FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

A Cabana

(The Shack, 2016)
Por Rafael W. Oliveira Avaliação:         4.0
Indiferente experiência espiritual.
imagem de A Cabana
Quando se trata do material original de A Cabana, o livro escrito por William P. Young e sucesso absoluto de vendas, há apenas um grande ponto de expectativa e outro de resultado: ou você já cria sua concepção de afastamento da leitura pelo aparente espírito de auto-ajuda indicado pela sinopse ou você se emociona com a história do homem que passa um fim de semana numa cabana com ninguém mais, ninguém menos que Deus.

É claro, ajuda no atual sucesso da adaptação as polêmicas que já cercam o livro desde seu lançamento em relação a representatividade da figura divina naquelas páginas como, como também a aceitação de um público mais fervoroso pelo tema da espiritualidade/religiosidade que fez, por exemplo, obras terrivelmente maniqueístas como Deus Não Está Morto se tornarem uma das produções mais baratas e rentáveis do cinema. Essa resposta positiva certamente deu a carta branca para que literatura de Young, dez anos depois, finalmente ganhasse às telas.

E como alguém que leu a história de Young (apenas para confirmar que sim, aquilo não passa de um mero material de auto-ajuda espiritual), é de se estranhar ainda mais que, partindo de um material que ao menos possuía força suficiente para gerar reações, sua transcrição para o cinema exale tanta indiferença. A história permanece instigante até mesmo para quem não se identifica com nenhuma espiritualidade ou religiosidade, afinal, como ignorar uma obra onde a representação divina está encarnada numa mulher negra (a ganhadora do Oscar Octavia Spencer, que veio ao Brasil para divulgar o filme), um jovem árabe (Aviv Alush, que representa o Filho, ou Jesus) e uma garota asiática (Sumire, o Espírito Santo)? Há toda uma gama de nobres intenções por trás do material, isso é fato, mas diante de toda a verbalização de sentimentos que ocorre ao longo do filme, é lamentável que por si só, a narrativa não sustente sentimento nenhum.

Pelo contrário, o diretor Stuart Hezeldine parece mais empenhado em fabricar estes sentimentos através de artifícios traiçoeiros e nada sutis, que vão desde as pontuais frases formuladas que saem da boca dos personagens a cada segundo (“Você só fala através de enigmas”, chega a zombar o protagonista de Sam Worthington) até a exagerada saturação de cores na fotografia e na direção de arte, que ao tentar vender aquela experiência com alguma positividade diante do trágico conflito do protagonista, apenas cria uma experiência visualmente incômoda, artificial dessaturizada. De bonito, A Cabana não têm nada.

Se há algo para ser louvado (sem trocadilhos), esta é justamente a já comentada representação da Santíssima Trindade, aqui defendida por rostos que parecem compreender a limitação do material e conseguem entregar um pouco mais do que lhes é oferecido. A geralmente caricata Octavia Spencer empresta um quê de fascínio bastante bem-vindo à figura de Deus (ou Papa), com a atriz visivelmente à vontade em sua representação. Aviv Alush detêm os melhores momentos para si como Jesus, por mais que seja obrigado a protagonizar cenas de teor risível ao lado de um inexpressivo Sam Worthington (a corrida na água ou um certo momento no barco são de fazer revirar o estômago de tão mal dirigidas). E com sua ponta, Alice Braga surge apenas para comprovar o quanto é parecida com sua mãe, a também atriz Sônia Braga.

E deixando de lado as alegorias rasas, os conflitos internos que parecem surgir apenas quando é conveniente ao roteiro e o absurdamente extenso clímax, pouco sobra para ser defendido em A Cabana além de suas boas intenções. Não irá ofender ninguém, até porque nem há força para isso aqui, e temos apenas o lamento por uma experiência que a todo momento sugere uma catarse que nunca chega.

Por Rafael W. Oliveira, em 20/04/2017
Avaliação:         4.0
Notas - Equipe
• Silvio Pilau 3.0
• Rafael W. Oliveira 4.0
•  Média 3.5
Notas - Usuários
7.1/10 (11 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Cabana, A
(The Shack, 2016)
• Direção:
- Stuart Hazeldine
• Elenco Principal:
- Sam Worthington
- Octavia Spencer
- Radha Mitchell
• Sinopse: Um homem em luto recebe um convite pessoal e misterioso para se encontrar com Deus em um lugar conhecido como "A Cabana".
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
       
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

        
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE