FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Renegados Até a Última Rajada

(Thieves Like Us, 1974)
Por Luís F. Beloto Cabral Avaliação:                 8.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Este comentário revela detalhes da história do filme.

Renegados Até a Última Rajada é assombrado pelo american way of life da metrópole. Estes é veiculado principalmente pela programação paralela do rádio que embala a maior parte das cenas. As radionovelas, anúncios e canções tornam-se espectros de um ideal adocicado de materialismo e consumo: o fantasma da sociedade industrial e consumista assombra esse mundo rural que também é vendido como um lugar de pacificidade e harmonia. Mas a resposta de Altman ao comercial de Coca-Cola é uma realidade bruta e monótona, no qual as cores vibrantes da publicidade dão lugar a uma palheta cinzenta e nebulosa. O dinheiro não acrescenta qualquer cor ou textura a esse universo, independente do número de bancos assaltados pelos protagonistas, e não à toa Altman filma os assaltos num plano geral distante e praticamente estático, com pouquíssimos resquícios do jogo de polícia e ladrão dos faroestes clássicos. O próprio chalé Biedermeier do casal protagonista é dissolvido pelo claro-escuro das cenas noturnas, até praticamente desaparecer na tela.

Mas o american way of life ainda está ali, mesmo que sob outra configuração. Os espectros se corporificam nas garrafas de Coca-Cola jogadas pela casa ou pelas peças de propaganda espalhadas pela cidade e nos cenários mais inusitados como o banner da prisão. Detalhes como os papéis de parede e as cortinas em xadrez branco e vermelho presentificam um ideal cenográfico e um estilo de vida, mesmo que concomitantes aos ambientes bagunçados e carcomidos das casas e às lâmpadas elétricas quentes que quebram com qualquer pitoresco ou afetação. As personagens femininas exemplificam bem essa ambiguidade. A cabeleireira Lula torna-se uma caricatura da vénus platinada com seus cabelos super tingidos e o batom forte que suja o rosto dos rapazes, e a Keechie de Shelley Duvall segue de forma quase ingênua o ideal de beleza e consumo aprendido com as revistas, mesmo não correspondendo em nada ao padrão de beleza das baby dolls.

No entanto, Altman não está ali para expor o ridículo. No plano em que Duvall se contempla no espelho com metade do cabelo enrolado e a outra presa nos bobes vemos mais uma imagem de hesitação do que de paródia. Altman enxerga a dignidade trágica das personagens em suas respostas às promessas vazias de uma América em crise - promessas que elas e somente elas devem preencher com um significado. O papel de parede colorido e o penteado da última moda não precisam ser vistos como mera sujeição à propaganda. Eles são uma agência: estão lá por uma decisão de gosto ou estética. Se a cortina xadrez deixa o ambiente mais sofisticado ou minimamente mais deleitoso, por que não utilizá-la? As personagens não reproduzem a publicidade: elas mesmas a tensionam o tempo todo até criarem uma nova estética, esse híbrido estranho e ao mesmo tempo aconchegante entre o kitsch e o grosseiro. Altman explora até o potencial cômico dessa apropriação, quando Duvall solta argolas de fumaça na cama ao lado do companheiro enquanto escutam o programa adocicado de Romeu e Julieta. Há uma divergência cômica entre um e outro ainda que em essência tratem-se ambos de uma história de amor.

Não que essa construção dissipe o destino trágico das protagonistas. A ironia mordaz da coberta de retalhos transformada em mortalha sela bem que as relações de poder ainda são determinantes em quem serão os vencidos e os vencedores. Isso é dado desde o começo, quando Altman diminui as personagens nas paisagens nebulosas do interior, em uma cena de suposta promessa de liberdade. Mas lembremos igualmente da resistência. Se ainda somos mortos pelo capital ou a exploração, que sejamos embrulhados em nossas mantas e cores e não nos sacos plásticos do algoz.

Por Luís F. Beloto Cabral, em 16/06/2017 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Vlademir Lazo 8.5
• Heitor Romero 8.0
• Marcelo Leme 7.0
• Francisco Bandeira 8.0
•  Média 7.9
Notas - Usuários
7.6/10 (24 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE