FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

3 Faces

(Three Faces, 2018)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:                 8.5
O olhar sempre humanista de Panahi.

Famoso por obras premiadas dos anos 90 como O Balão Branco e O Espelho, o cineasta iraniano Jafar Panahi é um caso sem igual no cinema. Condenado a um banimento cinematográfico em 2010 por “propaganda contra o regime”, Panahi chega em 3 Faces ao quarto filme pós-condenação, após os elogiados Isso Não é Um Filme, Cortina Fechada e Táxi Teerã.

Panahi sempre teve seus filmes ligados em maior ou menor grau a temas políticos, e em 3 Faces o caso não é diferente. Na obra que venceu o melhor roteiro em Cannes 2018, o diretor novamente se coloca como ator e personagem que observa o próprio país. E é fácil identificar os temas que o diretor se adereça aqui: tradicionalismo e machismo. 

Junto com a atriz Behnaz Jafari (Uma Família Respeitável), também interpretando ela mesma, o diretor conduz seu carro pelo interior do Irã em busca de uma garota que aparentemente cometeu suicídio em vídeo enviado pelos dois. Segundo a mesma, seu sonho era ser atriz mas sua família, seu noivo e sua vila viam a questão com maus olhos.

Como poucos países no atual cenário cinematográfico, o Irã e seus cineastas traduziram as crises narrativas e representativas da virada do século, levando adiante o legado neorrealista (personagens realistas, locações naturais, misto de profissionais e amadores no elenco) adicionando um toque próprio que, enquanto cria uma representação de realidade, questiona o ilusionismo inerente ao cinema.

Justamente por isso, a narrativa ficcional proposta aqui - o road movie de busca por uma pessoa - é entremeada de conversas e momentos não previstos, com a câmera filmando ambas as situações roteirizadas e espontâneas com igual interesse, seja a inusitada situação do vídeo levada em uma mescla de drama social e humor bizarro, seja ouvindo os curiosos depoimentos dos passantes que se penduram na janela e compartilham suas vidas e pensamentos, oferecendo visões de mundo ao serem solicitados por informação.

A temporalidade da câmera de Panahi é outro fator a ser considerado aqui. Em mais de uma sequência, a mais marcante sendo a primeira após a introdução, Panahi e Jafari conversam entre si e falam ao telefone enquanto dirigem na estrada e depois estacionam, com a câmera seguindo a atriz, parando quando a mesma para, girando sobre o próprio eixo enquanto a atriz circunda o carro. Uma sequência de encenação praticamente desorientada para representar o estado emocional também confuso dos personagens. Se o cinema é emoção e afeto, esse afeto também é tempo e espaço, e mesmo uma cena predominantemente contemplativa também pode ser nervosa. 

Na introdução, onde a garota filma com a típica câmera de celular (o selfie vertical), mora a pergunta chave a ser respondida no resto do filme. A partir do momento em que a questão torna-se determinar a veracidade do suicídio, pergunta-se o que é realismo. Onde está a produção, o truque, o corte da montagem que faz a realidade se separar da representação? 

É uma questão integrada à misé-en-scene no desenrolar da obra que torna-se um tanto difícil de responder: a imagem não recebe um tratamento de estilo, a câmera se demora na natureza, nos animais, nas estradas, nos olhares coadjuvantes. Não temos muitos cortes, a imersão em uma rotina não-urbana e na compreensão dos seus costumes é profunda. Existe um discurso sobre o real e sua mimese, mas como Panahi mostra o próprio cinema possui linhas que o dissolvem, quebram e reconfiguram numa nova ficção autoconsciente.

Justamente por buscar seus protagonistas entre os oprimidos das velhas narrativas concedendo-lhes narrativas modernas que Panahi e outros cineastas iranianos, por suas preocupações político-sociais e humanistas sobre a imagem, continuam na vanguarda do cinema mundial. E 3 Faces é só mais um exemplo disso.

Filme visto no Festival de Cinema do Rio de Janeiro
Por Bernardo D.I. Brum, em 07/11/2018
Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 8.5
•  Média 8.5
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 3 Faces
(Three Faces, 2018)
• Direção:
- Jafar Panahi
• Elenco Principal:
- Behnaz Jafari
- Jafar Panahi
- Marziyeh Rezaei
• Sinopse: Três atrizes em diferentes etapas de sua carreira. Um de antes da Revolução Islâmica de 1979, uma estrela popular de hoje conhecida em todo o país e uma jovem que deseja participar de um conservatório de teatro.
 FILMES RELACIONADOS
• O Balão Branco
• O Espelho
• Táxi Teerã
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE