FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

The Cloverfield Paradox

(Cloverfield Paradox, The, 2018)
Por Vagner Ferreira Avaliação:             6.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Quem for procurar avaliações sobre o terceiro filme relacionado com o mesmo nome/tema, “Cloverfield”, “O Paradoxo Cloverfield”, dirigido por Julius Onah, encontrará uma enxurrada de críticas pesadas, de notas baixas e de comentários mordazes à essa produção da Netflix. Primeiramente, devemos destacar que o filme de Julius Onah apresenta uma produção com ares ou estrutura maiores do que seus predecessores. A começar pelo elenco, que conta com nomes como Daniel Brühl, Gugu Mbatha-Raw e Zhang Ziyi, passando pelo cenário, pois a grande maioria das cenas se passa em uma estação espacial em órbita da Terra. Além do que, dessa vez o filme da franquia veio chancelada pela Netflix, produtora que acumula decepções cinematográficas.

A história de “O Paradoxo Cloverfield” começa, e se estrutura, em uma crise mundial de energia que obriga os cientistas a tentarem desenvolver uma fonte de energia infinita a partir de um acelerador de partículas. Para tanto, conscientes dos possíveis riscos, decidem realizar os testes em uma estação espacial (Cloverfield). À sombra desses testes, aparece um escritor que publica o livro “O Paradoxo Cloverfield”, apontando os perigos daquele experimento com o acelerador de partículas.

De fato, a premissa que norteia o roteiro é um tanto interessante (por que não, inovadora!?). Os perigos da colisão entre dois universos paralelos podem ser vistos como um alento para continuarmos acreditando na criatividade dos roteirista de ficção científica. Mesmo que muitos espectadores pareçam ter se decepcionado, podemos sim apontar algum mérito na forma como os três filmes se encadeiam, pois, é preciso entender que essa “franquia”, pelo menos ainda, não revela grande preocupação em “explicar tudo” para satisfazer as reivindicações de um público que só exige não ser exigido. Por outro lado, em alguns momentos, parece que “O Paradoxo Cloverfield” deixa sua inventividade de lado para ser comum (especialmente nas mortes das personagens, quando parecia que a estação espacial havia sido atacada por alguma entidade), ou melhor, mais comercial do que seus antecessores (culpa da Netflix?).

Muitos comentários negativos sobre o filme de Onah, sobretudo quando comparando aos outros dois da “fraquia Cloverfield”, esqueceram de analisar que “O Paradoxo Cloverfield” parece errar naquilo que os seus antecessores acertaram: o desenvolvimento da história e das personagens. Se os outros filmes contavam com poucos personagens e com uma narrativa episódica sobre a vida deles, em “O Paradoxo Cloverfield” temos uma narrativa mais extensa e complexa, o que certamente demandaria mais tempo e maior imersão nos personagens. Além do que, a película carecia de mais apuro na construção do roteiro, não para que fizesse sentido com a realidade, mas para ser verossímil no interior da própria história (a cena do braço decepado e a do reaparecimento da bússola são os melhores exemplos disso).

Por outro lado, a despeito das falhas que o filme de Julius Onah apresenta, é inegável que ele constrói e mantém o clima de tensão e mistério (parece que o filme derrapa de fato quando tenta também ser um filme de terror). A respeito da ojeriza que “O Paradoxo Cloverfield” parece experimentar, é estranho como alguns filmes tendem a ter suas falhas perdoadas mais facilmente pelo público, enquanto outros não. A melhor hipótese que consigo pensar é que são perdoados os filmes que conseguem cumprir aquela exigência do público aludida no início desse texto. Talvez esse tipo de análise e reação, comum com muitos filmes que retomam ou dão continuidade a outro, se fundamenta demasiado na expectativa criada.

De fato, comparando com seus antecessores da “franquia”, no filme de Julius Onah predomina o caráter de ficção científica (nos outros predominava o drama ou o thriller). O retrato dos problemas da Estação Espacial Cloverfield nos lembra outros filmes em que uma tripulação espacial passa por complicações e mortes estranhas, porém, na obra de Onah, não é a causa desses problemas a base do mistério (sabemos logo o que houve: o paradoxo Cloverfield), mas sim para onde eles levarão a tripulação e como ela os enfrentará (por isso a necessidade de trabalhar melhor a construção das personagens).

Se esteticamente “O Paradoxo Cloverfield” não procurou ser inventivo como o primeiro da série; se, também, não conseguiu superar o segundo como thriller (nem parece haver a intenção de superá-los nesses aspectos), foi na constituição da história de ficção científica – inventividade, independência e seriedade – que o filme de Onah se destaca. Não é preciso se assistir aos outros filmes da “franquia” para acompanhar “O Paradoxo Cloverfield”, mas, parece que só se pode compreender a “franquia” se assistir ao filme de Onah. Seria ignorância ou teimosia não reconhecer o mérito dessa película por ter conseguido esse feito. Se, de fato, era a isso que “O Paradoxo Cloverfield” originalmente se propôs, não há por que não reconhecer acertos no filme. Ele só falhará desastrosamente se sua intenção tiver sido outra, ou que o espectador já tivesse uma diferente pré-definida.

Por Vagner Ferreira, em 09/04/2018 Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Heitor Romero 3.0
• Felipe Leal 0.5
•  Média 2.8
Notas - Usuários
4.4/10 (48 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 The Cloverfield Paradox
(Cloverfield Paradox, The, 2018)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Topázio (1969), por Paulo Franco
• Podres de Ricos (2018), por Victor Mendonça
• Infiltrado na Klan (2018), por Victor Mendonça
• Aquaman (2018), por Andre Luiz Tonon
• O Touro Ferdinando (2017), por Eduardo Gomes Beserra
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE