FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Arranha-Céu: Coragem Sem Limite

(Skyscraper, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:               7.0
Tensão vermelho-fogo.
imagem de Arranha-Céu: Coragem Sem Limite
Com três filmes lançados num espaço de 7 meses, todos como protagonista, há de ser uma espécie de recorde a situação atual de Dwayne Johnson, para sempre The Rock. Os dois anteriores, a nova versão de Jumanji e Rampage, somam um total de quase 1,5 bilhão no mundo todo, confirmando sua posição como o astro mais rentável do cinema na atualidade. A bordo de produções repletas de ação e efeitos especiais, The Rock acrescenta no molho de seus filmes doses fartas de diversão familiar. O risco pelo qual se passa nos seus projetos são reais, mas nada de muito ofensivo ou pesado é colocado em cena. Há uma preocupação clara para que o público não se restrinja, ao mesmo tempo em que as produções precisam se mostrar ágeis e com um senso de urgência que façam a plateia se conectar durante aquela hora e meia.

Dos três, Arranha Céu: Coragem Sem Limite é o mais efetivo tecnicamente. Dirigido por mais um parceiro dele, Rawson Marshall Turber, que também dirigiu um outro hit do astro, Um Espião e Meio, e ao menos um filme muito interessante, Família do Bagulho, de muito sucesso, mas nenhum dos dois tinha uma elaboração visual ou técnica muito amplificada. Aqui, Turber conta com um auxílio pra lá de luxuoso, Robert Elswit. Traduzindo, o fotógrafo de Paul Thomas Anderson, vencedor do Oscar por Sangue Negro, e que ainda tem no currículo Boa Noite e Boa Sorte, 8 MM, Syriana, O Abutre e tantos outros momentos formidáveis. O pensamento mais óbvio é que já existia uma intenção imagética elaborada, e essa opção é clara na tela - o trabalho de correção de cor do filme é muito poderoso, mais que os enquadramentos, que tem sim um diferencial em relação aos demais blockbusters, mas o colorido do filme, o acerto da colorização é um ponto alto, transforma a experiência.

A trama não é um ponto alto desse tipo de produção, uma atualização do Duro de Matar do McTiernan com uma pitada da catástrofe de Inferno da Torre, mas sem as baixas vistas no segundo. Como dito no início do texto, é claramente uma produção que não abre mão de público. Pra isso, as muitas cenas de tiroteio não têm mortes em close, o sangue especificamente só aparece em uma cena, e os outros vilões são mortos em esquema de 'desaparecimento' (quedas do prédio, explosões, etc). Isso é um problema quando a proposta é outra que não a já conhecida por essas produções, então o esquema não incomoda muito. Como é também uma produção com capricho técnico, esse esquema desce sem prejuízos... aliado ao ritmo frenético que o filme nunca esconde a intenção de ter, temos um programa de primeira.

Aliado ao fato de que nosso protagonista é um poço de carisma, um cara que vende muito bem a intensidade de seus personagens e que consegue com facilidade convencer em esquema mais sério ou mais leve, talvez isso justifique o fato de The Rock estar no número 1 do podium hoje, e o filme só mantém seu nome no topo. O longa ainda tenta trazer uma atriz esquecida de volta a ribalta, e Neve Campbell dá conta do recado com uma mocinha nada típica. As credenciais de seu parceiro de cena são conhecidas pela carreira e por um flashback que justifica como eles se conheceram e também o fato dele ter uma perna amputada (aspecto esse que rende muitas cenas excelentes), mas as de sua esposa são apresentadas durante o filme, e Neve corresponde ao que se espera quando suas habilidades são narradas. Em cenas repletas de adrenalina, a eterna Sidney Prescott da série Pânico mostra porque o cinena a subutilizou.

Pra completar o quadro de acertos, é muito bom perceber como John Wick foi positivo para o cinema. Os cineastas e seus longas foram sendo moldados nos últimos anos pelo cinema de Johnnie To e da dupla David Leitch e Chad Stahelski, que foram adaptando e refinando sua visão, sua mise-en-scene. Não estou dizendo que o nível é o mesmo, mas Arranha Céu tem algumas cenas muito especiais, como a primeira luta na qual se envolve o protagonista, num quarto de hotel, de coreografia elaborada, como todo o clima de tensão envolvendo a cena-chave do filme (a do salto) é construída com profundo respeito e cuidado, criando uma experiência incômoda e fascinante, mas principalmente o clímax final, numa estrutura que reproduz uma sala de espelhos, em referência que nasce no Dama de Shangai de Orson Welles e já tinha vindo parar no The Guest de Adam Wingard, que encerra com profundo bom gosto e muita tensão um filme pipoca aditivado por uma vontade de ir além. 
Por Francisco Carbone, em 12/07/2018
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 7.0
•  Média 7.0
Notas - Usuários
6.8/10 (7 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Arranha-Céu: Coragem Sem Limite
(Skyscraper, 2018)
• Direção:
- Rawson Marshall Thurber
• Elenco Principal:
- Dwayne Johnson
- Neve Campbell
- Pablo Schreiber
• Sinopse: Líder da equipe de resgate de reféns do FBI e veterano da guerra dos EUA, Will Sawyer agora avalia a segurança dos arranha-céus. Em missão em Hong Kong, ele encontra o prédio mais alto e seguro do mundo, de repente, em chamas, e acaba sendo culpado p...
 FILMES RELACIONADOS
• Boa Noite e Boa Sorte
• Duro de Matar
• Família do Bagulho
• Jumanji
• O Abutre
• Pânico
• Sangue Negro
• Um Espião e Meio
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE