FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

As Duas Irenes

(As Duas Irenes, 2017)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:               7.5
O poder dos pequenos momentos.
imagem de As Duas Irenes
Na maioria dos filmes, no momento em que a irmã do meio Irene descobre que seu pai não só tem outra família mas também outra filha também de nome Irene, o pathos do típico drama burguês encontraria a oportunidade perfeita: choveriam cenas chorosas, diálogos didáticos, confrontos previsíveis e música extradiegética sentimental e intensa. Em As Duas Irenes, longa ficcional de estréia do curta-metragista e documentarista Fábio Meira, não é bem o que acontece. 

O filme de atmosfera sobretudo austera também é, além de um filme de trama, também um filme de formação, sobre uma adolescente rebelando-se contra o mundo mágico dos pais, experimentando os típicos rituais de iniciação da adolescência (vaidade, álcool, beijos e o sexo oposto); e também é um filme de duplos, onde protagonista e deuteragonista espelham-se uma na outra, descobrindo a vida da menina homônima até então desconhecida, onde vidas espelhadas marcadas por omissão parental desaguam em diferentes respostas.

Diferente de outros filmes que procuram exagerar ou desconstruir o típico drama burguês, a obra de Fábio Meira o nega em larga escala, trabalhando em elipses que recortam os pequenos momentos de diálogo e conflito interno, frequentemente afunilando a tensão para desmanchar a mesma no anticlímax; a relação com os pais compartilha momentos tão ternos quanto conflituosos, com a primeira Irene que conhecemos em um misto de raiva, curiosidade e admiração pelo pai, e ao mesmo tempo desiludida com o mundo de conto de fadas regrado e farsesco do interior brasileiro proposto pela mãe. 

O que leva justamente As Duas Irenes a ser uma desconstrução da típica história de reviravoltas de trama é a sua preocupação com as histórias-espelho, com a incompletude de ambas as narrativas. É aí que entra a outra Irene, já com vários amigos, pretendentes, muito mais próxima da mãe que sua contraparte; mas que sente ainda mais a ausência do pai, procurando por um namorado entre os meninos que beija no cinema, mas sempre decepcionando quando os mesmos escolhem outras garotas e, como o seu pai, tornam-se ausentes.

Na outra Irene, ela procura a família nuclear, não almejando a aparência de perfeição mas antes a completude. Filha única, deseja ter uma irmã, compartilhar experiências, amadurecer, transitar entre a criança e o adulto. Já a meio-irmã procura a liberdade, seja em vestir-se, conhecer novas pessoas, a ausência de julgamento.

Não à toa, o mote do duplo nasce no primeiro enquadramento que compartilham juntas: ambas no espelho, uma encarando a outra, descobrindo-se. Por todo o restante da metragem do filme, compartilharão a busca por semelhanças, diferenças e experimentação. Com o resto do elenco a história é sobretudo de confrontação; a primeira Irene procura na mãe da meio-irmã uma mãe mais afetuosa e que viva menos das aparências; procura com a meio-irmã algo que não pode ter com as irmãs “por inteiro”, já que a mais velha acaba de fazer quinze anos e sonha com um vestido branco e receber os cumprimentos do prefeito; e com o pai, procura enfrentá-lo, mandar indiretas, tentar entender o que levou a ter duas famílias.

É nesses momentos em que valoriza o silêncio, os olhares, as frases interrompidas, que o filme alcança o seu melhor, com alguns dos confrontos diretos até destoando um pouco do tom naturalista, onde abundam planos-sequências, personagens reenquadrados e focagem seletiva, criando espécies de prisões familiares para seus personagens. 

É o caso do longo plano, por exemplo, onde a irmã mais velha tenta ensinar a irmã mais nova a como caminhar de maneira elegante. Irene, por sua vez, é vista por nós através de um dossel de cama, enquanto provoca fazendo mímica de cigarro e é constantemente repreendida por sua irmã. É o caso também dos planos onde filma-se a branca e iluminada sala de jantar vista do corredor escuro, enquanto a mãe das três filhas ensina bons costumes às três e Irene sempre sai como a mais desajustada, a que não aguenta esperar pelo pai que está na casa da outra família, que conta histórias para espantar o tédio, que é constantemente corrigida. 

As Duas Irenes é uma surpresa e tanto para um cinema que procura constantemente seu rumo, qual linguagem deve seguir, se atende à uma indústria de gênero ou se tenta competir com os circuitos alternativos e suas temáticas de cunho social e formalismo radical. Aqui há um típico conflito a ser carregado pelo resto da trama, mas seu desenvolvimento é muito mais observacional, testemunhando pequenas angústias e conquistas da rotina que preenchem uma situação inusitada. Um minimalismo para alcançar grandes mudanças, de forma que no final a história nos levou para outro lugar e, imersos naquela rotina, mal nos apercebemos disso.
Por Bernardo D.I. Brum, em 18/09/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Bernardo D.I. Brum 7.5
• Pedro Tavares 6.0
• Felipe Leal 9.0
•  Média 7.5
Notas - Usuários
8.1/10 (4 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Duas Irenes, As
(As Duas Irenes, 2017)
• Direção:
- Fabio Meira
• Elenco Principal:
- Priscila Bittencourt
- Isabela Torres
- Marco Ricca
• Sinopse: Menina de 13 anos descobre que o seu pai tem uma outra família, incluindo uma outra filha com seu próprio nome - Irene.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE