FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Alien: Covenant

(Alien: Covenant, 2017)
Por Heitor Romero Avaliação:       3.0
O vazio do espaço.
imagem de Alien: Covenant
A inegável herança deixada por Alien, O Oitavo Passageiro (Alien, 1979) ao cinema foi mais bem aproveitada por filmes similares de terror no espaço ou que somente aprenderam de sua construção atmosférica do que assimiladas em suas próprias sequências. Por mais que Aliens - O Resgate (Aliens, 1986) seja um trabalho excepcional em que James Cameron soube partir da mitologia inicial de Ridley Scott e em cima disso configurar sua própria visão, trata-se em suma de um filme que se distanciou tanto do original que trabalhou no limite máximo das ligações entre os dois, focando-se muito mais na ação e na fuga do que no horror do enclausuramento espacial ao lado de um extraterrestre predador. A partir daí a franquia desandou em dois novos capítulos medonhos e só foi respirar novamente em Prometheus (idem, 2012), quando Scott voltou ao comando de sua história e lhe ofereceu uma perspectiva mais grandiosa, ainda que deficiente em muitos pontos. A distância dos anos nos permite uma óbvia conclusão: o filme original permanece num patamar inalcançável e essa é a maldição que assombra todas suas continuações, em especial esse novo Alien: Covenant (idem, 2017).

É muito provável que ninguém tivesse a remota expectativa de que após tantos anos o Alien de 1979 seria finalmente equiparado com esse novo de 2017, porém a questão aqui não é superar ou se equivaler a nada. O que mata Covenant é seu total despropósito dentro da mitologia. Se Prometheus, apesar de seu roteiro furado, ofereceu uma interessante ponte visual com o original (uma direção vintage, à moda antiga, física, artesanal, que se espelhava fielmente na atmosfera do Alien de 1979) e levantou a aposta ao questionar assuntos mais ambiciosos, como a origem da vida e os limites morais do homem diante do poder da criação, em Covenant nenhum dos atributos ganhou continuidade, apenas os defeitos foram ampliados. Burocrático, o Scott diretor não demonstra aqui o mesmo vigor que fez valer Prometheus apesar dos pesares, enquanto o roteiro consegue ser ainda mais banal.

Sem uma direção capaz de construir uma atmosfera envolvente e tensa – o forte de Alien e de Prometheus – as falhas de roteiro ficam evidentes a ponto de incomodar e estragar a experiência. A personagem feminina central, que sempre teve uma desenvoltura forte dentro da franquia, aqui é diminuída em uma figura insossa. Se pararmos para pensar que havia toda uma interpretação do combate de Ripley (Sigourney Weaver) x Alien como uma metáfora da insubordinação da mulher diante de uma criatura de visual fálico que a persegue numa tentativa de reprodução sexual forçada (frisando a heroína como diferente daquelas comuns em filmes de terror que sempre acabam subjugadas pela figura masculina dominante), em Covenant temos uma protagonista formal que jamais está à altura de seu predador, seja em inteligência ou em agilidade. O bizarro beijo gay entre dois clones talvez tenha sido uma tentativa de Scott em retomar algum tipo de metáfora, mas passa longe de achar algum respaldo que a torne significativa naquele meio.

A desculpa para recomeçar a correria também é requentada pela centésima vez: cientistas decidem abrir mão de sua missão espacial de suma importância, desviar a rota e pousar num planeta desconhecido atrás de um possível indício de vida atraí-los até lá (e, convenhamos, que esse plot nunca convenceu em filme nenhum). As atitudes deles dentro de território extraterrestre são inaceitavelmente burras e primárias, reduzindo-os a arquétipos de um filme slasher indo para o abate. O gancho com Prometheus é que lá eles encontrarão o robô David (Michael Fassbender), um dos dois únicos sobreviventes do filme anterior que agora está fazendo experimentos com espécies alienígenas e povoando o planeta com seus clones.

Os robôs sempre foram a questão moral na qual se centraliza a maioria dos conflitos na franquia. No primeiro Alien, havia um disfarçado de humano que sabota a própria tripulação em nome da ciência. No segundo, em contradição, o robô é do bem e essencial para a sobrevivência de Ripley. Em Prometheus, na ambição de Scott em fazer algo mais abrangente, David surgia como um androide de caráter dúbio, porém única mente pensante da tripulação e, mais interessante, único de fato consciente das questões sobre o poder criador, a origem da vida, os limites do homem sobre sua própria espécie. O interesse do personagem era justamente suas características mais humanas do que as de seus colegas imbecis e não à toa ele consegue sobreviver quando diante de uma ameaça alienígena, ao contrário dos demais. Ora, de coadjuvante de luxo que temperava a trama do filme anterior, David aqui vira personagem central e perde todo o seu apelo e sua lógica dentro da tradição dos robôs ambivalentes da franquia. Some-se isso a uma mocinha sem sal e Covenant não consegue manter sequer o que há de mais característico e funcional dentro do universo Alien. 

Todas as questões semeadas por Scott em Prometheus que deveriam germinar nessa continuação e expandir as fronteiras da franquia são sabotadas pelo seu próprio idealizador. Covenant é vazio em seu roteiro, em seus questionamentos, em sua tentativa de ir além e em sua direção. Temos muito sangue, muita verborragia chata e muitas ideias novas fracassadas, mas o que predomina é o vazio de uma iniciativa que rima com o vazio daquele imensurável espaço dominado por esse alien que quanto mais é explorado, menor e menos assustador ou interessante se revela.
Por Heitor Romero, em 14/05/2017
Avaliação:       3.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 4.5
• Silvio Pilau 5.0
• Heitor Romero 3.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
• Felipe Leal 5.0
•  Média 4.5
Notas - Usuários
5.9/10 (73 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 16/05/2017 | 17:41:14 h
Parabéns pela crítica, inútil dizer, e mais inútil ainda, parabéns plea coragem de assistir isso.

Passo.
Por Heitor Romero , em 15/05/2017 | 10:50:45 h
Eu achava que seria muito bom pq Scott nunca tinha errado dentro dessa franquia huahua, foi uma baita decepção.
Por Alexandre Koball, em 15/05/2017 | 09:50:19 h
Pôxa, Heitor, que nota baixa, e você gostou de Prometheus (7,5).

Estava com muita expectativa do Ridley, adorei Prometheus.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Alien: Covenant
(Alien: Covenant, 2017)
• Direção:
- Ridley Scott
• Elenco Principal:
- Michael Fassbender
- Katherine Waterston
- Billy Crudup
• Sinopse: Dez anos depois dos eventos de Prometheus, a caminho de um planeta remoto no lado mais longínquo da galáxia, a tripulação da nave colonial Covenant descobre o que eles julgam ser um paraíso inexplorado, mas na verdade é um mundo sombrio e perigoso, c...
 FILMES RELACIONADOS
• Aliens - O Resgate
• Prometheus
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE