FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

A Princesa e o Plebeu

(Roman Holiday, 1953)
Por Alexandre Koball Avaliação:                   9.0
Uma das melhores histórias sobre amor impossível que o cinema já concebeu.

Esta é uma das maiores histórias de um romance impossível já criadas para o cinema. Temos uma princesa e um plebeu, e normalmente ambos nunca poderiam se encontrar para passar um dia agradável em uma cidade como Roma e se apaixonarem. Nunca na vida real, mas no cinema eles certamente poderiam, e o diretor William Wyler (a mesma mente genial por trás de Ben-Hur) resolveu filmar essa história, criando assim um dos filmes mais inspiradores do gênero no cinema. De “bônus”, o diretor ainda revelou uma das atrizes mais lendárias de todos os tempos, em seu primeiro papel principal em um filme. O primeiro e justamente o único que lhe deu o Oscar, entre seis nomeações para melhor atriz, no total. Esta atriz, obviamente, é a lindíssima Audrey Hepburn.

A Princesa e o Plebeu é uma espécie de história de Cinderela às avessas. Uma princesa riquíssima tem uma crise nervosa por causa da agenda cheia de compromissos repetitivos e entediantes: o que ela quer é apenas viver como uma garota normal. Então durante a noite foge do seu palácio e acaba encontrando não um príncipe encantado, e sim um jornalista interesseiro, que a reconhece (embora ela não saiba disso) e quer conseguir uma reportagem exclusiva que lhe renderá uma enorme quantia de dinheiro. Certamente para os dias atuais não é lá uma história original, mas talvez ainda seja a melhor desse tipo, mesmo tendo sido lançada em 1953.

O que a torna tão especial é justamente Audrey Hepburn. Dificilmente alguém conseguirá não se encantar com suas expressões de inocência, de pureza, em uma figura incrivelmente linda e simpática. Veja bem, durante todo o filme não há sequer um pingo de conotação sexual envolvendo sua personagem, ela conquistou a crítica e o público, tornando-se uma lenda, não com grandes decotes e nem com papéis “quentes”, como muitas grandes estrelas na atualidade o fazem (Julia Roberts é o exemplo mais óbvio, sendo lançada à fama com um papel de prostituta, em Uma Linda Mulher), e sim com seu carisma aliado à sua beleza singela, mas vibrante. A verdade é que fica difícil tirar os olhos dela quando está na tela, e esse tipo de atriz quase não existe mais hoje em dia.

Claro que Hepburn não é o único motivo que faz o filme ser tão incrível. Como diz o velho clichê, é todo o conjunto da obra que funciona perfeitamente. Começando pela sua simplicidade. Com um roteiro sem muitas novidades, de fácil entendimento, mas extremamente sincero e divertido, ao mesmo tempo que consegue criar ótimas situações dramáticas, A Princesa e o Plebeu passa rápido pela tela, enquanto você vai descobrindo as deliciosas reações que a princesa Ann tem a cada “novidade” que encontra nas populosas ruas de Roma. Tudo é inédito para ela: o contato com o povo, um café à beira da rua e, claro, o seu primeiro amor, justamente o repórter que, à princípio, quer tirar vantagem dela. É um filme ao mesmo tempo totalmente previsível (“ela vai acabar sendo descoberta”) e imprevisível (“será que existe realmente chance deles ficarem juntos?”), uma antítese de situações que encanta também com sua fotografia alegre e divertida de Roma, mesmo em preto-e-branco.

Há algumas histórias interessantes com relação à participação de Hepburn no filme. Ela conseguiu ganhar o papel em um teste que hoje é bem famoso, que consistia em atuar uma das cenas do filme. Até aí, tudo bem. Mas o operador de câmera recebeu ordens de deixar filmando após o diretor gritar “corta”, e a partir daí há vários minutos de rolo de filme com expressões e atuação espontâneas da atriz, que foram decisivos na sua escolha para o papel de princesa. Um outro fato interessante é que, em um determinada cena, Hepburn deveria chorar, mas como a atriz era bastante inexperiente na época, não conseguiu a reação que o diretor Wyler desejara, provocando reclamações por parte deste. Sensível, a atriz começou a chorar na mesma hora, então a cena finalmente pôde ser filmada. E de fato, tal cena é muito realista, digna de qualquer grande atriz.

Gregory Peck, interpretando o estereótipo do galã canastrão, é um ator que dificulta o trabalho de qualquer espectador em odiá-lo. Sua expressão honesta e serena, a segurança com que desenvolve seus personagens (seu personagem em O Sol é Para Todos foi considerado pelo American Film Institute o maior herói de todos os tempos no cinema) fazem do ator um dos melhores de sua geração. Finalmente, a direção firme e dinâmica de William Wyler, sempre levando o filme para frente de maneiras inesperadas e atuais até para os dias de hoje, complementam esse que é, como já foi comentado, um dos maiores clássicos de todos os tempos do gênero romance. Só que aqui o romance é daqueles impossíveis, improváveis, como o cinema gosta de exibir. Afinal, cinema desde sempre e até os dias atuais é lugar de sonhos e fantasia. Esse filme cumpre tal meta com perfeição.

A Princesa e o Plebeu é um romance clássico, que diverte, faz chorar, faz pensar se devemos aceitar ou não passivamente a vida que nos é dada. Um filme, à primeira vista simples, mas quando se chega mais perto, quando se quer entender seus personagens e suas aspirações, e se entregar à magia do filme, torna-se uma experiência incrível, linda e tocante. Um filme da época em que as atrizes realmente mereciam serem chamadas de estrelas, pois brilhavam em cada cena. Audrey Hepburn começou a se imortalizar com esse filme, e daí pra frente nunca mais saiu da cabeça de milhões de fãs ao redor do mundo. Mais um clássico obrigatório para qualquer cinéfilo.

Por Alexandre Koball, em 22/03/2004 Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 9.0
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 9.0
• Vlademir Lazo 7.5
• Heitor Romero 8.0
•  Média 7.6
Notas - Usuários
8.1 (170 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Princesa e o Plebeu, A
(Roman Holiday, 1953)
• Direção:
- William Wyler
• Elenco Principal:
- Audrey Hepburn
- Gregory Peck
- Eddie Albert
• Sinopse: A Princesa e o Plebeu é uma espécie de história de Cinderela às avessas. Uma princesa riquíssima tem uma crise nervosa por causa da agenda cheia de compromissos repetitivos e entediantes: o que ela quer é apenas viver como uma garota normal. Então du...
 FILMES RELACIONADOS
• O Sol é Para Todos
• Uma Linda Mulher
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO