FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

A Nossa Espera

(Nos batailles, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:                   9.0
A saída pelo humano.
imagem de A Nossa Espera
Espelho de partidas, as vidas doméstica e profissional de Olivier estão em consonância de falência. De um lado, ameaças de desemprego na fábrica onde trabalha o coloca na difícil missão de decidir entre amigos para dispensa; do outro, sua mulher está em silencioso colapso gradual que a pressão do dia a dia não o deixa perceber, afetando a segurança familiar. Co-produção franco-belga, A Nossa Espera observa uma Europa em franca decadência monetária, a ponto do descontrole emocional, construindo um retrato possível para um período que trabalha em espiral de desespero. Qual a saída para esse deserto que arrasa o interior e o exterior?, é a pergunta que o filme tenta responder, com o humanismo em primeiro lugar.

Para uma parcela grande da crítica, o cinema europeu tem apresentado uma visão demasiadamente cínica e misantropa da humanidade. Em paralelo a esses filmes mais cáusticos, tantos como o longa de Guillaume Senez aparecem, promovendo a conciliação, a conexão, o afeto e a vontade de conjugar esses verbos tão fora de moda hoje. Para isso não bastam as intenções narrativas, mas também as lentes e as escolhas do que filmar. Quando a direção de arte da produção mostra um local de trabalho efetivamente organizado em detrimento do caos doméstico, há uma mensagem não-verbal sendo dada ai. Aos poucos esses dois cenários parecerão trocar de perspectiva, sugestionando a gangorra onde o protagonista está preso.

É como se o melhor do cinema calcada no humano de hoje, se encontrasse com o cinema produzido no passado, mais especificamente pela tessitura sensível que o cinema dos anos 70 produziu, como um amálgama entre 'Norma Rae' e 'Kramer vs Kramer', observando o melhor de dois mundos, como se 40 anos depois a aproximação voltasse a fazer sentido pelo Homem, pelo melhor dele, que pode fazer renascer não apenas as relações humanas e trabalhistas, mas acima de tudo o próprio cinema, reconstruindo uma versão menos amarga do mesmo. Sem o olhar explícito para a esquerda como Ken Loach, mas tendo a noção de que o melhor da arte esteja também no melhor dos seres, criando a partir dessa união.

Senez vai além de criar o clima acertado para tal, ele transforma a narrativa através do que escolhe e de como filmar. A realidade de Olivier vai além do seu ambiente de trabalho e dos cômodos de sua casa, mas do vazio que se instala nele diante dos últimos acontecimentos. Romain Duris demonstra segurança desde a primeira cena, mas aos poucos percebemos que a direção encontrou nele uma forma de traduzir a inoperância atual em relação ao desconhecido, a ser pego pela inevitabilidade. Conforme sua gangorra penda de um lado a outro, Senez utiliza do talento de seu protagonista para ilustrar o mal-estar que a sociedade europeia deixou vazar interromper suas vias, através da crise. E ficamos cada vez mais certificados de que a moral foi tão abalada quanto as contas bancárias.

O filme se afasta então do cinema que hoje é atacado por seu niilismo, e busca a humanidade para além de seus tipos. Cada revestimento de atitudes dos personagens, mesmo as mais radicais e definitivas, vem carregadas de sentimentos humanos, de resoluções que buscam a libertação, apesar de tudo. Os amplos espaços de trabalho de Olivier contrastam com o aperto de sua vida privada, até que toda aquela estrutura larga começa a dar defeito, literalmente. A limpeza familiar tambem começa a ser vista (graças a participação especial de uma delicada Laetitia Dosch), ainda que a ausência seja sentida. O que se encerra com o desfecho do filme é a angústia da espera do título em português, arrefecendo ali. A partir de seu último quadro, imaginamos a busca por uma  estabilidade emocional procurada na Europa de hoje, que entende sua crise mas que precisa enfrentá-la. Com maturidade e a real dose de clareza, toda expectativa cessa e dá lugar a evolução, que se analise e tenha consciência dos predicados de uns e da busca de outros.
Por Francisco Carbone, em 02/01/2019
Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 9.0
•  Média 9.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Nossa Espera, A
(Nos batailles, 2018)
• Direção:
- Guillaume Senez
• Elenco Principal:
- Romain Duris
- Basile Grunberger
- Lena Girard Voss
• Sinopse: Olivier está lutando com seus companheiros no trabalho contra as injustiças, mas uma noite sua esposa Laura abandona ele e as duas crianças. Ele deve agora encontrar outra luta e encarar suas novas responsabilidades.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE