FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

A Casa do Lago

(Lake House, The, 2006)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:                 8.0
Doze anos depois, Bullock e Reeves juntos novamente, dessa vez em um lindo romance.

Refilmagem de um filme sul-coreano chamado Siworae, este A Casa do Lago marca o reencontro de Sandra Bullock e Keanu Reeves no cinema, exatos doze anos depois de terem lançado o mega-sucesso Velocidade Máxima, em 1994. E é bom dizer que esse novo trabalho dos dois é um filmaço, daqueles romances sérios de fazer chorar que são feitos poucas vezes com qualidade em Hollywood. Não é o tipo de comédia romântica idiota que quase toda semana chega aos cinemas, mas sim o romance em sua forma bruta e clássica, para ir com um acompanhante, comprar um pacotão de pipoca na entrada e, claro, não esquecer o lenço de bolso.

Bullock é Kate Foster, uma médica recém-formada que se muda para a cidade grande para trabalhar em um hospital, depois de passar alguns anos morando em uma casa do lago. Reeves é Alex Wyler, um arquiteto de talento que tem problemas com o pai e é o novo morador da casa. Através de cartas deixadas na caixa de correio do local, os dois se conhecem e passam a manter um contato, até que rola um interesse mútuo, que não poderá ir a frente por um simples detalhe: ele vive no ano de 2004, enquanto ela está em 2006.

Preciso no modo de apresentar a distância espaço-temporal entre os dois, sem nunca deixar que a situação pareça ridícula ou inverosímil (apesar de ser), o diretor Alejandro Agresti faz, em seu primeiro filme em língua inglesa, um trabalho preciso e tocante: não se limitando a ser apenas uma historinha de amor entre os dois, o filme aproveita para discutir, através do ótimo roteiro de David Auburn, coisas do dia-a-dia comum a qualquer pessoa. Se entregando de forma sutil aos clichês do gênero, o filme tem o seu diferencial: ao contrário dos famosos romances impossíveis, Kate e Alex podem ficar juntos, desde que um deles saiba como superar essa distância temporal de dois anos que os separam.

Isso é legal pelo simples fato de que passamos a torcer pelos dois, mesmo sabendo que tais coisas simples do dia-a-dia podem impedir que esse encontro, marcado dois anos antes, aconteça. É um filme feito para chorar mesmo, mas que tem a coragem de ser um pouco menos convencional na sua estética, ao apresentar a história sem achar que o público é burro e que tem toda a estrutura clássica de tragédia, tomando a coragem de ser diferente e eficiente na conclusão.

Bullock, mesmo quarentona, continua absurdamente linda e convence fazendo uma personagem alguns anos mais nova, e até a fala presa de Reeves está menos gritante aqui, algo que vem melhorando a cada filme do ator, que parece se soltar cada vez mais. O elenco tem ainda um Christopher Plummer sem muito espaço, o que é um pecado, mas sua presença de tela é um fator fortíssimo para acrescentar ao sentido artístico da obra, já que ele dá um show no pouco tempo que tem e arrebenta como o pai amargurado de Alex.

Tem cenas piegas, é novelão para chorar, extremamente bem filmado (linda fotografia de Alar Kivilo), enfim, um romance para se ver a dois e que tem total condições de marcar presença na história do cinema não só pelo fato da falta de concorrência do gênero, que lança um bom filme a cada longos anos, mas seus méritos discutidos acima o faz ter forças próprias para uma bela sessão de bom cinema romântico. Você vai simplesmente acompanhar a deliciosa história que passa em um instante e se encucar com os encaixes que o roteiro faz ao brincar com o tempo.

Maravilhoso, como um grande romance obrigatoriamente deve ser.

.
.
.
.

ATENÇÃO: os parágrafos a seguir contam pontos importantes da história, então leia-os apenas se já tiver assistido ao filme ou então por sua conta em risco.

.
.
.
.

Se há um problema mais sério com o longa, esse se diz em algumas cenas onde o diretor, querendo aproximar os dois personagens, coloca-os em um mesmo plano, com o espaço de dois anos sub-entendido, mas o diálogo tratado como se ele não existisse. Vemos, por exemplo, Kate e Alex conversando na cantina do hospital, obviamente por cartas, mas como se estivessem ali, sentados juntos, conversando. Isso é ruim porque tira quase que completamente o impacto do final, onde os dois ficam realmente juntos. Você já os viu juntos, então não haverá aquele baque de vê-los aí, o que o erro mais grave de todo o longa.

Mas a coragem de fazer um filme claramente triste, trágico, mas com o final feliz sem ser brega é algo a favor, já que romances hoje em dia, para serem marcantes, quase sempre apelam para a tragédia, poucas vezes saindo com um sorriso do cinema ao final da sessão. E esse A Casa do Lago consegue a proeza de ser bom, bonito, feliz, triste e marcante, tudo ao mesmo tempo.

Por Rodrigo Cunha, em 04/09/2006 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 4.0
• Daniel Dalpizzolo 7.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 5.0
• Silvio Pilau 6.5
• Heitor Romero 7.0
•  Média 6.3
Notas - Usuários
7.0 (439 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Casa do Lago, A
(Lake House, The, 2006)
• Direção:
- Alejandro Agresti
• Elenco Principal:
- Keanu Reeves
- Sandra Bullock
- Shohreh Aghdashloo
• Sinopse: Uma médica solitária, outrora habitante de uma rara casa localizada ao lado de um lago, começa a trocar cartas de amor com o mais novo residente do lugar, um arquiteto frustrado. Descobrem estar separados no tempo por dois anos. Terão então que resol...
 FILMES RELACIONADOS
• Velocidade Máxima
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO