FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

A Grande Beleza

(La Grande Bellezza, 2013)
Por Rodrigo Torres de Souza Avaliação:                 8.0
Subversão da beleza.

Viagem. A Grande Beleza (La Grande Bellezza, 2013) tem início com um texto que metaforiza a palavra, e, narrativamente, expande seu conceito até o último fotograma. Pois viagem também caracteriza o passeio de Paolo Sorrentino pelas artes, literatura, pintura, cinema – especialmente de seu país, a Itália –, numa obra que trafega entre o real e o fantástico e acumula mais simbolismos do que uma mente humana pode assimilar numa primeira sessão. Tal qual o turista japonês morto fulminantemente diante da grande beleza de Roma, no início da projeção, os 140 minutos subsequentes desse reflexivo filme se comprovam a arrebatadora viagem sugerida nessa pretensiosa passagem do primeiro ato.

Para tal, Sorrentino suga as principais influências do grande cinema italiano e produz uma adaptação pós-moderna da crônica social de Federico Fellini em A Doce Vida (La Dolce Vita, 1960). Roma é novamente vista sob uma sombra de imensa frivolidade e extravagâncias, porém, agora, sem aquela compreensível onda de otimismo e esperança de um país que se recupera de uma grande guerra. Hoje a Itália se encontra em grave crise financeira, a juventude está à procura de empregos, e não à toa a alta sociedade aqui analisada surge envelhecida – o que também acentua o ridículo e a irresponsabilidade da total entrega ao hedonismo no contexto atual, de extrema urgência.

A câmera se agita freneticamente e fecha em primeiríssimo plano rostos marcados por rugas disfarçadas por pesada maquiagem ou botox. A música machuca os ouvidos, mas combina com os tipos estranhos numa dança vulgar. O cúmulo do mau gosto também se converte em forma de arte: no quarto de uma suntuosa mansão em festa, uma menina brinca, quando é interrompida pelos pais. Arrastada para frente de um painel e de todos, ela chora intensamente, e esperneia atirando a tinta no grande quadro à sua frente. Eis uma obra de arte! Todos aplaudem. É Sorrentino atacando não apenas o entretenimento sem limites e escrúpulos dos ricaços de seu país (e qualquer semelhança com as orgias envolvendo menores do ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi não pode ser mera coincidência), como também levantando uma enorme interrogação sobre o conceito de arte. Embora tendencioso, o cineasta é feliz em mostrar a arte em sua diversidade, tanto ironizando uma artista de performance charlatona e masoquista como contemplando belíssimo mosaico de fotos de um homem comum, em cada dia de sua vida, registrando seu envelhecimento desde o nascimento.

Paolo Sorrentino também apela a Fellini ao impor à crítica social e política – herança do neorrealismo – uma abordagem irreverente. Para isso, adota como protagonista um tipo legítimo felliniano, Jep Gambardella, jornalista (assim como o Marcello Rubini de A Doce Vida) que goza de prestígio devido à publicação de um best-seller publicado há 40 anos. Cínico (a atuação de Toni Servillo é hipnotizante), Jep desfruta de seus status social privilegiado, porém passeia pela alta classe com olhar sempre entediado, ar de superioridade de quem assiste a tudo de fora e interpreta o mundo como um “poeta vate”. A ironia, porém, está exatamente no fato de ser essa a sua ruína, pois o próprio explica seu bloqueio criativo (assim como o Guido Anselmi de [idem, 1963], diga-se) através de sua – real – incapacidade de enxergar beleza no mundo.

Jep está fadado a escrutinar o comportamento da elite romana. A visão de mundo restrita de seus amigos o faz crítico, alheio a toda “maravilha” que o cerca. Jep não aceita tamanha deficiência intelectual e se fecha em um círculo de razão. Nesses momentos, de maneira inteligente, Sorrentino tira Jep da posição de condutor moral da narrativa e o submete, tal qual um espectador, à condição de passageiro de sua viagem sempre que o filme investe no onírico. Prova disso é o atordoamento que acomete o protagonista quando este tenta compreender a aparição de uma girafa, que some num desvio de olhar. “É tudo um truque!”, explica o mágico, e Jep não entende. Ele já não é mais capaz de enxergar o mundo sob a ótica de um menino, como o Nobel de Literatura Giosuè Carducci dizia ser imprescindível para o exercício poético, e como sua chefe Dandina diz ver a vida.

A única pessoa vista acima de Jep Gambardella é presa por corrupção. Ele é seu vizinho de cima, e o protagonista assiste àquele show da decadência moral da sua gente com certa satisfação. Mas Jep, ao contrário do que pensa, nunca esteve acima disso, e a prova de sua contaminação está na incapacidade de exercer seu ofício num ambiente ao qual não consegue se entregar (compreender, enxergar, inclusive apreciar) por completo. Então é Dandina, a figura caricata, a princípio retratada como síntese da excentricidade da elite romana, quem se revela a personagem mais lúcida e autossuficiente dentro do universo criado por Sorrentino. Dandina, a anã.

Por Rodrigo Torres de Souza, em 21/12/2013
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 8.0
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Régis Trigo 7.5
• Silvio Pilau 5.0
• Heitor Romero 6.0
• Marcelo Leme 7.0
• Pedro Tavares 6.5
•  Média 6.4
Notas - Usuários
7.2/10 (154 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (4)
Por Silvia Lima, em 11/02/2014 | 02:25:16 h
Para mim uma obra prima. O filme traduz exatamente seu nobre título, uma beleza que fere.
Excelente texto Rodrigo.
Por Carlos Dantas, em 03/01/2014 | 02:01:45 h
Crítica excelente. Pena que na tela a coisa não funcionou muito bem. Achei bem maçante, apesar de toda aquela atmosfera felliniana. Eu diria que a crítica ficou melhor que o filme.
Por Adriano Augusto dos Santos, em 25/12/2013 | 11:08:56 h
Adorei esse.É uma lembrança em movimento,sem cópia,de Fellini.
Planos lindos,boas cenas,excelente cena final.
Toda a dispersão que aparece alguma vez é só prazer.
Por Patrick Corrêa , em 21/12/2013 | 22:07:42 h
Ótimo texto!

Mas podia aumentar essa nota aí...
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Grande Beleza, A
(La Grande Bellezza, 2013)
• Direção:
- Paolo Sorrentino
• Elenco Principal:
- Toni Servillo
- Carlo Verdone
- Sabrina Ferilli
• Sinopse: Em Roma, durante o verão, o escritor Jap Gambardella reflete sobre sua vida. Ele tem 65 anos de idade, e desde o grande sucesso do romance "O Aparelho Humano", escrito décadas atrás, ele não concluiu nenhum outro livro. Desde então, a vida de Jep se ...
 FILMES RELACIONADOS
• 
• A Doce Vida
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE