FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Bright

(Bright, 2017)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:         4.0
Tão diferente quanto genérico.
imagem de Bright
Destacado na indústria por escrever o roteiro de Dia de Treinamento, obra que faturou o prêmio de Melhor Ator para Denzel Washington, e no ano seguinte escrever o primeiro filme da franquia Velozes e Furiosos, David Ayer dirigiu alguns destaques do blockbuster policial como Os Reis da Rua e Marcados Para Morrer, e conheceu no segundo semestre de 2016 o paraíso da alta bilheteria e o inferno das críticas negativas com a adaptação de Esquadrão Suicida. Um ano depois do controverso filme, é a vez da fantasia Bright, onde repete a parceria com Will Smith (MIB - Homens de Preto) dirigindo roteiro de Max Landis (Victor Frankenstein).

Em um mundo onde humanos vivem em meio a raças fantásticas e magia, o policial Daryl Ward vive dias complicados após ser designado para trabalhar com o parceiro Nick Jakoby, o primeiro Orc a ingressar na polícia. Em meio a uma rotina estressante - Ward recebeu um tiro de um assaltante orc e Jakoby é suspeito de deixar o criminoso escapar por causa do comportamento tribal da raça - a dupla atende o chamado mais perigoso até então. Elfos praticantes de magia negra estão perseguindo Tikka, uma elfa bright, capaz de manipular a energia mística de poderosas varinhas mágicas.

Reconhecido pelo background “das ruas” em sua obra - foi embora da casa dos pais ainda adolescente -, Ayer sabe inegavelmente retratar com certa naturalidade a ambientação das ruas; enquanto os créditos rolam, conhecemos mais daquele mundo através de grafites e pichações em paredes que combinam a estética urbana com a temática fantástica. Mas como foi o caso do filme anterior, o diretor sabe incensar premissas interessantes mas nem tanto entregar um filme satisfatório.

Ambientado o filme, Bright vira mais uma cópia dos filmes “buddy cop” a lá 48 Horas e Máquina Mortífera. E não uma cópia particularmente boa; os conflitos do gênero policial em sua maioria são bem mal explorados - questões pessoais como a família de Ward e sua situação financeira têm participação mínima na trama. Esposa e filha de Ward são personagens utilitários, sem questões próprias e servindo meramente como contexto. Nesse sentido, o racismo sofrido por Jakoby, odiado por humanos e pela própria raça, tem até maior funcionalidade na trama - mas não muita, é verdade.

O gênero fantástico também sofre com um universo que é esboçado, mas nunca desenvolvido. A todo momento nomes “cool” nos são apresentados, o departamento federal “Força Tarefa Mágica”, os cultistas “Escudo de Luz”, os elfos feiticeiros “Inferni”, o evento histórico “Guerra das Nove Raças”, mas o filme nunca esclarece seus limites, nunca fundamenta os nomes disparados a todo momento e, para dizer a verdade, surge muito mais como um MacGuffin, pois muito pouco da trama, além dos fatos centrais, têm influência mágica direta. Sobram socos, tiros, atropelamentos e perseguições em quantidades muito maiores que qualquer pretensão épica oferecida pela fantasia.

O roteiro de Max Landis é muito interessado em frases de efeito e diálogos espertos, mas também não tem muita paciência para o resto e pensar na estrutura narrativa de maneira orgânica, como uma composição fechada em si mesma. O cultista louco é interrogado em uma cena, profetiza eventos cataclísmicos e desaparece; o elfo policial federal esboça seu cuidado em interessar os Inferni, mas nunca temos muita certeza da razão real.

Ayer dirigindo faz a mesma coisa, com uma mão pesada de pós-produção que utiliza todos os recursos possíveis e imagináveis de maneira bem pouco articulada, mais pelo puro impacto do efeito em si. Seus flashbacks, com a voz em off descrevendo as ações dos personagens, são didáticos. Suas cenas de ação, confusas, inserindo técnicas de filmagem como o bullet time sem prévia utilização na trama ao som de trilha-sonora melancólica e contrastante. Não há estilo, mas crê-se que há um.

Enquanto alguns cineastas fazem colagens, Ayer faz remendos. E é isso que Bright é, um filme que tenta ser tudo mas sem real intimidade com nenhum dos gêneros que abraça. O gênero policial não é violento, ameaçador ou mesmo realista, lotado de figuras estereotipadas como policiais e oficiais corruptos, maquiavélicos e impressionados consigo mesmos mas também sem nenhuma questão a enfrentar, apenas atrapalhar o caminho do protagonista. Já o gênero fantástico não é muito fantástico, por assim dizer, com a maioria dos monstros apresentados não acrescentando novas dinâmicas, mas sim substituindo tensões típicas do policial clássico e a magia basicamente entrando para estar no lugar de armamento pesado.

Genérico até o fim, com pouco a oferecer além da atrativa ambientação, Bright é uma das produções mais caras da Netflix, mas mesmo assim não consegue se livrar da aparência de filme B com grife. Não os bons filmes que o cinturão da miséria do cinema norte-americano sempre produziu, mas os enlatados que calculadamente tentam suceder às custas de tendências. Conduzido por um diretor de mão pesada, de linguagem histérica afetada, e escrito por um roteirista sem a mínima vocação ou paciência para uma narrativa funcional que case dois gêneros quase opostos, Bright é muito esquisito em um primeiro momento - até o espectador perceber que trata-se do mesmo filme ruim assistido tantas outras vezes. Pode até ser melhor que Esquadrão Suicida - mas nem por isso chega ao menos perto de ser um bom filme.
Por Bernardo D.I. Brum, em 28/12/2017
Avaliação:         4.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Marcelo Leme 4.0
• Bernardo D.I. Brum 4.0
•  Média 4.3
Notas - Usuários
5.4/10 (54 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Abdias Terceiro, em 05/01/2018 | 12:17:26 h
Uma pena, gosto do Ayer em Tempos de violência e Reis da Rua.
Por João H. Martini, em 30/12/2017 | 02:46:17 h
Filme ruim, muito ruim.
Por Davi de Almeida Rezende, em 29/12/2017 | 00:57:24 h
O que mais me intriga é até supostos críticos levarem a sério qualquer produção da Netiflix que partem de um princípio ÓBVIO, EXPLÍCITO, de só fazerem porcarias comerciais. As ideias já são porcas e explicitamente para agradar o público de idiotas deles.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Bright
(Bright, 2017)
• Direção:
- David Ayer
• Elenco Principal:
- Will Smith
- Joel Edgerton
- Noomi Rapace
• Sinopse: Em um mundo habitado por diferentes espécies, um policial humano e seu parceiro orc encontram um artefato que os coloca no centro de uma profética guerra por território.
 FILMES RELACIONADOS
• 48 Horas
• Dia de Treinamento
• Esquadrão Suicida
• Marcados Para Morrer
• Máquina Mortífera
• Os Reis da Rua
• Velozes e Furiosos
• Victor Frankenstein
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE