FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Belos Sonhos

(Fai Bei Sogni, 2016)
Por Marcelo Leme Avaliação:                 8.0
Mãe, onde você está?
imagem de Belos Sonhos
Quando Belos Sonhos inicia, somos imediatamente levados pelo olhar da câmera que explora um plano: uma mãe e um filho se encontram numa sala. Eles se divertem juntos em uma dança recreativa, convertendo o semblante até então tristonho do menino em um reconfortante contentamento. Tantas cenas similares acontecerão, sempre mostrando o pequeno Massimo e seu amor incondicional pela mãe que repentinamente morre, deixando-lhe um abismo de sentimentos conflituosos que este, aos 9 anos, custa a dar conta de superar. O último encontro entre ambos aconteceu horas antes a morte da mulher. Durante a noite, ao ver o filho dormir, igualmente a todas as noites anteriores, ela o cobriu protegendo-o do frio, desejando belos sonhos. O título do filme pega emprestado esse desejo. E tal desejo, uma estima fraternal, encontra a realidade num despertar indesejado: se fosse um sonho, muito melhor seria, e mesmo assim seria apavorante. 

O roteiro encontra o luto em uma criança e a criança vislumbra uma resposta que lhe seja minimamente aceitável. Baseado na auto-biografia de Massimo Gramellini, o filme de Marco Bellocchio passa por dois momentos: a infância e a vida adulta de seu protagonista. Cada período com as implicações da memória causada pela traumática lembrança. Massimo torna-se um jornalista, mas antes, ainda na infância, tenta compreender o que significa a morte, invocando todos os consolos possíveis que justifiquem a perda. A fé aparece como solução. Segundo um aprendizado dentro da igreja que frequenta, a alma é imortal. Pode então a alma de sua mãe estar viva? Uma criança questiona um padre. Já adulto, torna-se um jornalista de relativo sucesso como correspondente. Mas eventos do cotidiano lhe recuperam a memória, restituindo a sensação de um passado mal resolvido. Um adulto questiona a vida. 

Nesse percurso de elaboração é interessante perceber a série de perdas que acompanham os anos do protagonista: os trabalhos enquanto jornalista – especialmente em Sarajevo, quando observou a fotografia de um órfão ser modificada –, os relacionamentos corrompidos, um suicídio, o acidente aéreo com a delegação da Torino. As transformações sociais e culturais da Itália e da Europa são planos de fundo. É uma série de episódios que aparecem ciclicamente que, no ponto de vista de Massimo, funcionam como retornos constantes ao seu passado, às perguntas não respondidas que intensificam sua solidão e a de seu pai. Em Belos Sonhos, belos planos constatam reminiscências, todos bem desenrolados em fragmentos num roteiro onde a narrativa não segue uma linha, mas é construída através de momentos, de estímulos que levam a flashbacks pontuais.

É um filme de diferentes memórias que respaldam a sensação de nostalgia que Massimo experimenta. Mais do que isso, a obra ilustra concepções desse personagem a cerca de seus sentimentos sempre obscurecidos pelo luto não superado. Quando uma luz aparece em forma de uma médica, então tudo ganha um novo sentido, uma reinterpretação de experiências: a assustadora dor no peito; o temor a morte; o acalento do outro; a dança redescoberta como diversão.

Filmado por um cineasta quase octogenário, é perceptível que o olhar sobre o filme vai além de uma adaptação de uma biografia alheia. Há muito de Bellocchio nos personagens, de nostalgia, de lembranças e questionamentos que perpassam família e fé. Em obras recentes, o cineasta relembrou o passado de sua família em Irmãs Jamais (Sorelle Mai, 2010) e travou uma discussão sobre suicídio e aceitação em A Bela que Dorme (Bella addormentata, 2012) e Sangue do Meu Sangue (Sangue del mio sangue, 2015). 

Há pelo menos uns 3 diálogos que imperam sobre as intenções do roteiro, carregado com um drama necessário e pesado, nas revelações, nas idealizações, nas confissões. A cena em que Massimo responde uma carta de um leitor é absolutamente comovente. Bellocchio, ciente disso, a partir de seu roteiro emotivo, transgride o drama da leitura ao irromper com a ternura e exaltar o sarcasmo. A lágrima que poderia estar escorrendo dos olhos do espectador cessa instantaneamente. Não é pra cair no melodrama. 

Outros instantes em que mãe e filho assistem a filmes de horror demarcam outro aspecto da relação entre ambos, mas nesse ponto surge sombria, um compartilhamento pessoal. Sangue de Pantera (Cat People, 1942) é uma das sessões – taí um filme de pulsões. E assim solidões, lembranças e paixões se somam em meio a cinematografia de um realizador perito em absorver emoções, encantando com a imagem e investindo nas incertezas de Massimo. O cordão umbilical é cortado tardiamente, no tempo em que sua cisão com o mundo parecia irreparável. 
Por Marcelo Leme, em 15/05/2017
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 7.0
• Marcelo Leme 8.0
• Felipe Leal 9.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
7.1/10 (9 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Paulo Faria Esteves, em 15/05/2017 | 22:55:20 h
Vi o filme há pouco tempo e pensei: "Aposto que o Cineplayers vai lançar uma crítica para este em breve!" Acertei, hehe...já estou a ver que sou a minoria em relação a Belos Sonhos, pois não gostei assim muito. Gostava que todo o filme fosse tão único como a cena inicial, o "namorisco" entre Massimo e Elise e, claro, a adorável cena de esconde-esconde (ti toisinha linda!*.*). Mas não achei que fosse...Massimo saiu um adulto bem chato!

Mas esta crítica, eu diria, está bem inspirada e gostei de algumas perpetivas que ela descreveu que eu não apanhei ao ver o filme. Vai ver, ainda revejo e gosto mais...
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Belos Sonhos
(Fai Bei Sogni, 2016)
• Direção:
- Marco Bellocchio
• Elenco Principal:
- Bérénice Bejo
- Guido Caprino
- Emmanuelle Devos
• Sinopse: A infância de Massimo, um garoto de nove anos, é abalada pela misteriosa morte de sua mãe, que ele se recusa a aceitar. Anos mais tarde, na década de 1990, Massimo, já adulto, torna-se um jornalista realizado. Mas após cobrir a guerra em Saravejo, el...
 FILMES RELACIONADOS
• A Bela que Dorme
• Irmãs Jamais
• Sangue de Pantera
• Sangue do Meu Sangue
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE