FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

As Herdeiras

(Las Herederas, 2018)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:                 8.0
Uma Assunção íntima e pulsante.
imagem de As Herdeiras
Em seu primeiro filme longa-metragem, o diretor Marcelo Martinessi continua o caráter memorialista visto em curtas como A Voz Perdida (2016), que falava sobre o massacre ocorrido em Curuguaty em 2012 ou Karai Norte (2009), sobre a Guerra Civil Paraguaia de 1947 que deixou cerca de 30.000 mortos entre civis e militares. Com As Herdeiras, a abordagem de Assunção sobre a burguesia não é diferente.

Chela e Chiquita são um casal onde as duas mulheres descendem de ricas famílias, mas agora têm de lidar com a transformação do tempo. Já no início do filme, aprendemos que estão vendendo os bens para conseguir pagar a casa e que Chiquita irá passar um tempo na prisão por fraude. Isso força Chela, alienada da vida, acostumada a um cotidiano regrado, silencioso e asséptico, a sair de casa, onde encontrará novas experiências que ressignificam a vida que levava até então. 

Primeiro, Chela começa a dirigir uma espécie de táxi particular para velhas senhoras ricas. Espectadora nesse tipo de situação, vê as mesmas fofocarem, dispararem pequenas crueldades e serem frequentemente incisivas. Ainda assim, recém-chegada à terceira idade, tendo sua relação aparentemente oculta do resto do mundo e tendo que vender seus bens para poder continuar tendo um teto, é uma deslocada daquelas pessoas que vivem e habitam em seu entorno: não à toa, Martinesse sempre enfoca Chela à espera na antessala e desfoca em segundo plano as senhoras no salão de jogos. São pessoas que estão perto mas, ao mesmo tempo, muito distantes.

Segundo, o surgimento de Angy na narrativa, uma mulher mais jovem que pede ajuda a Chela para transportar sua mãe para tratamento em uma cidade distante. Entre esperas e conversa, surge um novo sentido na vida de Chela: além de transportar senhoras, visitar Chiquita na cadeia e lamentar-se para a doméstica Paty; a conexão emocional surgida no maior vazio da sua vida dá-se com uma mulher experiente mas ao mesmo tempo de energia jovial e sensual, não deixando ser dominada pelos namorados e ensinando uma ou outra rebeldia à Chela (usar óculos escuros e fumar, comportamentos tipicamente de adolescentes e jovens adultos) preenche e ao mesmo tempo balança a personagem principal, que passa de mera espectadora e sofredora passiva a uma participante ativa, alguém com sua própria narrativa.

Martinessi tem uma maneira bem particular de mostrar isso. Sombras dominam os rostos dos seus personagens - a luz natural e as externas só são reservadas para momentos específicos. Na maior parte do tempo, tudo enclausura Chela - sua velha e antiga casa visitada por compradores, a prisão e os lamentos de Chiquita, a casa onde as senhoras idosas vão jogar. A questão do foco, também, é marcante: o diretor utiliza do recurso para “descolar” a personagem do mundo, alienando-a da realidade, que chega como surpresa às cenas completamente focadas, onde a figura principal compartilha a definição com outros companheiros de cena ou apenas com seu fundo - junto com Chela, o espectador aprende a novamente perceber o mundo.

A montagem econômica e de poucos cortes, os planos demorados e os grandes silêncios dão origem a outro recurso: o reenquadro - ou quadro dentro do quadro servindo como ponto de vista. A utilização mais comum é Chela vendo os compradores sem falar com eles - ela observa atrás da fresta de uma porta dupla, transformando o espectador em voyeur ao “falsear” uma razão de aspecto quadrada ao invés do habitual retangular da atualidade. A visão é centralizada, perde-se a percepção do todo - e não é a única vez em que o filme usa esse bloqueio de maneira narrativa: até a personagem tomar ações de fato, tudo parece distante, tudo parece feito apenas para ser assistido e jamais participar. O filme parece ser mais sobre decadência e menos sobre uma passagem, que é semeada lentamente.

Com um título que alude tanto à situação social de suas personagens quanto ao legado e memórias que carregam de outros contextos políticos e sociais, As Herdeiras ganhou o prêmio de Melhor Atriz para Ana Brun como Chela, que passiva de início, acaba carregando o filme nas costas e silenciosamente tornando-se dominante em cenas, da quietude e da introspecção para a ação de fato, pela imposição sutil sobre o mundo através de diálogos, chegando ao final do filme uma pessoa transformada, com resquícios de antes mas com traços do futuro já definidos. O final aberto é simbólico nesse sentido e habitou o filme todo, pois não é um guia a ser seguido, mas uma jornada a ser descoberta pelos nossos passos e nossas escolhas.  
Por Bernardo D.I. Brum, em 30/08/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
6.6/10 (6 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Herdeiras, As
(Las Herederas, 2018)
• Direção:
- Marcelo Martinessi
• Elenco Principal:
- Ana Brun
- Margarita Irun
- Ana Ivanova
• Sinopse: Duas irmãs herdeiras da fortuna de uma abastada família paraguaia chegam à terceira idade e percebem que não têm mais dinheiro para manter o padrão de vida que sempre levaram.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE