FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

As Boas Maneiras

(Boas Maneiras, As, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:               7.5
Guerra social sob a luz do luar.
imagem de As Boas Maneiras
Juntos ou separados, Juliana Rojas e Marco Dutra já se provaram, em longas e curtas; não precisam mais correr atrás de verdades ou de aprovações. Antes da comoção merecida em torno da revolução de gênero no mundo, que o Brasil está seguindo feliz, eles já apontavam nessa direção e faziam seus filmes que nem crítica social ao horror nosso de cada dia, híbridos cheios de múltiplos significados e funções e que trouxeram primeiro dentro dos curtas e caminhando até os longas uma perspectiva de sobrevivência na nossa cinematografia apenas nessa seara, mas com possibilidades de sair dessa zona de conforto. Trabalhando com um esquema de poucos e bons amigos, já conseguimos identificar assinaturas não apenas visuais como de escalação. Isso tudo, ao invés de engessar as produções, promove o contrário, já que eles tratam sempre de quebrar as formas.

O projeto As Boas Maneiras existe há alguns anos, e o primeiro teaser pôster, lançado antes de qualquer imagem filmada, confirmou a premissa ligada à licantropia que se aventava desde sempre. Uma vez mais, não interessa aos autores de Trabalhar Cansa apenas um lado do horror, e o horror deles engloba tantas possibilidades, reais ou fabulares, que a qualquer nova virada é bom ficar de olho se virá sangue ou um ataque social. Ou os dois. Lidando com o nosso passado escravagista como reflexo das relações que se construíram entre senhores e patrões, brancos e negros, dominados e dominantes, o painel de possibilidades que Marco e Juliana abre a partir de um núcleo bem fechado exemplifica como eles passam longe do lugar comum do gênero, e mesmo do original que se propõem por aí, indo eles numa construção aqui artificializada que casa com perfeição a proposta de repensar contos de fadas e suas origens.

Dessa vez, o olhar da dupla não é para a crise econômica que já estava galopando bem na época de seu primeiro longa juntos e que serviu de mote lá. Aqui a crise é moral e ancestral, e coloca Isabel Zuaa e Marjorie Estiano a princípio em lados opostos de uma mesma pirâmide social, a sinhazinha desprotegida que volta a precisar dos serviços de uma senzala moderna, porém tão retrógrada e absurda quanto completa. Aos poucos essa relação se desconstrói, assim como na segunda parte o efeito oposto será refeito, onde o jogo de espelhos reversos do filme irá se intensificando a cada nova passagem em cada capítulo. Sim, As Boas Maneiras se passa em dois momentos, que criam juntos uma aquarela onde fábula e realidade são pintadas juntas. Ainda que dessa fábula muito do real execrável seja mostrado e revivido, infelizmente.

O trabalho do fotógrafo Rui Poças é majestoso e inebriante, criando quase duas paletas de cores distintas para cada capítulo, onde cada elemento do trabalho cenográfico igualmente exemplar de Fernando Zuccolotto é realçado pela luz de sua fotografia, que transforma a primeira parte do filme em algo de lúdico e de colorido, em contraponto à segunda parte de cor mais realista. O trabalho das protagonistas é igualmente feliz, e ambas também se movimentam de formas diferentes de uma parte para outra, quando ambas se sobressaem mesmo na primeira, com riqueza de composição e química implacável. O elenco coadjuvante, que entra em cena na segunda metade, não segura tão bem quanto elas, e isso é visível no resultado final do conjunto de elenco, ainda que a maioria seja da trupe dos diretores e já tem passagem livre nos sets deles. A notar ainda na primeira parte a participação sempre estonteante de Gilda Nomacce, que não precisa de mais que 5 minutos pra mostrar sua extrema sensibilidade e talento.

Ao final (ou a partir da metade), a dúvida: porque dividir o filme em dois? Ainda que as metáforas sobre a alternância das regras entre os menos favorecidos na sociedade seja certeira, e ainda que o filme se encerre com um frame dos mais poderosos da atualidade, a impressão que se tem é que toda a história foi contada na parte inicial do filme, e a segunda ao invés de somente expandir as questões traz um viés diferente para a narrativa, que desce de maneira bem menos natural no que diz respeito às amarras do roteiro. Com o impacto diluído por reforçar sua mensagem, Marco e Juliana têm a seu favor sua primeira emblemática parte, que caso estivesse sozinha estaria tranquilamente entre os grandes filmes da década.

Visto no Festival do Rio 2017

Por Francisco Carbone, em 13/10/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Daniel Dalpizzolo 6.5
• Heitor Romero 8.0
• Marcelo Leme 8.0
• Francisco Carbone 7.5
• Felipe Leal 7.5
•  Média 7.3
Notas - Usuários
7.1/10 (66 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Edgar Vinícius Oliveira, em 26/08/2018 | 22:03:05 h
Ótima crítica e filme muito bom. Concordo que a primeira parte é ótima e se fosse só ela com alguns minutinhos a mais seria uma obra prima.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Boas Maneiras, As
(Boas Maneiras, As, 2017)
• Direção:
- Marco Dutra
- Juliana Rojas
• Elenco Principal:
- Isabél Zuaa
- Marjorie Estiano
- Miguel Lobo
• Sinopse: Clara é uma enfermeira que consegue trabalho como doméstica no apartamento de Ana, mãe solteira nos últimos meses de gravidez. A princípio, a relação entre ambas é somente de patroa e empregada, mas logo se transforma, ainda mais depois de uma noite ...
 FILMES RELACIONADOS
• Trabalhar Cansa
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE