FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

A Bela e a Fera

(Beauty and the Beast, 1991)
Por Heitor Romero Avaliação:                   9.0
O 3D nada acrescenta, mas A Bela e a Fera continua um espetáculo atemporal.

Os contos de fadas formam uma tradição milenar de histórias de teor fantasioso que foram sofrendo mudanças graduais com a passagem dos séculos. Poucos sabem, mas seu público-alvo antigamente era o adulto. Tramas geralmente carregadas de temas fortes, como adultério, estupro e vingança, foram aos poucos sofrendo amenizações até que o público infantil reconhecesse nelas algo com o qual se identificar. Hoje esses contos são exclusivamente voltados para as crianças, e um dos maiores responsáveis por essa infantilização sempre foi a Disney, que fez sua fama adaptando fábulas antigas, auxiliando nesse processo contínuo de mudanças. Se, no início da carreira, a Disney fez sucesso com clássicos açucarados, como Branca de Neve e os Sete Anões (Snow White and the Seven Dwarfs, 1937), Pinóquio (Pinocchio, 1940), Cinderela (Cinderella, 1950) e A Bela Adormecida (Sleeping Beauty, 1959), com o tempo ela própria percebeu que já estava na hora modificar algumas tradições nesses enredos românticos. A primeira tentativa de fazer algo mais jovial e menos clássico foi nos anos 1980 com A Pequena Sereia (The Little Mermaid, 1989), um grande sucesso de público. Mas foi somente com A Bela e a Fera (Beauty and the Beast, 1991) que finalmente a Disney encontrou o ponto certo entre o tradicional e o diferente, conquistando e reconquistando legiões de fãs.

A razão do enorme sucesso de A Bela e a Fera deve-se à forma como conseguiu se conectar com o público infantil da época sem precisar abrir mão dos elementos mais tradicionais de um conto de fadas ao estilo Cinderela. Na verdade, seu maior segredo foi simplesmente inverter alguns papéis dentro de um enredo estruturado em cima do que há de mais convencional em uma animação. Engloba tudo o que se preze para um conto de fadas dar certo: o mocinho e a mocinha, o vilão, os objetos e animais magicamente falantes e inteligentes, a feiticeira e seu feitiço que precisa ser quebrado antes do cumprimento de determinado prazo. A diferença se encontra na posição em que cada um desses personagens é colocado. Bela, ao contrário do que costuma acontecer, é a heroína da história e precisa salvar o seu príncipe. Fera, que deveria ser um príncipe encantado belo e inteligente, na verdade é um monstro repulsivo que necessita de salvação. Seus papéis foram trocados e isso gera uma trama que valoriza de maneiras diferentes a figura de príncipe e princesa, e ainda conta com uma narrativa dinâmica e divertida, com direito a muitos números musicais e cores vibrantes.

A história é conhecida por todos. Um príncipe avarento e egoísta, que só sabia olhar a beleza externa das pessoas, é amaldiçoado por uma feiticeira e transformado num monstro medonho. Sua única chance de voltar à forma original é conquistando o carinho verdadeiro de uma moça, que seja capaz de amá-lo independente de sua aparência repulsiva, antes que a última pétala de uma rosa mágica venha a cair. Depois de perder todas as esperanças, Fera conhece Bela, uma camponesa introvertida e sonhadora pela qual se apaixona. Resta saber se Bela será capaz de retribuir o amor de um monstro.

Com base nesse ponto de partida onde o mocinho é colocado na posição de vítima indefesa, embora caracterizado como um monstro grotesco, e a mocinha é colocada na posição de heroína capaz de reverter o processo de maldição imposto pela feiticeira, A Bela e a Fera acaba encontrando seu ponto de originalidade e nos oferece uma linda história de amor baseado na beleza interior das pessoas. Contudo, jamais abre mão da magia que os antigos musicais do cinema sempre exerceram sobre o espectador. Trata-se de um trabalho preocupado em se conectar com seu público através de uma roupagem moderna, mas não sem antes apresentar a este mesmo público aquela mágica presente em animações da época da vovó. Por conta disso, conquistou pessoas de todas as idades, não parecendo infantil e chato demais para os adultos, nem ultrapassado e cafona para as crianças.

A ligação que esta animação construiu com seu público-alvo é seu grande ponto forte. As fábulas e contos infantis sempre tiveram como objetivo proporcionar às crianças não apenas uma diversão passageira, mas sim ajudá-las a projetar seus pequenos conflitos internos em histórias fantasiosas e aventureiras, se espelhando em algum dos personagens da trama e podendo assim encontrar nas atitudes de tal personagem uma resolução para suas dúvidas e anseios. Esses contos têm o poder de dar forma a sentimentos que muitas vezes as crianças nem mesmo sabem definir, mas que existe lá dentro delas se manifestando de alguma forma. Por materializarem esses sentimentos abstratos e torná-los palpáveis, solucionáveis, eles acabam marcando a criança de uma maneira muito mais profunda do que uma diversão qualquer.

Por conta de todo seu sucesso entre crítica e público, A Bela e a Fera fez história ao ser a primeira animação indicada ao Oscar na categoria de Melhor Filme, marco que só seria novamente alcançado mais de uma década depois com Up – Altas Aventuras (Up, 2009). Mais que isso, lançou base para trabalhos interessantes da Disney que também viriam a fazer muito sucesso, como Aladdin (idem, 1992) e O Rei Leão (The Lion King, 1994). Juntamente com Toy Story (idem, 1995) e O Rei Leão, talvez seja a animação mais importante da década de 1990. Seu relançamento nos cinemas é uma estratégia de marketing da Disney para fazer dinheiro, já que não foi projetado para ser exibido no formato 3D, tornando a iniciativa bastante inútil. Mas, por outro lado, é uma oportunidade para a nova geração de crianças conhecerem o estilo mais clássico dos desenhos antigos, e para os papais, titios e vovós relembrarem um pouco dessa época.

Com o tempo, as animações computadorizadas e o avanço da tecnologia fizeram de filmes no estilo de A Bela e a Fera algo ultrapassado, tanto na questão da técnica e da imagem, como também em seu enredo. As histórias de princesas já não fazem mais tanto sucesso atualmente, e o grande foco das produtoras é criar cada vez mais desenhos super inteligentes e criativos, de cunho pedagógico que conscientize as crianças dos problemas do mundo, mas talvez nem sempre com o mesmo coração. Por mais nostálgico que possa parecer, é essencial que produções voltadas para o público infantil se preocupem não apenas no entretenimento, mas também em marcar de alguma forma seu público-alvo. Com a enxurrada de animações que são lançadas a cada ano, é triste notar que nem metade tenham verdadeiro sentimento e conexão real com o universo infantil, e a maioria acaba caindo no esquecimento cedo ou tarde. Mas filmes como A Bela e a Fera nunca serão esquecidos. Posso afirmar isso, pois, quando saí da sessão de cinema, pude ver um sorriso sincero no rosto de todas as crianças que saíam da sala acompanhada de seus pais - assim como acontecia comigo quando eu tinha a idade delas. E tenho certeza de que se lembrarão dessa sessão durante muito tempo. 

E numa estação como a primavera
Sentimentos são como uma canção
Para a Bela e a Fera

Por Heitor Romero, em 05/02/2012 Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Rodrigo Cunha 9.0
• Régis Trigo 6.0
• Demetrius Caesar 7.5
• Heitor Romero 9.0
•  Média 7.7
Notas - Usuários
8.0 (520 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (10)
Por Vinícius Aranha, em 06/07/2012 | 22:00:12 h
Também não acho tão bom assim. Prefiro Atlantis.
Por Marcus Almeida, em 17/02/2012 | 10:38:23 h
Aquém do que esperei. Achei extremamente maniqueísta, corrido, e o Gaston é patético, mas é lindíssimo visualmente.
Por Adriano Augusto dos Santos, em 06/02/2012 | 09:26:30 h
Estranho,agora que fui ver que não tinha dado nota !
Um dos meus preferidos de infancia,só isso...

Adoro esses contos singelos,hoje tudo cai em super-heroi,qualquer ação fisica,qualquer filme pra criança.É só super-heroi.
Por Augusto Santos Filho, em 06/02/2012 | 08:45:13 h
Uma animação linda e divertida como essa consegue fazer melhor crítica ao ser humano do que muito filme por aí.
Por Bruno Kühl, em 05/02/2012 | 23:27:16 h
"Basicamente eles devem ver Fantasia e agora ver os atuais da Pixar, do que esses continhos de ninar que a Disney fazia antigamente."

Eles só fazem "continhos de ninar" para pessoas que já vão assistir seus filmes querendo fechar os olhos.
;*
Por Thiago Cunha, em 05/02/2012 | 23:22:19 h
Nunca vi esse
Por Alexandre Koball, em 05/02/2012 | 23:07:27 h
O filme é bonito, mas a história, minha nossa
Por Gabriel, em 05/02/2012 | 23:01:19 h
Eu tinha medo desse filme, quando eu era criança
Por Lucas do Carmo, em 05/02/2012 | 22:38:08 h
"É mesmo uma bela oportunidade para as crianças de hoje conhecerem o melhor que a Disney tem a oferecer!"

Basicamente eles devem ver Fantasia e agora ver os atuais da Pixar, do que esses continhos de ninar que a Disney fazia antigamente.
Por Bruno Kühl, em 05/02/2012 | 20:18:47 h
É mesmo uma bela oportunidade para as crianças de hoje conhecerem o melhor que a Disney tem a oferecer!
Mas os filmes antigos da Disney são super inteligentes e criativos sim! E "A Bela e a Fera", além de possuir isso e tudo de bom que o estúdio proporciona, ainda é feminista e à frente de seu tempo... enfim, quase perfeito!
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Bela e a Fera, A
(Beauty and the Beast, 1991)
• Direção:
- Gary Trousdale
- Kirk Wise
• Elenco Principal:
- Paige O'Hara
- Robby Benson
- Richard White
• Sinopse: Bela é uma garota entediada com sua vida provinciana, tentando sempre se esquivar dos avanços do galã arrogante Gaston. A Fera é um princípe que sofre de um feitiço que o deixa com feições monstruosas, que só será quebrado se conseguir encontrar o am...
 FILMES RELACIONADOS
• A Bela Adormecida
• A Pequena Sereia
• Aladdin
• Branca de Neve e os Sete Anões
• Cinderela
• O Rei Leão
• Pinóquio
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO