FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Batman vs Superman: A Origem da Justiça

(Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016)
Por Guilherme Bakunin Avaliação:               7.0
Um filme que arrisca ao se levar a sério.
imagem de Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Batman vs Superman - A Origem da Justiça se desenvolve em torno dum eixo central que ultrapassa os limites de um filme. Os dois personagens mais icônicos do universo DC são também os dois heróis mais notórios das histórias em quadrinhos americanas. Bruce Wayne e Clark Kent são dois baluartes da cultura popular, empurrada goela abaixo no segundo mundo através da expansão cultural dos Estados Unidos pós-Segunda Guerra.

Essa observação não visa desculpar o filme de Zack Snyder por qualquer coisa, mas apenas reconhecer que, enquanto personagens, Batman e Superman são muito mais do que somente isso. Juntos (e juntos de tantos outros) eles constituem uma fatia importante do patrimônio cultural da humanidade do século XX – e parte do que eu acho a respeito de super-heróis se revolve muito nesse recorte histórico: eles pertencem ao século passado. A emergência duma espécie de heroísmo calcada na falha, na incerteza e no entrelaçar-se do herói com um mundo profundamente corrupto (moral e espiritualmente, enfim) já é capaz por si só de definir Batman e Superman como figuras anacrônicas de um passado cada vez mais distante.

Por sorte, autores anteciparam ainda nos anos 1980 a derrocada do heroísmo retilínio, criando histórias ambientadas em universos paralelos e abrindo caminho para que novas articulações pudessem ser realizadas mantendo os heróis vivos, pulsantes e numa retransformação constante. Uma dessas histórias supostamente é O Cavaleiro das Trevas, adaptado por Nolan em 2008, para delírio dos fãs de super-heróis. O filme, na verdade, não me tira mais do que bocejos, além de uma admiração hipnotizante por Hearth Ledger que roubou o filme para si, como poucas vezes vi na história do cinema um ator fazer, antes de se despedir fatalmente de nosso mundo.

O que eu tenho tentado dizer, enfim, é que eu não reconheço o Batman de Christian Bale como um anti-herói de verdade. O personagem de Bale é marcado por incertezas e dúvidas a respeito de si mesmo, mas O Cavaleiro das Trevas não chega nem perto de alcançar algum tipo de subversão moral em termos de protagonismo/antagonismo como consegue, pra ficar num exemplo popular, Death Note. Talvez esse seja um desacerto de Nolan, ou algum tipo de travamento mercadológico exigido pelo estúdio, ou talvez o que apareça na tela seja realmente o que Frank Miller realizou em 1986.

Não sou um completo ignorante a respeito de histórias em quadrinhos, mas sou bastante ignorante. Já li algumas histórias (como All Star Superman), mas além do impacto político e cultural causado pelas histórias no mundo real, pouca coisa a respeito do universo das hqs americanas me interessou. Ainda assim, decidi ir ao cinema para ver Batman vs Superman, não tanto motivado pelo tão antecipado confronto entre os dois super-heróis, quanto pelo interesse, de certa forma distante, em acompanhar algo que se parece muito como uma alternativa ao Universo Cinematográfico da Marvel.

Imediatamente duas coisas me chamaram a atenção no filme de Snyder, principalmente levando em consideração os filmes da franquia Marvel: o Batman de Ben Affleck é claramente motivado pelo ciúme e pela vaidade, sua jornada pessoal dentro da história sendo construída em subterfúgios psicológicos para mascarar esses estímulos mesquinhos, colocando esse Bruce Wayne como um autêntico anti-herói, até porque ele se reconhece como um, especialmente comparando-se com Clark Kent, um personagem que o convence da bondade no mundo; além disso, é revigorante assistir a um filme de super-herói que se leva a sério e confia no material que tem em mãos.

O principal defeito em todos os filmes da Marvel (à exceção do bom O Captão América: O Primeiro Vingador) é o uso excessivo de humor, que desassocia e afasta o espectador da história enquanto experiência narrativa, ao mesmo tempo em que transforma o filme num espetáculo de sentidos esvaziados. É preciso coragem para realizar o drama. As camadas de sarcasmo e deboche em filmes como Homem de Ferro ou Homem-Formiga colocam o humor como meio e fim de suas histórias, ao invés de focá-las no que é essencialmente fundamental: o personagem.

Portanto, a épica batalha de The Avengers: Os Vingadores, onde cada personagem se exibe graciosamente em suas características principais no meio de uma cena de destruição em massa, torna-se a exceção e não a regra. Isso obviamente não é culpa só da Marvel, que possivelmente responde às suas pesquisas de mercado e entrega um produto formatado até o último frame para um público alvo bastante específico. Existe uma lógica de imagem que rege tudo isso, muito anterior à Avengers, e que é responsável por esse desejo de consumo impassivo e letárgico de imagens dentro de um contexto despretensioso propiciado pela comédia e pela ação. Um contexto ao qual todos nós estamos claramente sujeitos a participar, uma vez ou outra.

Talvez por isso a crítica esteja recebendo Batman vs Superman com tamanho desprezo. O filme se recusa ao deboche e a despretensiosidade. Snyder insere os míticos heróis dentro de um pano de fundo político, meio que micro-global (?), afim carregá-los de verossimilhança e, principalmente, de realidade. A história do filme se desenrola através de noticiários e sessões na câmara de senadores americana, buscando inserir Batman e Superman numa realidade como a nossa, calcada pelas instituições, pela economia e pelo caos.

O filme é ao mesmo tempo dois. É primeiramente uma história sobre a caça de Batman pelo Superman, enquanto este lida com seu lugar na opinião pública. Esse ato perdura até a batalha que dá título ao filme e é altamente denso em diálogo e trama. As cenas de ação surgem, aparentemente, como uma espécie de alívio dramático para essa densidade narrativa, e pertencem ao campo da alucinação ou do lúdico. Manifestam o desejo de Wayne em enfrentar o Superman e retratam o esforço de Kent em fazer o melhor possível para ser bom para as pessoas.

No segundo ato a ação é predominante. Batman e Superman se aliam para enfrentar a besta de Krypton ressuscita por Lex Luthor. Inegavelmente ele (o filme) se perde em meio à destruição e à profusão de efeitos de computador. As imagens passam a fazer menos sentido. Juntas, elas indicam mais ou menos o que está acontecendo: uma batalha, algumas explosões, algumas perseguições, tiros. A compreensão é gerada através da sucessão imperceptível de uma imagem após a outra, e não da imagem em si. O filme, enfim, torna-se mais padronizado.

Percebo a distinção entre dois atos do filme com uma certa tristeza. Snyder poderia ter arriscado mais. Permeiam o filme cenas de ação competentes cinematograficamente, bem coreografadas e retratadas. O próprio confronto entre Batman e Superman é marcante. À meia-luz numa mansão abandonada, a câmera de Larry Fong (colaborador corriqueiro de Snyder) enquadra pacientemente os dois heróis, estabelecendo relações de superioridade e inferioridade que variam conforme o desenrolar da luta. O espectador não é alienado das imagens, sendo responsável por captar os sentidos através da rapidez incessível com a qual uma imagem sucede à outra. Ao invés disso, nós podemos de fato olhar para dois gigantes enquanto eles batalham, na chuva, no escuro, sob escombros. É sem dúvida um grande momento do cinema blockbuster.

A impressão, porém, é de que faltou coragem. Talvez a besta de Krypton nem precisasse existir da mesma maneira, meios mais criativos ou sutis poderiam ser utilizados para estabelecer a gênese da Liga da Justiça. Ou talvez tudo poderia ter acontecido do jeito que foi, a cinematografia encarregando-se de retratar a batalha de Superman, Batman e Mulher Maravilha versus o Doomsday de maneiras menos caóticas e mais visualmente interessantes.

O filme conta com belas atuações, valendo destacar Jesse Eisenberg misturando O Coringa de Hearth Ledger com o seu próprio Mark Zuckerberg numa versão odiosa de Lex Luthor. Também Holy Hunter é especialmente expressiva até os últimos momentos de sua personagem no filme. Gal Gadot possui uma presença significativa, talvez por ser incrivelmente bela, mas senti-a caricata em momentos dramáticos mais exigentes. Henry Cavill me aparente inexpressividade, apesar de ser fisionomicamente muito próximo do que deveria ser um Superman. E Ben Affleck está, sem dúvidas, numa de suas melhores atuações.

Entre os grandes momentos do filme incluem-se a sequência de abertura, totalmente focada no passado de Bruce Wayne; a primeira aparição de Gadot como Mulher Maravilha, acompanhada de uma trilha sonora estilizada dessoante da que permeia todo o filme, imediatamente arrancando aplausos empolgados da sessão (um momento que, Deus me perdoe, me remeteu bastante à primeira aparição de John Wayne em No Tempo das Diligências); e os arquivos em vídeos que mostram outros integrantes da futura Liga da Justiça, um momento certamente empolgante para os fãs dos quadrinhos e que me deixou de certa forma empolgado também, embora eu seja indiferente às hqs.

Há certamente um excesso de informações perpassando todos os pontos da história. Não apenas os easter eggs, que poderão ser retomados ou não em filmes alternativos futuros, mas de fato todas as antecipações do roteiro para este e para os futuros filmes do universo DC foram realizados para que o filme não soasse abrupto e inconsistente. Particularmente, eu não me incomodo com excesso de informações textuais, desde que seja dado ao espectador a possibilidade de absorver essas informações enquanto usufrui da experiência cinematográfica (que a mim diz muito a respeito da percepção de sons & imagens dentro de um contexto narrativo de desenvolvimento de história/personagem; mas essa é só a minha opinião).

Zack Snyder é um diretor muito criticado pela sua estilização espetacularizante de imagens: o uso opulento de câmeras lentas e a quantidade imensa de informações visuais dentro de um quadro são as marcas pessoas mais predominantes do seu cinema, além do CGI excessivo, característico em blockbusters de maneira geral. Se essas características são irritantes ou não, depende muito do gosto pessoal de cada espectador. Na minha opinião ele é um cineasta competente em articular as funções de um diretor dentro de um contexto mercadológico despessoalizante e exigente e, ainda assim, conseguir imprimir suas marcas e realizar trabalhos até certo ponto autorais. Grande parte da ação (dramática) de Batman vs Superman transcorre de maneira equilibrada, com a câmera de Snyder atenta às demandas específicas de cada cena – veloz quando pode ser, estática quando necessária, com muita ou pouca profundidade, etc.

Acima de tudo, Snyder aproxima-se do conflito moral de seus personagens com rigor impressionante. O filme se nega a transcorrer mais rápido do que precisa para retratar um Superman profundamente triste em não reconhecer o seu lugar no mundo e um Batman mesquinho, pela centralização do poder. Os caminhos que a história toma nem sempre são os mais naturais. Há curvas desnecessárias e excessos incômodos. Há um terceiro ato que coloca o espectador no lugar da passividade enquanto acompanha letargicamente o desenrolar de uma batalha pouco empolgante. Mas eu admiro o filme por tentar. Por tentar ser dramático e sombrio, por mostrar um certo respeito a dois personagens entranhados na consciência popular de todas as pessoas, por pegar esses personagens e inseri-los em uma história dramaticamente pesada, atmosfericamente séria.

Por Guilherme Bakunin, em 26/03/2016
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Rodrigo Cunha 4.0
• Silvio Pilau 5.0
• Marcelo Leme 5.0
• Francisco Carbone 6.0
• Guilherme Bakunin 7.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
• Léo Félix 6.0
•  Média 5.4
Notas - Usuários
6.4/10 (319 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (41)
Por Luiz Fernando de Freitas, em 19/03/2017 | 12:20:39 h
A melhor critica sobre o filme que vi até agora. Revi o filme hoje, e apesar de reconhecer alguns dos problemas mencionados por críticos e haters, o filme subiu no meu conceito.
Por Felipe Ishac, em 05/04/2016 | 12:53:27 h
n devia ter revisto mesmo, fui bobo.
Por Felipe Ishac, em 05/04/2016 | 12:53:07 h
viu que eu mudei a nota no letterboxd?
Por Pedro H. S. Lubschinski, em 05/04/2016 | 12:52:14 h
eu nem planejo rever pq já sei que vou odiar sem o elemento de novidade
Por Felipe Ishac, em 05/04/2016 | 12:45:44 h
assim como o último bátima da trilogia do nolan, esse cairá muito na revisão de vocês; eu tenho certeza!

há várias coisas muito ridículas, o roteiro no seu total não faz o menor sentido e os furos são enormes; nesse caso nem é "ai, mas é filme de super heroi, tem que botar uma suspensão de descrença", é falta de sentido narrativo mesmo. a cena na mansão do luthor é ridícula, a criação do doomsday meh. se fosse um videoclip pro youtube de 40 min, só com cenas de luta ia ser obra prima. dos poucos casos que se o filme não tivesse roteiro, seria infinitamente melhor.
Por Felipe Ishac, em 05/04/2016 | 12:39:54 h
que avatar homo, pepe!
Por Pedro H. S. Lubschinski, em 05/04/2016 | 10:42:55 h
nossa, que pena, a produção teve problema demais mesmo, a gente precisa se contentar com esse filme meia boca e ainda ficar feliz que o estúdio que investiu milhões e milhões de dólares lançou esse presente aí pra galerinha assistir
Por PATRICK JOSE DUTRA CALDEIRA, em 05/04/2016 | 09:58:01 h
galera, gostaria de lembrar que na propria produção esta pelicula obteve varios problemas, desde no inicio não pemsarem em expandir o universo DC entre outros. Após a entrada do Afleck o filme teve varias revisões no roteiro e até incluiram outro roteirista que tinha trabalhado com o Afleck em Argo.
Acredito que para um ponta pé inicial estamos de bom tamanho, se comparado ao inicio do universo marvel que foi em Iron Man, a DC esta no caminho certo!
Por Khalil Nascimento , em 01/04/2016 | 17:24:25 h
Duas horas e meia que passaram rápido.
Parabéns pela critica, Guilherme.
Nota 8
Por Felipe Nicéas Carneiro Leão, em 29/03/2016 | 09:51:52 h
You're in the psy, you're in the psycho circus, you're in the psy, you're in the psycho circus and I say welcome to the show, welcome to the show, WELCOME TO THE SHOW!
Por Declieux Crispim, em 29/03/2016 | 09:04:34 h
Sinceramente, não entendo alguém ter altas expectativas com filme do anódino Zack Snyder.
Por Gabriel Drummond, em 28/03/2016 | 22:15:49 h
Comparar com TDK ultrapassa o senso do absurdo.
Por Rodrigo Giulianno, em 28/03/2016 | 13:56:56 h
Jesse Eisenberg tá bem? Ele interpretou o coringa?
Por Rodrigo Giulianno, em 28/03/2016 | 13:54:37 h
Nota 7 é muito...nota 5 tá bom
Por Rodrigo Giulianno, em 28/03/2016 | 13:54:07 h
Zack Snyder só tem dus opções:

Fazer video clips ou ser Scorsese...
Por Alexandre Guimarães, em 28/03/2016 | 12:21:58 h
2 no galo doido
Por Rafael Alves , em 28/03/2016 | 09:56:46 h
Nem vi nem verei.
Por Felipe Nicéas Carneiro Leão, em 28/03/2016 | 08:30:34 h
Ótimo filme, apesar de não ter superado minhas expectativas gostei bastante da forma que o filme foi conduzido, o embate entre os personagens e algumas cenas bem interessantes e empolgantes, o aspecto negativo ficou mesmo por conta de Jesse Eisenberg, forçado no papel de Luthor, uma escolha ao meu ver equivocada.
Por Vinicius de Moraes, em 27/03/2016 | 20:29:16 h
Ao contrário de muita gente,eu não esperava nada desse filme. Logo,saí surpreendido positivamente, embora eu o veja como um filme falho. Eu gosto dos filmes da marvel,mas gosto do que a DC está tentando fazer ao dar um tom mais sério aos seus filmes, embora ainda não tenham lançado uma obra inegavelmente boa atualmente,na minha opinião. É legal ter um cinema de super heróis "diferente" do cinema marvel. Espero que acertem a mão em seus próximos filmes,algo que passa pela escolha de um diretor que não seja Snyder.
Por Matheus Johan Darswik Rodrigues Barbosa, em 27/03/2016 | 19:05:11 h
Affleck é um diretor genial,tem um talento raro.
Por Marcelo Cardoso Queiroz, em 27/03/2016 | 18:27:48 h
Com certeza. Affleck já mostrou que é bom na direção algumas vezes.
Por Araquem da Rocha , em 27/03/2016 | 16:44:56 h
Pra mim,melhor ele,do que o Snyder.
Por Marcelo Cardoso Queiroz, em 27/03/2016 | 16:32:04 h
Aí boto fé.
Por Araquem da Rocha , em 27/03/2016 | 13:26:44 h
"Gostaria de ver o Affleck num filme solo.Gostei dele no filme." (2)
A Warner vai fazer isso. Ele vai dirigir,escrever e estrelar o filme solo do morcego.
Por Kerlan T., em 27/03/2016 | 11:27:38 h
Eu que agradeço, Guilherme. Também respeito a sua opinião :)
Por Daniel Borges, em 27/03/2016 | 07:47:00 h
fui com muita expectativa, a decepção foi inevitável. da metade pro final o filme vira uma droga sem tamanho.
Por @raissamcastro, em 27/03/2016 | 02:17:03 h
Muita produção pra pouco conteúdo! Esperava mais do filme! Bem mais!
Por Guilherme Bakunin, em 27/03/2016 | 02:04:38 h
Kerlan, eu entendo o que você diz. Os flashbacks são um subterfúgio narrativo fraco mesmo, mas eu dificilmente caracterizaria qualquer história como "mal desenvolvida" só pela opção de usá-los. Acho que o desenvolvimento do filme vai um pouco além disso; acho que rola um embate interessante a nível ideológico entre o Batman e o Superman, sim, embora no final das contas essa impressão se torne amenizada porque o que deflagra o conflito dos dois é um fator externo.

Sobre a Marvel, eu não tenho o que dizer. Respeito sua opinião, aparentemente baseada num equilíbrio bem dosado de expectativa/realidade em torno dos filmes. A minha tese é, enfim, que as camadas de humor/ação nos filmes da Marvel possuem um efeito de auto sabotagem. Esse é só um dos muitos incômodos que eu tenho em relação ao filmes, mas fazem parte da minha opinião pessoal mesmo. Obrigado pelo comentário!
Por Guilherme Bakunin, em 27/03/2016 | 01:56:38 h
Matheus, eu não acho que os heróis devam necessariamente ser de um jeito ou de outro, mas comentei um pouco a respeito de uma tendência dos nossos tempos mesmo. O herói é por si só uma figura reflexo de seu tempo e eu acho natural que a índole dessa figura se modifique em determinados contextos/lugares.

Obrigado pra todo mundo que comentou elogiando o texto :)
Por Kerlan T., em 27/03/2016 | 01:06:05 h
"Talvez por isso a crítica esteja recebendo Batman vs Superman com tamanho desprezo."
A crítica tá recebendo com desprezo pq o filme é fraco mesmo, se propor a ser mais sério não quer dizer nada quando você não sabe desenvolver uma história da forma correta. O filme chega a menosprezar a inteligência do espectador mostrando novamente a mesma cena inicial do filme (!!!) para que as pessoas entendam o que está acontecendo, me contorci na poltrona nessa hora.
Sobre a Marvel ela ao menos mostra que o filme vai ser de humor/ação e assim o entrega, com um roteiro bobo mas amarradinho e com poucos furos, diferente da DC que em todos os trailers prometia um conflito ideológico entre Batman e Superman e entregou esse conflito com um motivação boba e com 7 minutos de "briga" em um filme de 2:40h. O filme tem coisas boas mas não chega nem perto do que prometia.
Por Marcelo Cardoso Queiroz, em 26/03/2016 | 22:40:47 h
Gostaria de ver o Affleck num filme solo. Gostei dele no filme.
Por Luís F. Beloto Cabral, em 26/03/2016 | 22:39:24 h
Concluindo o comentário anterior, a luta entre os gladiadores foi fodástica, mas eu imagino como seria um "Batman versus Superman" com os heróis que eu conheci no desenho animado e nos quadrinhos. Ou seja, sem essa coisa peso-pesado ala Nolan e também sem ser uma coisa boba demais. Os filmes que eu encontro mais ou menos isso são os últimos dos X-Men. Eles trabalham com toda uma metáfora social sobre a intolerância mas nem por isso não deixam de se divertir um pouco com o maravilhoso rol de personagens que têm (vide as cenas de treinamento no "First Class" ou a cena do Mercúrio no "Dias de Um Futuro Esquecido").
Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 26/03/2016 | 22:37:07 h
O CP é um dos poucos sites onde as críticas chegam a ser melhores que o filme. Mais um caso assim, logo acima. Ótima análise de um filme bem razoável - mas tem a muié maravilha
Por Luís F. Beloto Cabral, em 26/03/2016 | 22:35:48 h
Particularmente gostei bastante do filme. Para mim captou muito bem o espírito das HQs justamente pela sua extrema plasticidade. Essa imagem extremamente montada, apelativa e excêntrica me lembrou muito a imagética dos próprios quadrinhos, a fantasia gráfica e expressiva das HQs. E naturalmente também contam as excelentes caracterizações das personagens mais a interação entre as mesmas em sequências-chave como o duelo do título e a luta final contra o Apocalipse (e acho que fui um dos únicos a curtir o terceiro ato com aquele monstro CG louco e os heróis tentando dar um jeito nele).
Possui sim os seus excessos e talvez justamente se leve um pouco a sério demais. Sei lá, não querendo subestimar o universo das HQs mas às vezes eu penso que essa atmosfera dramática e sombria (derivada dos filmes do Nolan) impede que eles se divirtam ou mesmo explorem totalmente o material que possuem. Despretensão não é algo necessariamente ruim, desde que trabalhada na dose certa.
Por Matheus Bezerra de Lima, em 26/03/2016 | 21:27:05 h

Guilherme, porque você disse na sua crítica ao filme do Batman vs. Superman que são duas figuras anacrônicas e empurradas goela abaixo ao terceiro mundo? Os dois personagens têm méritos para isso e jamais serão anacrônicos. Sinceramente, não tem coisa que eu mais odei que esse heróis modernos que precisam ser falíveis e de moral dúbia. Por isso, tenho saudade, mesmo sem ter vivido, dos quadrinhos da década de 60, em que Superman era o exemplo de moral. Não era infalível, mas sempre procurava acertar e tinha princípios bem definidos. Agora, se isso é anacrônico para o mundo atual, que se dane o mundo! Melhor filme de super-herói da história é Superman - O Filme (1978). Uma pena que não fazem mais assim. Tinha algumas coisas ingênuas, mas isso é parte da magia.
Por Marcelo Cardoso Queiroz, em 26/03/2016 | 20:18:23 h
Belo texto. Achei o filme fraco, mas não chega a ofender.
Por Felipe Lima, em 26/03/2016 | 20:14:18 h
Ótima crítica. O filme é melhor do que quase tudo que a Marvel Studios já fez.
Por Abdias Terceiro, em 26/03/2016 | 19:56:23 h
Crítica muito bem escrita. Concordo somente em 23% com os dizeres, mas que crítica bem escrita pra kcte.
Por Júlio César Filho, em 26/03/2016 | 19:21:19 h
Melhor crítica do filme que eu li até o momento. É um filme que incomoda tanto positivo quanto negativamente. Só isso já faz dele melhor do que a indiferença ou a comédia esquecível das maiorias dos filmes de super-heróis. A película tem muitas problemas, mas o saldo é bem interessante!
Por Felipe Ishac, em 26/03/2016 | 18:51:26 h
aleluia, alguém coerente nessa internet
Por Ianh Moll Zovico, em 26/03/2016 | 18:51:20 h
Estou preocupado com o futuro da DC no comando do Snyder. Se existe opiniões dividias nessa escala, há um problema. O filme é bom, mas esperava muito, muito mais.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Batman vs Superman: A Origem da Justiça
(Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016)
• Direção:
- Zack Snyder
• Elenco Principal:
- Henry Cavill
- Ben Affleck
- Amy Adams
• Sinopse: Temendo as ações e o poder sobrenatural do Homem de Aço, Batman parte para cima do Superman. Ao mesmo tempo, o mundo reflete sobre o tipo de herói que necessita para manter a segurança. Durante esse tempo, Lex Luthor ressurge com uma nova ameaça para...
 FILMES RELACIONADOS
• Death Note
• Homem de Ferro
• Homem-Formiga
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE