FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Aterrorizada

(The Ward, 2010)
Por David Campos Avaliação:               7.0
John Carpenter’s mirrors.

Dez anos já decorreram desde Fantasmas de Marte (Ghosts of Mars, 2001), último longa-metragem de John Carpenter. Nesse ínterim, ele dirigiu apenas dois episódios da série de televisão Mestres do Terror (Masters of Horror): o excelente Pesadelo Mortal (Cigarrete Burns, 2005) e Pro-Life (idem, 2006). Por causa desse intervalo de tempo, foi possível prever que um novo trabalho do mestre suscitaria uma espécie de frenesi nos fãs mais devotos.  E aqui está Aterrorizada (The Ward, 2010) comprovando a antevisão.

É preciso dizer, primeiramente, que assistir a Aterrorizada é mais gratificante para quem já se aventurou pela obra de Carpenter. Analogamente, é interessante retomar o conteúdo de O Enigma do Outro Mundo (The Thing, 1982), Os Aventureiros do Bairro Proibido (Big Trouble in Little China, 1986) e O Príncipe das Sombras (Prince of Darkness, 1987), filmes cujas histórias se passam em terrenos perigosos e pouco desbravados pelas personagens. Nesse mais recente projeto, conhecemos Kristen (Amber Heard), uma jovem que é capturada e internada em um hospital psiquiátrico, onde firma amizade com outras moças e é perseguida por uma entidade sobrenatural que ali reside. À exceção da cena em que a vemos incendiar uma misteriosa casa, durante os nossos primeiros contatos com a loura, podemos observar que suas atitudes revelam mais estabilidade mental que loucura.

Apesar dos acertos perceptíveis, o filme indignou muitos críticos e admiradores da obra do diretor. Comentários que citam a simplicidade e obviedade do roteiro, a assepsia diegética, a beleza exagerada das personagens, o desfecho previsível, entre outras coisas, surgiram em profusão em alguns sites especializados, blogs e redes sociais. Eu, entretanto, prefiro acreditar que um filme de John Carpenter não pode ser julgado apenas por esses elementos, o que não quer dizer que não possuam, em maior ou menor grau, importância. É imprescindível ressaltar que, antes de tudo, seus trabalhos estudam com invejável perícia e lucidez o medo e as adversidades extremas de realidades quase inconcebíveis. Além disso, o desenvolvimento de Aterrorizada, ao contrário do que muitos pensam,não deixa transparecer algo tão límpido, pois ele trata de um documento mental, de estilhaços de um colapso interior já anunciado nos créditos iniciais através do esfacelamento de espelhos que refletem imagens aterradoras.

O que impressiona, todavia, é como, apesar dos pontos negativos mastigados até a exaustão por muitas pessoas (incluindo uma reviravolta que pode não despertar muito entusiasmo em alguns espectadores), a mão de um grande diretor acolhe todos os excessos e dá-lhes funções imprescindíveis dentro da trama. A ambiência típica dos melhores trabalhos anteriores foi satisfatoriamente reconstruída e o destaque dado a algumas personagens (femininas) mais frágeis, que não carregam todas as intrépidas e paradigmáticas características dos protagonistas interpretados por Kurt Russel e outros ícones, ocupa um espaço relevante dentro desse processo de reorganização e redimensionamento estilístico. Evidentemente, não se trata de uma obra-prima; contudo, também não é uma nota de aposentadoria. E, tentando deixar de lado a visão de fã, posso dizer que o resultado supera as expectativas. Estamos lidando com um filme objetivo e equilibrado, que respeita seus limites e, por isso, não pode ser dilacerado pelos critérios comuns aplicados na apreciação de algumas obras cuja mediocriadade jamais permitiria que fossem colocadas ao lado de qualquer coisa feita por John Carpenter.

A última cena, que foi bastante repudiada também, apresenta, entretanto, algo certamente interessante. Uma personagem, supostamente curada, está diante de um espelho sem luz - que não absorve sua imagem, portanto; o espelho morto e vaporizado sugere, ao que tudo indica, que ela ainda não encontrou a si própria e, ao mesmo tempo, que as outras imagens apresentadas pelos fragmentos do início do filme foram embora, não a perseguem mais. A dúvida é a única coisa da qual podemos lograr. Então, será que aquelas projeções não constituíam parte indissociável de seu caráter? Será que expurgar aquelas vidas não seria uma autonegação, aqui alegorizada pela falta de reflexo? Logo após, apreciamos uma sacada, pra lá de previsível, que remonta aos desfechos da maioria dos trabalhos de Carpenter. Sobem as letras.

Esse ambíguo ato final pode não elevar a qualidade do conjunto, mas com certeza foi bem lapidado. Portanto, um filme para John Carpenter, realizador que sabe onde pisa, é sempre uma consistente e aprazível experiência, ainda que não seja genial ou inovadora. Nessa retomada, percebemos que a agregação flamante de características inabaláveis do gênero, além de evidenciar o valor do trabalho de um nome mítico que está de volta para ser apreciado por outros públicos e que nos convida a uma singela incursão por sua obra. Aterrorizada é um exercício de flexão lépido e certeiro, um conto claustrofóbico repleto de imagens solidificadas pela consciência cinéfila e uma névoa tenaz, porém passível de dissolução, desde que exista um movimento dialógico e, consequentemente, um envolvimento verdadeiro entre espectador e filme, claro. Enfim, um filme B bastante operante.

Atenção: a quem ainda não assistiu ao filme, sugiro que retome o penúltimo parágrafo, para entendê-lo melhor, assim que o fizer, pois o que nele está escrito carece de mais objetividade e exemplificações em decorrência da minha escolha de não revelar o final.

Por David Campos, em 05/08/2011
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 2.0
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Josiane Ka 3.0
• Vlademir Lazo 7.0
• Marcelo Leme 5.0
• Victor Ramos 6.5
•  Média 4.9
Notas - Usuários
5.7/10 (99 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Dave Campos, em 09/09/2011 | 16:56:38 h
Pois é, Rodrigo, concordo com quase tudo que você disse. Aterrorizada é uma experiência que Carpenter realizou dentro dos moldes do cinema de terror pasteurizado estadunidense. Por isso, é um filme menor. O mais importante, no entanto, é ver o quanto ainda podemos esperar do cara. Também não achei a reviravolta excepcional. Eu gostei mesmo foi da habilidade incontestável que ele mostrou ao adaptar seu modus faciendi às expectativas "fast-food" do atual público consumidor e como - em uma época tão acre para o gênero - diluiu, sem perder a elegância de outros tempos, diversos arquétipos essenciais para esse tipo de história. Mesmo que este filme aqui seja melhor que muitas coisas que vemos por aí atualmente, não é o mais indicado para quem quer se iniciar em sua filmografia. Ah, e é aquela coisa: continuo achando que The Ward supera as expectativas, justamente por seguir esse padrão clichezado e se sobressair; contudo, não é máximo que poderíamos esperar se levarmos em consideração a obra inteira de John Carpenter. Em suma: filme destacado entre aqueles que se erguem sobre bases capengas; filme inferior dentro da magistral filmografia do autor.
Por Rodrigo Barbosa, em 08/09/2011 | 16:06:38 h
Um filme cheio de seus altos e baixos, na minha opinião. Sempre adorei a forma com que o John conduz a câmera em seus filmes. Ele é um tipo de diretor decidido, sabe para onde deseja que o telespectador olhe. Sabe viajar pelos ambientes de uma forma assustadora e isso, para mim, é o que lhe faz o mestre que é, para toda uma geração. Mas não posso negar que este filme me decepcionou em alguns pontos, a maior parte deles já citados pelo David. Roteiro e personagens foram os maiores problemas na minha opinião. A dubiedade tão citada, na realidade é mostrada de uma forma tão superficial que não me fez, como telespectador, mudar de uma hora para outra, a concepção sobre a personagem envolvida na reviravolta. Toda a explicação soou bastante forçada e um tanto quanto inverossímil, se levado ao crivo da racionalidade. Mas como Carpenter nunca foi um diretor prostrado à racionalidade, então, se assistido sem nenhuma expectativa maior de estar lidando com uma obra-prima do cinema de terror, "Aterrorizada" torna-se bem digerível e até divertido. Mas nada demais, nada demais mesmo.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Aterrorizada
(The Ward, 2010)
• Direção:
- John Carpenter
• Elenco Principal:
- Amber Heard
- Mamie Gummer
- Danielle Panabaker
• Sinopse: Uma garota que está sob cuidados psiquiátricos e faz amizade com outra paciente da mesma clínica psicológica onde elas estão internadas. Juntas, elas descobrem assombrações que rondam a clínica durante a noite.
 FILMES RELACIONADOS
• Fantasmas de Marte
• O Príncipe das Sombras
• Os Aventureiros do Bairro Proibido
• Pesadelo Mortal
• Pro-Life
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE