FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
COMENTÁRIO

Venom

(Venom, 2018)
Por Sergio Gregorio Araujo Silva Avaliação:             6.0
Este comentário é recomendado pela equipe Cineplayers.

Há 15 anos atrás, ninguém poderia imaginar que os super-heróis dominaram o cinema, sobretudo, os super-heróis da Marvel, que antes do lançamento de X-Men (2000), não tinha sido responsável por nenhum filme de super-herói realmente interessante, diferente da concorrência DC Comics, já que Batman e Superman eram não apenas ícones dos quadrinhos, como também do cinema.

No início dos anos 2000, a Marvel foi começando a construir o seu império no cinema com as franquias X-Men e Homem-Aranha, que na época, eram os personagens mais populares da editora.

A própria Marvel acabou gerando três franquias principais: O Universo Cinematográfico Marvel (MCU), produzido pelo Marvel Studios e pela Disney, o Universo X-Men, produzido pelos estúdios Fox, e a franquia Homem-Aranha, produzido pela Sony. E mesmo que o sucesso do MCU seja colossal, é inegável que essa franquia nem existisse se não fosse pelas inovações das outras duas franquias.

O universo do Homem-Aranha foi de suma importância para cultura pop e para os filmes de super-heróis, é inegável que a franquia se perdeu no começo desta década com a iniciativa conhecida como “O Espetacular Homem-Aranha”, mas com o acordo feito com a Marvel, que possibilitou uma nova fase para o personagem nos cinemas, desta vez integrando o MCU, a Sony optou por reviver a franquia do teioso nos cinemas, mas sem o teioso.

Venom é o primeiro fruto desta nova empreitada conhecida como “Sony’s Universe of Marvel Characters” (SUMC em inglês, ou ainda “Universo Sony de Personagens da Marvel” em tradução livre). E como primeiro capítulo da SUMC, podemos afirmar que Venom é um tanto decepcionante, considerando o fato de que esse é o primeiro filme de uma nova franquia.

A trama é bem simples, Eddie Brock atua como jornalista em São Francisco, até que passa a investigar uma empresa Vida, que trabalha com biologia alienígena. Durante a investigação, o jornalista acaba infectado por um parasita conhecido como simbionte, o que lhe concede poderes especiais.
Os pesquisadores do Instituto Vida procuram uma forma dos seres-humanos poderem viver fora da terra, e acreditam que o processo de parasitismo dos simbionte em hospedeiros humanos seja a melhor forma de se alcançar tal objetivo. Contudo, a maior dificuldade é encontrar um hospedeiro humano compatível com o simbionte, já que a incompatibilidade pode ocasionar na morte tanto do hospedeiro, quanto do parasita.
Brook e Venom se tornam compatíveis um com o outro, tornando-se alvos valiosos para a corporação Vida.

De fato, a trama é bem simples, nada original e, conforme o filme avança, a trama vai fazendo menos sentido, mas é difícil falar sobre isso sem cair no campo do spoilers, mas existe um motivo para que os simbiontes tenham sido encontrados pelo cientistas do Instituto Vida.

O melhor do elenco é o próprio protagonista, Tom Hardy, que consegue fazer fazer um Eddie Brook que, embora não convença como jornalista, é um homem de princípios bem diferentes de seu parasita Venom, que é ambicioso e cruel, como o próprio ator demonstra no trabalho de voz.
Michelle Willians parece muito mais a vontade no papel de Anne Weying, que se mostra um par romântico eficiente e ainda protagoniza um interessante fan-service.
O vilão, protagonizado por Riz Ahmed, apesar de caricato em muitos momentos, o personagem tem uma motivação muito boa, além do ator esbanjar charme.

O maior destaque do filme é a sua dupla de protagonistas, sim, dupla! Pois Eddie Brook e Venom são personagens diferentes, apenas dividem o mesmo corpo. Cada um possui suas próprias particularidades, personalidade e até mesmo senso de humor.
São nesses momentos em que o filme brilha! Pois a parceria entre os dois personagens é inusitada e gera os momentos mais divertidos do filme, como a cena do prédio.

Outro aspecto positivo é o visual do Venom, que consegue ser intimidante, assustador, carismatico e nojento ao mesmo tempo.

Apesar de suas virtudes, o longa possuem muitos problemas, como o ritmo. Demora muito tempo para que o personagem-título finalmente dê as caras, e quando o faz, não é tão impactante quanto deveria. Antes da aparição, o filme mostra bastante sobre a vida de Eddie Brook, que é interessante e desnecessário.

No decorrer do longa, o personagem aparece mais vezes, contudo, as cenas de ação são repetitivas, mal filmadas, escuras, cheia de fumaça e bastante picotadas, incluindo a batalha final, que contém excesso de CGI, apesar de alguns frames em câmera lenta dignos de um wallpaper.

No geral, Venom é um filme sem criatividade e que soa desnecessário, pois, tirando a relação entre a dupla principal, o longa não apresenta nada que já não tenha sido mostrado antes e melhor em outros filmes do subgênero.

Agora nos resta aguardar para saber os próximos dos filmes do SUMC, podem surpreender, já que, pelo que foi nos mostrado na cena pós-crédito, Venom é apenas o começo.

Por Sergio Gregorio Araujo Silva, em 04/10/2018 Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 4.0
•  Média 4.0
Notas - Usuários
4.7/10 (20 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Cineplayers não se responsabiliza pelo conteúdo deste comentário. Ajude-nos a manter a integridade do conteúdo. Se você tiver provas de cópia ou plágio do texto, entre em contato conosco, denunciando (passe o link do material original).
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Venom
(Venom, 2018)
 MAIS COMENTÁRIOS
• Ladrões de Bicicleta (1948), por André Oliveira de Araujo Ferreira
• O Príncipe do Natal (2017), por Victor Mendonça
• O Grande Truque (2006), por Matheus Darswik
• Venom (2018), por Sergio Gregorio Araujo Silva
• O Segredo dos Seus Olhos (2009), por Matheus Darswik
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE