FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Rosa Luxemburgo

(Rosa Luxemburg, 1986)
Por Mateus da Silva Frota Avaliação:                 8.5
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

De mulher para mulher: Rosa Luxemburgo e Margarethe Von Trotta, a diretora alemã conhecida por seus filmes feministas, isto é, que colocavam a mulher no centro das atenções nos filmes que dirigia, suas relações com maridos, irmãs, filhas e netas, acabou seguindo um projeto antigo de um velho amigo, Rainer Werner Fassbinder, de fazer um filme sobre a maior figura revolucionária da história de toda a Alemanha. Rosa Luxemburgo está para as mulheres marxistas como Karl Marx está para os homens do movimento. Foi imprimindo a sua pessoalidade ao roteiro e a figura de Rosa como mulher lutadora e importante para a sua sociedade, que nasceu este belíssimo trabalho.

O filme é bastante feliz e fidedigno ao retratar o sofrimento do operário mundial de 1900, bem como a força macabra e expressiva da polícia assassina alemã, que daria espaço para o que chocou o mundo anos depois, com a Gestapo Nazista de Adolf Hitler e sua máquina de moer gente. Von Trotta consegue falar sobre outra figura feminina muito importante e com uma delicadeza ímpar: a sua Alemanha. Ela não se abstém a narrar apenas os acontecimentos de 1918 e 1919, a parte mais importante da revolução alemã, que não triunfou como ocorrera na Rússia Soviética de Lênin e Trotsky. Quem assiste este exemplar de 1986 - que até hoje segue como “o filme” sobre a revolução alemã, por ver na figura de Rosa a sua principal expressão – e sabe o que era a Alemanha algumas décadas antes, e que provavelmente sabe o que viria a ser a Alemanha algumas décadas depois, com o florescer do Terceiro Reich, e todo o seu aparato de Estado assassino, consegue compreender nuances únicas aqui. Os problemas policiais, o estado que aprende a assassinar figuras populares sem o menor pudor, a desvalorização da vida – qualquer que seja, a falta de ânimo após a derrota na Primeira Guerra Mundial, a luta de classes, o aparato judicial vendido para grandes figuras políticas – a lei em segundo lugar.. Tantas coisas.

Se Margarethe Von Trotta sofrera preconceito em plena década de 1970 por ser mulher e tentar “fazer filmes sérios”, o que restaria para uma mulher, no mesmo país, em 1919, tentar fazer uma revolução e dizer-se libertadora do povo internacional? O que separou Rosa de Trotta foram alguns anos, e talvez algum certo tipo de radicalidade teórica e de ação, porque ambas estiveram em pleitos decisivos para o seu gênero e ideal.

Anos depois, em 2012, tanto Barbara Sukowa quanto Von Trotta voltariam a vidrar os olhos do mundo para um trabalho com essa dupla, no filme de Hannah Arendt, filosofa judia. Mesmo que este segundo seja mais conhecido internacionalmente – provavelmente foi mais visto por ser um mundo mais globalizado e de mais fácil acesso aos filmes, é em Rosa Luxemburgo, que me parece que certos objetivos exemplares foram atingidos.

Eu falo muito em representações e objetivos, é verdade, mas antes disso, em assuntos mais técnicos que políticos, mais interiores do que exteriores, a Rosa como cinema artístico também é experto. Sua encenação de época, contida na maioria do tempo em ambientes internos, isto é: louças, mesas, toalhas, roupas, sapatos, vidraças, talheres, brincos, anéis etc. É bastante perfeita. Sempre penso que um filme histórico é mais potente feito na região de origem em que ele fala e com atores da origem em que ele fala (por exemplo: um filme sobre o nazismo alemão é mais potente feito na Baviera com atores de lá do que em alguma produção Hollywoodiana), e mais ainda, com a proximidade do que fala (por exemplo: um filme sobre a sociedade dos Estados Unidos em 1930 vai ser mais fiel visivelmente feito em 1960 do que feito em 2010). Claro que isso tudo depende da produção e do engajamento técnico dos artistas, não só da época e do lugar, mas é difícil que qualquer outro filme sobre Rosa supere a sua simplicidade grandiosa, exatamente assim, nessa contradição, entre o que é cru e o que é charmoso.

Cada vez que a fundadora da Liga Espartaquista falava, com a sua presença de palco e dicção específicas, cada detalhe em cena parecia relevante: um símbolo vermelho, uma bandeira com seus bordões específicos e cada ouvinte atento na plateia, que muito me chamaram a atenção, por suas diversidades de roupas. Geralmente nesses filmes históricos, numa cena de conglomerados, os homens e mulheres são bem parecidos, aqui não, e isso é bem importante.

A opção por mostrar cenas históricas verdadeiras, como em um documentário, dá uma realidade presente da contextualização abordada. Principalmente quando Rosa e uma amiga, ao andarem na neve, presenciam um treinamento militar que mostra que a guerra se torna cada vez mais inevitável. A semelhança dessa cena filmada com as cenas mostradas através de arquivos históricos, traz um medo presente na figura de Rosa e do quanto ela queria que nada daquilo acontecesse.

Apesar de grandioso, é claro que faltam passos dados pela biografada. Muitos foram os historiadores e leitores das teorias de Rosa que sentiram falta de alguma de suas lutas mais importantes, seja os sindicatos, a educação ou mesmo a proximidade que tinha com revolucionários russos como Vladimir Lênin e Leon Trotsky, ainda que os criticasse muito.

Mas é isso mesmo, a própria cineasta dissera que tentaria levar uma visão diferente e mais pessoal do que pretendia Fassbinder, que morrera em 1982, e de fato ela o fez. Cadenciando poesia, política, vida amorosa e conflitos interiores, aqui temos um bom cinema.

Por Mateus da Silva Frota, em 06/03/2019 Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
•  Média -
Notas - Usuários
7.3/10 (8 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Rosa Luxemburgo
(Rosa Luxemburg, 1986)
 MAIS COMENTÁRIOS
• O Apostador (2014), por Jonas Bettencourt Soares
• [REC] 2 - Possuídos (2009), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
• Um Limite Entre Nós (2016), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
• Pretérito Perfeito (2006), por Bersilionin Gonçalves Costa Junior
• Nós (2019), por Gabriel Parente de Almeida
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível