausência da violência que permanece limítrofe a cena. Os diálogos e os olhares acabam por manterá a atmosfera apenas dessa maneira, a espera, o anseio, a tensão, a imposição dos corpos, sem falar dos recursos naturais, utilizados por De Toth, eficientemente, como elemento enclausurador, que rima com a frieza da situação que nunca se exalta, nenhum tiro é disparado.

Mas após a invasão dos criminosos ao local, os antes “rivais” agora encontram-se na mesma condição, de reféns, responsáveis por livrar a vila da ameaça. Assim então nosso protagonista se revela improvável herói, uma vez suposto vilão, percebe ele que apenas si próprio, cabendo-se de sua astúcia tem a capacidade fazer o que é necessário. E neste arco se resolve esta obra extremamente atmosférica de De Toth, que não inclui qualquer julgamento sobre a índole ou moral do personagem, para quem enxerga sua virada com uma redenção, não trata-se disto, ele abraça a causa pois aquela terra era sua terra.

Por Ravel Macedo, em 25/11/2017 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 7.0
•  Média 7.0
Notas - Usuários
8.1/10 (18 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE