FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Apocalypto

(Apocalypto, 2006)
Por Silvio Pilau Avaliação:                 8.5
Apesar de pequenos problemas, Apocalypto é impecavelmente filmado e muito empolgante.

É possível encontrar uma espinha dorsal na filmografia de Mel Gibson como diretor: em todas as suas obras há uma atração indelével pela violência, como se retratar a crueldade do ser humano fosse uma missão sua. Foi assim em Coração Valente, A Paixão de Cristo e agora no recente Apocalypto.

Esta característica, porém, não impediu Gibson de realizar bons trabalhos. É verdade que, apesar de impactante, A Paixão de Cristo possui diversos problemas, mas o excelente e multipremiado filme sobre William Wallace e esta incursão no mundo dos maias no século XVI são obras de inegável qualidade narrativa.

O roteiro traz a história de Jaguar Paw, integrante de uma pequena aldeia maia em um período de decadência desta civilização. Com uma esposa grávida e um filho, Jaguar dedica seu tempo à caça e à convivência com a família, até que a comunidade é atacada por uma tribo vizinha. Após conseguir deixar sua esposa e filho em local seguro, Jaguar é levado para as instalações da outra tribo, muito mais avançada em estrutura. Agora, ele precisa escapar para se reencontrar com a família.

Apocalypto é mais um exemplo da qualidade de Gibson como diretor. Divido em três atos bastante específicos, a obra é uma monumental realização, impecável em termos visuais e eficiente em sua narrativa. Se fosse preciso classificá-lo em algum gênero, Apocalypto poderia ser definido como um filme de ação que oferece tudo aquilo que o público pede.

O primeiro ato da obra é o que constrói a base de todo o restante. Sem pressa nenhuma em apresentar os personagens e a relação entre os integrantes da aldeia, Gibson consegue fazer com que protagonista e coadjuvantes se tornem queridos ao público, aspecto fundamental para que a jornada a seguir se torne interessante. Há, inclusive, alguns momentos de humor bem colocados e nada destoantes com o tom do filme até então.

Logo em seguida, o cineasta começa a circular pelo terreno no qual parece mais à vontade: a capacidade de causar impacto na platéia. Após uma cruel e tensa seqüência envolvendo a invasão da aldeia, Gibson e os prisioneiros são carregados a uma civilização muito mais avançada que a apresentada até então, maravilhando o espectador com um visual estarrecedor e uma recriação de época estupenda.

E esta é uma das maiores qualidades de Apocalypto. Tudo no filme parece autêntico. Desde as roupas, maquiagem e cicatrizes dos personagens, passando pelos rostos desconhecidos dos atores e a brilhante direção de arte, Apocalypto realmente consegue levar o espectador a outra época. Claro que para isso também colabora a opção de fazer com que o filme fosse falado em sua língua original, trazendo impressionante veracidade à obra (caminho utilizado por Gibson também, com sucesso, em A Paixão de Cristo).

Já o terceiro e final ato de Apocalypto resume-se a uma longa e empolgante cena de perseguição na selva. Durante os aproximadamente 40 minutos de ação ininterrupta, Jaguar se transforma em uma espécie de John Rambo e vira o jogo contra seus perseguidores, usando a vantagem de conhecer a floresta. Graças à identificação entre platéia e personagem, a seqüência jamais se torna cansativa, uma vez que o espectador está sempre torcendo para o protagonista.

Claro que isso deve-se também à habilidade de Gibson como diretor. Com um enredo simples, mas bem contado, e o acompanhamento técnico de qualidade (figurino, maquiagem, trilha e direção de arte), o cineasta constrói cenas esteticamente belíssimas e emocionalmente impactantes. Sabendo como poucos criar um quadro de tirar o fôlego, Gibson entrega ao espectador tomadas como as de cima da pirâmide onde ocorrem os sacrifícios, a de Jaguar desafiando os inimigos na cachoeira e a surpreendente cena envolvendo um parto.

No entanto, é indiscutível que o aspecto de Apocalypto que mais salta aos olhos é violência. Gráfico e por vezes até exagerado, o excesso de sangue da obra vai incomodar aos espectadores mais fracos. É indiscutível, porém, que a violência presente acaba por trazer ainda mais tensão à jornada de Jaguar, uma vez que a platéia sabe que o personagem corre perigo real. Mesmo assim, Gibson poderia ter segurado a mão: diversos momentos são dispensáveis, como o sangue jorrando de uma cabeça aberta ou o ataque de uma pantera no rosto de um personagem.

Outro problema do filme é o fato Apocalypto esclarecer pouco sobre a cultura maia. Aqui, os fatos vão se sucedendo e coisas aparecendo sem que seja explicado o significado delas, como os prisioneiros serem pintados de azul. Claro que explicações a toda hora certamente tornariam o filme falso e expositivo demais, mas Gibson perdeu uma boa oportunidade de iluminar um pouco a mente do público sobre uma cultura tão pouco conhecida.

Mas estes são pecadilhos que pouco pesam contra Apocalypto. Quem pretende ver um filme impecavelmente filmado, com cenas empolgantes e uma história com conexão com a platéia certamente sairá satisfeito. Gibson construiu um filme selvagem, emocionante e grandioso, com diversas seqüências memoráveis. Exatamente o que se esperava dele.

Por Silvio Pilau, em 07/02/2007 Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 8.5
•  Média 7.2
Notas - Usuários
7.1 (424 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (1)
Por Cristian Diego Oliveira Bruno, em 22/11/2013 | 16:49:27 h
Gibson prova seu talento como diretor, apesar do gravíssimo deslize em Paixão de Cristo. Belo filme.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Apocalypto
(Apocalypto, 2006)
• Direção:
- Mel Gibson
• Elenco Principal:
- Rudy Youngblood
- Dalia Hernandez
- Jonathan Brewer
• Sinopse: Quando a sua existência idílica da civilização maia é brutalmente transformada por uma força violenta e invasora, um homem é levado numa jornada perigosa para um mundo governado pelo medo e pela opressão, onde uma morte aterrorizante o aguarda. Atrav...
 FILMES RELACIONADOS
• A Paixão de Cristo
• Coração Valente
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO