FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

A Última Ceia

(Monster's Ball, 2001)
Por Tony Pugliese Avaliação:             6.5
Uma drama realista e intenso, porém sem nada de realmente novo. Nicole Kidman deveria ter ficado com o Oscar.

Finalmente, depois de muita demora, atrasos e desencontros, consegui assistir (em VHS) o filme que deu o Oscar de Melhor Atriz à Halle Berry, a atriz negra que surpreendeu a todos ao tirar o prêmio das mãos da favoritíssima Nicole Kidman, por Moulin Rouge. Infelizmente, “A Última Ceia” não é aquilo pelo qual todos esperávamos: é um filme centrado em dois personagens principais que algumas vezes chega a ser monótono e com diálogos pouco interessantes.

O filme pode ser dividido em três partes bem sistemáticas: a execução, o acidente e o pós-transa. A obra conta a história de duas famílias que tem seus caminhos cruzados de maneira nada peculiar. Hank (Billy Bob Thorton), seu pai Buck (Peter Boyle) e seu filho Sonny (Heath Ledger) formam uma família de três gerações (se é que podemos chamar disso) caracterizada pela ausência total de amor entre seus integrantes e até mesmo por si mesmos. O pai é um racista idoso que agora necessita de ajuda para realizar afazeres do dia-a-dia e se auto-intitula um “imprestável”. Hank é um sujeito com cara de poucos amigos que detesta, do fundo do coração, o próprio filho, Sonny; que por sua vez tem uma pose de homem duro e “rústico” como seu pai mas que no fundo no fundo é um sujeito simples e comum que ama o próprio pai, mas que nunca recebeu uma palavra amiga em retribuição. Esses três homens que moram sob o mesmo teto em comum só tem uma coisa: suas profissões. Todos os três trabalham como agentes policiais da cidade local, comandam execuções de presos condenados à morte, entre outras coisas.

A outra família em questão é a de Letícia (Halle Berry), casada com Lawrence, um presidiário condenado à morte, e da união de ambos surgiu o pequeno obeso Tyrrel. O filme começa com Letícia e Tyrrel indo visitar o pai na cadeia onde têm seu último contato com o mesmo. A família de Letícia é uma típica família de negros classe média-baixa dos Estados Unidos: possuem um carro caindo aos pedaços, a casa hipotecada e uma ameaça de despejo que em breve será concretizada, entre outros problemas... A partir dessa descrição fica um pouco mais fácil perceber o desenrolar do início da trama: Hank, Sonny e a turma de policiais locais executarão (na cadeira elétrica) o marido de Letícia, Lawrence.

O que “A Última Ceia” traz de melhor é justamente as atuações de seus dois personagens principais, protagonizados por Billy Bob e Halle Berry, fora isso não há outros aspectos que chamem assim tanta atenção (tecnicamente falando) além da própria trama, que na primeira metade do filme chega a ser muito monótona, apesar de tocar em assuntos que chamam atenção do público como uma execução na cadeira elétrica e a difícil situação das duas famílias.

Monster’s Ball faz jus a sua censura: 18 anos. A cena de sexo entre Billy Bob Thorton e Halle Berry é uma das mais tórridas e arrebatadoras já vistas no cinema. É tão real, tão bem feita que não te passa outra idéia na cabeça a não ser que os atores realmente transaram para fazer a cena. Repito, é muito real, de deixar qualquer um de boca aberta. Não é tão bonita e sensual de se ver quanto as cenas de Infidelidade (2002), mas ainda sim deixa muita gente boquiaberto pela sensação tórrida de realidade que passa. É surpreendente, incrível e irresistível (você nem pisca, só observa). Entretanto, há outras cenas exageradas que não vi necessidade de serem levadas ao filme como as cenas de Hank e Sonny transam (ou tentam) com aquela prostituta, que não faz mais nada no filme além de aparecer sem roupa.

O final também pode não agradar a muitos, embora seja simples e de fácil entendimento. O diretor não nos reservou nenhuma surpresa ao final, se isso é bom ou ruim só deus sabe. Concluindo, só gostaria de acrescentar uma opinião pessoal: não acho que Halle Berry realmente tenha merecido o Oscar e o Urso de Prata por “A Última Ceia”. Seu trabalho realmente é muito bom, mas 2001 foi realmente o ano de Nicole Kidman, fantásticas apresentações em suas duas grandes obras de 2001: Moulin Rouge e Os Outros.

Por Tony Pugliese, em 10/01/2003 Avaliação:             6.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Régis Trigo 7.0
•  Média 7.0
Notas - Usuários
7.0 (150 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (1)
Por Rafael W. Oliveira, em 28/07/2012 | 22:03:19 h
Concordo com a crítica. É um belo filme, um tanto clichê e com algumas passagens sonolentas, mas dirigido com sensibilidade e perícia por Marc Foster. A cena de sexo entre Bob Thorton e Halle Berry, ambos ótimos, realmente impressiona, mas existem melhores por ai. No mais, um bom filme, não é para todos, mas é recomendado para quem curte bom cine.a
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Última Ceia, A
(Monster's Ball, 2001)
• Direção:
- Marc Forster
• Elenco Principal:
- Billy Bob Thornton
- Halle Berry
- Taylor Simpson
• Sinopse: Filme que lida com temas fortes como preconceito racial e pena de morte. Belíssimas interpretações de todo o elenco, sobretudo Halle Berry, que ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo seu papel extremamente difícil.
 FILMES RELACIONADOS
• Infidelidade
• Moulin Rouge
• Os Outros
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO