FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

A Rainha

(Queen, The, 2006)
Por Demetrius Caesar Avaliação:                 8.0
Uma pérola imperdível, para um público inteligente. Mirren e a direção de Frears são ambos maravilhosos.

Para quem não sabe, vale o aviso. Apesar de o filme se chamar A Rainha, ter como personagem principal a rainha da Inglaterra, Elizabeth II, o filme é mesmo de Tony Blair, o Primeiro Ministro trabalhista que chegou ao poder depois de 18 anos de governos conservadores, sendo a maior parte deles com Margareth Thatcher à frente, a Dama de Ferro, um ícone do que hoje se chama neoliberalismo (privatizações em especial).

O diretor, Stephen Frears, e seu roteirista, o dramaturgo Peter Morgan, são trabalhistas convictos – Frears, então, um dos mais conhecidos anti-Thatcher da Inglaterra. Ambos já haviam feito um documentário, para a televisão, sobre a chegada do primeiro ministro ao poder e de como ele conseguiu o respeito da rainha para implementar as reformas, além de ter estancado o declínio da monarquia depois da morte da princesa Diana.

A tese é simples. A monarquia, recatada e avessa a vulgaridades, demorou a entrar na era da comunicação e da globalização, da sociedade do espetáculo. Hoje se espera de seus governantes grandes discursos e ações espalhafatosas, mesmo que inócuas. Discrição e galhardia envelheceram. Daí entra o primeiro ministro, que soube conduzir, naquele momento crítico, a morte de Diana, a monarquia para que as massas pudessem se locupletar da perda do maior símbolo mediático da Inglaterra moderna, Diana, a Princesa do Povo.

Com uma atriz em estado de graça, a câmera do brasileiro Afonso Beato na fotografia, figurinos austeros de Consolata Boyle e um roteiro de falas precisas, quase cirúrgicas, Frears fez um filme admirável, tão leve e despretensioso que só os mais inteligentes conseguem ser. Não há cena desperdiçada: todas têm alguma coisa a dizer – e bem ditas, pois o filme é calcado no que os britânicos têm de melhor, seu teatro, na técnica do playwriting inglês da cascata de diálogos feitos para fundamentar os personagens, e nunca apenas gerar efeitos de impacto. Dá para pensar que o cinema retomou a sátira política, que desaprendeu a fazer (ou não se interessa mais em realizar) e a atualizou aos nossos tempos.

Dame Helen Mirren está ótima. Estudou os gestos e os dosou com perfeição. Seu balançar de braços, a maneira de andar, os pequenos acentos da cabeça, tudo beira o genial. É a consagração de uma carreira dedicada a bons filmes e excelentes atuações. Ela foi a mulher em O Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e o Amante, de Peter Greenaway, no qual, depois de ter o amante assassinato, manda assá-lo e obriga o marido comer o pênis. Fez também o pornô-chique Calígula, de Tinto Brass, e posou nua, aos 60 anos, em Garotas do Calendário. Venceu Cannes com As Loucuras do Rei George (na qual interpretou outra soberana), num duelo de interpretação com John Gieguld, e esteve inesquecível como a mãe desnaturada de Assassinato em Gosford Park, de Robert Altman. Isso para ficar apenas na sua carreira no cinema, pois também é premiada atriz de televisão e, claro, de teatro, de onde ganhou o título nobre de dama – das mãos da própria rainha que agora interpretou.

Mirren brilha; vê-la atuando é um dos grandes, se não o maior, prazer do filme, entre tantos que a obra oferece. Mas o restante do elenco não nega fogo, em especial Martin Sheen, como Tony Blair, James Cromwell, como o príncipe Phillip, e Helen McCrory, hilária como Cherie Blair, a mulher anti-monarquista do primeiro ministro. Frears é excelente diretor de atores. Ensaia-os e conversa longamente com todos antes das filmagens. Seu método já levou uma constelação de atores a executar suas melhores performances na tela.

O filme é francamente a favor da monarquia e não poupa elogios à rainha Elizabeth, o que gerou críticas a Frears. É o único flanco a se atacar no filme, sua posição ideológica, uma vez que como diversão de classe é imbatível. Tony Blair, como Thatcher, foi reeleito duas vezes, mas não conseguirá terminar o terceiro mandato – ao que tudo indica, renunciará em favor de seu ministro das finanças, Gordon Brown, no próximo ano. O que derrubou o então mítico primeiro ministro, o príncipe da chamada Terceira Via, ou social democracia (no Brasil perseguida tanto pelo PSDB quanto pelo PT) foi sua aliança com George Bush e o apoio da Inglaterra à guerra inventada pelos EUA contra o Iraque.

Ou seja, A Rainha é uma pesquisa dos primeiros momentos do governo trabalhista de Blair (gloriosos, que lhe garantiram permanência longa e prestigiosa) e indica, nas entrelinhas, que foi picado pela famosa mosca azul do poder, “apaixonando-se” pela rainha (sugere-se que ele a via como sua mãe já falecida), dando uma guinada à direita e sucumbindo às direitadas bélicas e ao conservadorismo. 

Não é preciso ir longe para se ver exemplos como esse. Já se dizia no Brasil, desde a República Velha, que um conservador é um antigo liberal no poder. Foi assim com Fernando Henrique Cardoso. É assim com Lula. Chamam-nos de traidores do povo – é assim que o também cineasta Ken Loach, esquerdista ferrenho, se refere a Blair. A amarga desilusão dos britânicos não poderia ser mais atual para nós brasileiros. Mais uma razão (dentre inúmeras não ditas aqui), para se ver A Rainha.

Por Demetrius Caesar, em 11/02/2007 Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Rodrigo Cunha 6.0
• Régis Trigo 6.0
• Demetrius Caesar 8.0
• Silvio Pilau 8.0
•  Média 6.2
Notas - Usuários
7.2 (337 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Lucas Castro, em 09/04/2012 | 20:08:12 h
HUAHUAHHUAHAU
Por Marcus Almeida, em 14/09/2011 | 17:14:15 h
Cafe1
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Rainha, A
(Queen, The, 2006)
• Direção:
- Stephen Frears
• Elenco Principal:
- Helen Mirren
- Michael Sheen
- James Cromwell
• Sinopse: Um olhar por trás dos bastidores sobre a interação entre a Rainha Elizabeth II e o Primeiro Ministro Tony Blair, logo após a morte da Princesa Diana, acompanhando os esforços de ambos para alcançar um equilíbrio entre uma tragédia privada e a exigênc...
 FILMES RELACIONADOS
• As Loucuras do Rei George
• Assassinato em Gosford Park
• Calígula
• Garotas do Calendário
• O Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e o Amante
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO