FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Borg McEnroe

(Borg McEnroe, 2017)
Por Demetrius Caesar Avaliação:                 8.0
Thriller psicológico retrata superficialmente, mas com charme, duas figuras emblemáticas do tennis.
Borg McEnroe (idem, 2017) promete ser uma investigação sobre o que se passou na final do torneio de Wimbledon em 1980, quando, tentando o quinto título consecutivo, o sueco Björn Borg, número 1 mundial, enfrentou a então nova sensação do circuito, o insuportável, arrogante e grosseiro John Patrick McEnroe, o número 2 – pelas regras do tennis, os dois jogadores de maior ranking só se encontram na final.

Apesar de ter sido produzido pela Svensk Filmindustri, a estatal sueca onde Ingmar Bergman fez a maior parte de suas obras máximas, o filme do também sueco Janus Metz está bem longe da densidade intelectual de Bergman: é na verdade um amontoado de clichês sobre a mitologia envolvendo a final, considerada uma das mais emblemáticas do esporte, com música tocando o tempo todo, bem alta. Como é muito bem filmado e com reconstituição de época impressionante, o filme no entanto funciona como divertimento, apesar da sensação de ter deixado o mais interessante de lado para ficar no apelativo e mais fácil.

Björn Borg e McEnroe deram início a uma das mais famosas rivalidades da história do tennis, e o filme mostra como ela se formou. Vendo-se essa produção sueca, baseada em um tenista sueco, “o atormentado” Borg consagra-se indiscutivelmente depois dessa vitória, mas não foi assim. Ao contrário. No torneio seguinte, o US Open, do mesmo ano, a final foi novamente Borg X McEnroe e foi o americano quem venceu. No ano seguinte, McEnroe finalmente destronou Borg, roubando-se o título de Wimbledon e o número 1. 

Born perderia o US Open novamente na final para McEnroe. Depois das três derrotas consecutivas em finais para McEnroe, Borg decide se aposentar, com apenas 26 anos. Insinua-se no filme que Borg só jogava porque sabendo que iria ganhar: não admitia derrotas, não conseguia lidar com elas. A presença de um rival na mesma altura levou Borg e desistir de tudo e largar a carreira. Por quê? Não é vendo esse filme que vamos ficar sabendo, mas ele dá algumas pistas.

No mais, o filme segue tudo o que se escreveu sobre a final. Eram dois estilos muito diferentes: o gentleman contra “a criança mimada” (spoiled brat), um jogador de fundo de quadra contra um agressivo voleador (que sobe à rede com frequência para terminar o ponto, atacando continuamente) e, para quem joga tennis como eu, Borg com sua imaculada, idolatrada, extraordinária esquerda (backhand) de duas mãos contra a então tradicional esquerda de uma mão só de McEnroe.

É no mínimo interessante ver dois atores tentando emular na tela o estilo de jogo de tenistas tão particulares como os retratados. Shia LeBeouf faz o enfant terrible em quase todas as cenas, cuspindo, xingando a famosa diatribe do McEnroe “You cannot be serious”, ajeitando a cabeleira. Para muitos, é ele interpretando a si mesmo, já que cultiva uma bem-cuidada fama de outsider. É cansativo e pouco esclarecedor, pois McEnroe é um dos piores misóginos do circuito, detestado pelos outros jogadores e até hoje mais lembrado pelas “polêmicas” que solta como comentarista da ESPN do que pelos feitos como atleta.

O sueco Sverrir Gudnason se dá melhor pelo simples motivo de que ele é muito parecido com Borg. Incrível, parece estarmos diante do próprio (mais: o filho do Borg interpretou o pai quando adolescente). Ice-Borg, o robô, 'a muralha', o jogador que não demostrava emoções, que nunca dava declarações bombásticas, o primeiro sex-symbol da história do esporte e a primeira celebridade – no sentido de ter milhões de adolescentes correndo atrás –, o Borg de Gudnason ficou bem crível na tela, também porque pouco se conhece de Borg fora das quadras. A superexposição de McEnroe tornou as coisas mais difíceis para LaBeouf.

Nenhum dos atores havia jogado tennis antes e treinaram por seis meses para desenvolver a técnica. Como a final está disponível no Youtube, pode-se se conferir a exatidão dos lances: alguns estão realmente bastante próximos.

Como fã de tennis, alguns pontos. Primeiro, a decepção de não terem filmado em Wimbledon (o filme foi feito em Praga). A majestosa arena central do torneio e seu gramado imaculado são conhecidos demais pelos fãs e desde as primeiras cenas dá para ver que não é o mesmo lugar. Os diretores de arte até tentaram recriar a Centre Court com ajuda da computação gráfica, mas Wimbledon é Wimbledon. Acho que em nenhum esporte os fãs são tão apegados às sedes dos torneios como acontece no tennis.

O ponto positivo: as cenas nos vestiários, lá onde as câmeras de TV não entram. Pela tradição de Wimbledon, todos os tenistas usam o mesmo vestiário (para os 32 mais bem ranqueados, tem nome escrito na porta). Nem mesmo as equipes técnicas e familiares têm acesso a eles. Na final, só os dois finalistas estão lá e as cenas de uma intimidade forçada são obrigatórias. Também pela tradição, os tenistas entram em quadra juntos, tendo de esperar longuíssimos minutos pacientemente sentados um do lado do outro, e saem dela juntos depois da premiação, de volta ao famigerado vestiário: é um esporte de gente educada e civilizada, não há lugar para rompantes e grosserias, pelo menos na aparência.

Pois bem, é lá que Jimmy Connors e McEnroe, então amigos, vão se desentender e dar início a outra rivalidade histórica (até porque Borg, como foi dito, vai se aposentar logo depois). É no vestiário que McEnroe se sente menos a vontade e causa ainda mais confusão. Nos vestiários antes dos jogos, quando os tenistas talvez se sentem mais solitários, eles são obrigados a compartilhar esses angustiantes momentos com seus inimigos. Não à toa, Borg e McEnroe vão terminar amigos. Vão trocar gestos fraternais no aeroporto, Borg vai ser padrinho de casamento de McEnroe. Afinal, um sabe o que o outro está passando. Em vez das provocações infantis dos demais esportes, no tennis tem isso: há um enorme sentido de decoro, tradição de 200 anos que não pode ser quebrada. Ver isso captado no cinema é um afago aos fãs de tennis, pois a lei máxima está preservada: rivais sim, mas só nas quadras. 
Por Demetrius Caesar, em 09/10/2017
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
•  Média -
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Borg McEnroe
(Borg McEnroe, 2017)
• Direção:
- Janus Metz
• Elenco Principal:
- Sverrir Gudnason
- Shia LaBeouf
- Stellan Skarsgård
• Sinopse: A história da lendária final do torneio de tênis de Wimbledon, em 1980, entre Björn Borg e John McEnroe, que protagonizaram, ao longo de suas carreiras, uma das maiores rivalidades da história do esporte.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE