FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

A Vilã

(Ak-Nyeo, 2017)
Por Marcelo Leme Avaliação:               7.5
Da vítima, vingança!
imagem de A Vilã
Os fãs de cinema de ação frenética encontrarão aqui uma das cenas mais emblemáticas em anos, realizada a partir de um POV (ponto de vista) que nos transporta ao universo de uma estranha que entra num corredor deixando corpos espalhados enfileirados e sangue espirrando como tinta numa grande tela abstrata. A cena é longa, virtuosa em movimentos, próxima de uma lógica de vídeo-game até quando encontra um espelho; e aí, nesse instante, a conversão da perspectiva, um momento singular de um criativo plano de ação cuja imagem, agora do ponto de vista do espectador, vislumbra a intensidade de um embate plasticamente irrepreensível.  

A Vilã é um belíssimo filme de ação protagonizado por uma mulher, Sook-hee (Ok-bin Kim), cuja gama de emoções lhe oferta distintas camadas psicológicas. A inventiva obra fala de vingança e pulsa agressividade com armas de fogo e lâminas afiadas. O ódio é a herança de uma personagem subjugada à violência desde a infância, quando assistiu um assassinato e depois foi treinada, transformando-se numa máquina de matar. O roteiro elucida seu comportamento justificando-o a partir de flashbacks que mostram diferentes fases da vida. A saga de Sook-hee faz lembrar de Lady Vingança (Chinjeolhan Geumjassi, 2005), de Chan-wook Park, e de Nikita - Criada para Matar (Nikita, 1990), de Luc Besson. Prováveis inspirações. 

A direção efusiva e criteriosa de Byung-gil Jung chama atenção pelo interesse técnico cuidadoso em realizar cada uma das estilizadas cenas, com cores, movimentos e efeitos. O cineasta é especialmente competente quando dirige cenas de ação, evocando diferentes títulos – aqui é impossível ignorar referências a Oldboy (idem, 2003) –, e fazendo uso de raros cortes, deixando a coisa toda visualmente mais compreensível. É de um realismo intenso, ainda que absurdo. A fotografia de Park Jung-hun está sempre próxima de seus personagens e abarca todo o contexto de modo a fazer compreensível cada movimento coreografado e nos obrigar a prestar atenção em detalhes. É característica do cinema coreano atentar-se a minúcias.

A dupla Byung-gil Jung e Park Jung-hun encontram um recurso eficiente ao abordar cenas que se sustentam por flashbacks, criando transições inteligentes e elipses que trabalham com o ritmo narrativo, deixando tudo ainda mais orgânico e perfeitamente inteligível – a cena da gravata azul é particularmente elegante. O filme é costurado por diferentes personagens cujas subtramas empregam uma complexidade desnecessária à história, que já conta com os já mencionados e indiscriminados flashbacks. Assim, por vezes parece demasiada bagunçada, com um vai e vem que só não sabota o ritmo devido à competente direção que estabelece um foco de atenção. Há um objetivo em meio a tanta vaidade em imagem: a vingança.

Byung-gil Jung é definitivamente talentoso na concepção imagética e parece apaixonado por cada uma de suas cenas, não conseguindo abrir mão de nenhuma. No cinema de caos coreano, este se destaca com truques inteligentes. Em meio a tanta violência, um romance resplandece de maneira amistosa, com as investidas de um homem sobre a mulher. O tom erótico converge com o cômico e tem função de alívio diante tanta agressividade. Esse é outro ponto interessante de se acompanhar. Mas tanta informação enfraquece a narrativa por lhe tirar força, descentralizando sua implacável e brutal protagonista a fim de retratar outros assuntos. A Vilã é um grande filme de ação com excessos estéticos, um esmero técnico de um cineasta talentoso, incapaz de desgarrar da forma por parecer tão fascinado pela própria imagem que criou.
Por Marcelo Leme, em 21/11/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Marcelo Leme 7.5
• Rafael W. Oliveira 8.0
•  Média 7.8
Notas - Usuários
7.5/10 (12 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Vilã, A
(Ak-Nyeo, 2017)
• Direção:
- Byung-gil Jung
• Elenco Principal:
- Ok-bin Kim
- Ha-kyun Shin
- Jun Sung
• Sinopse: Uma assassina deixa um rastro de morte atrás de si enquanto busca a vingança e tenta se livrar do seu passado.
 FILMES RELACIONADOS
• Lady Vingança
• Nikita - Criada para Matar
• Oldboy
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE